Pular para o conteúdo principal

50 ANOS DE BUDISMO NO VALE DO AÇO, MG




Apresentação do Coral da Divisão Sênior, com regência da professora Íris.

            Ipatinga e região viveu neste 22 de agosto de 2015 um dia histórico com a Convenção Cultural em comemoração aos  50 anos da implantação do Budismo de Nitiren Daishonin no Vale do Aço. O evento é tanto mais significativo porque se confunde com a própria história da cidade, pois foi através da siderúrgica Usiminas, criada em outubro de 1962, que os primeiros japoneses se instalaram no que à época era uma vila pertencente ao município vizinho de Coronel Fabriciano, vindos sobretudo dos estados de São Paulo e Paraná. Com os imigrantes vieram os hábitos e a cultura, com destaque para a culinária e artes como a ikebana, o origami e a caligrafia, além da filosofia grandiosa do Budismo. 
            Muitos tinham se convertido ainda no Japão, outros se converteram após chegarem ao Brasil, graças ao impulso propagador do pós-guerra promovido pela Soka Gakkai, no movimento chamado Kossen-rufu.


           
Apresentação da Divisão Feminina de Jovens.










Crianças seguram cartazes alusivos à história da BSGI no Vale do Aço.











Dança das fitas, descontração e alegria











KOSSEN-RUFU E DESENVOLVIMENTO DE VALORES HUMANOS

          Kossen-rufu significa ampla propagação e é uma das bases do Budismo de Nitiren Daishonin. Ele obedece ao princípio fundamental budista de que o ser não se separa do seu ambiente, ambos constituem a mesma entidade, o que em termos sociais significa que o indivíduo não pode ser pensado separadamente de sua comunidade. Sendo assim, para realizar a revolução humana ou auto-aprimoramento, que é o objetivo primordial da prática budista, é preciso atuar junto às pessoas, realizando na prática – e não de forma meramente doutrinal ou teórica - a compaixão e a solidariedade.  
            Ao mesmo tempo em que realizam essa nobre missão, os dedicados membros da Soka Gakkai buscam revelar e desenvolver valores humanos através de diferentes práticas dentro do meio social. De 1965 até hoje, o Budismo tem se expandido cada vez mais entre famílias sem ascendência nipônica, constituindo uma das forças motrizes em favor da paz, cultura e educação em nossa região.


Crianças ensaiam para o evento.

           





Crianças ensaiando pouco antes da apresentação.









Banda feminina com crianças.











A VERDADEIRA FELICIDADE

          O compromisso com a criação de valores está na própria origem da Soka Gakkai, sociedade civil japonesa cujo marco inicial foi o lançamento do livro Soka Kyoikugaku Taikei (Sistema Pedagógico de Criação de Valor) de autoria do professor Tsunessaburo Makiguti, em outubro de 1930. Na introdução dessa importante obra pedagógica do século XX o professor Makiguti afirma:

         “A verdadeira felicidade só é alcançada compartilhando-se as tentativas e sucessos dos outros membros da comunidade. É fundamental, portanto, que qualquer conceito genuíno de felicidade contenha a promessa de comprometimento total com a vida da sociedade.”
           
EXEMPLO DE UMA FAMÍLIA PIONEIRA

          Abaixo, fotos da família Inoue, que imigrou inicialmente para a Amazônia e posteriormente mudou-se para Ipatinga.


Senhora Kikuko Inoue tocando harpa japonesa, ainda em seu país de origem.











Imigrantes japoneses na Amazônia.



Senhora Kikuko Inoue (em pé à direita) e filha Yoshiko Inoue
(em pé à esquerda) no Kaikan, em Ipatinga, MG.











RECONHECIMENTO

           Como reconhecimento à atuação da comunidade budista na região, foi entregue, através de iniciativa da câmara municipal de Ipatinga, um diploma de menção honrosa à BSGI – Brasil Soka Gakkai Internacional -, representada entre nós pela Região Metropolitana do Vale do Aço, por sua incansável promoção dos ideais budistas da paz, do diálogo e do entendimento entre os povos.


O vereador Wesley Lei do Trânsito, esquerda, entrega diploma de Menção Honrosa à BSGI - Vale do Aço, aqui
representada pelo senhor Yasuhiro Urabe, à direita.

©
Abrão Brito Lacerda
26 08 15
             




Comentários

  1. qual o endereço dos templos ou locais onde vocês realizam os encontros gostaria de participar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, José Roberto. Você pode começar com uma reunião de bloco, que são reuniões familiares em casas de membros. É ótimo para ter os primeiros contatos e começar a aprender sobre o budismo. Tem reunião este sábado 14 Mai 19 h em Timóteo. Se quiser participar, contato 99632-3275 (tbm Whatsapp). Abrão

      Excluir

Postar um comentário

Gostaria de deixar um comentário?

Postagens mais visitadas deste blog

CAI O QUEIXO

Neusa Santos 27 de dezembro às 05:58 ·  Bom dia , Matutina !


Para começar, uma nobre verdade: não conheço a Neusa. Pelo menos, não pessoalmente. Não se trata de uma ex-colega de faculdade, de alguém que virou celebridade de um minuto através de milhões de likes, eu a encontrei no perfil de um amigo e ela acabou se tornando também minha “amiga”. Fora isso, nunca a vi mais magra, a não ser nas selfies do Facebook. Mas como final de ano é uma época para mensagens altruísticas e não coisas do tipo “vejam minha ceia de Natal, gente como estou magra! Este é o meu bebê”, escolhi a Neusa como leitmotiv desta crônica, pois ela fala com o coração repleto de sinceridade.             A considerar por suas postagens, a rotina da Neusa começa bem cedo. Com os raios da manhã brilhando ao fundo da serra, eis sua selfie matinal: “Bom dia, Matutina!”. Sua cara de pera de vez e seus olhos vivos aparecem então na foto, muitas vezes com seus instrumentos de trabalho ao fundo, pois a Neusa é gari na cidadezinh…

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DA BANDA FILARMÔNICA

Sentado em uma poltrona marrom encardida, seu Alfa assiste a seu programa favorito na TV. Não se trata do “Show da tarde” nem do “Jornal das quatro”, mas sim do “shoptime”, cheio de novidades interessantes, como o multiprocessador Vavita, uma revolução no mundo dos alimentos. O multiprocessador Vavita é prático, fácil de usar e pode ser comprado em trinta vezes no cartão. Seu Alfa ergue as sombrancelhas ao ouvir a oferta anunciada pela garota-propaganda, ou melhor, senhora-propaganda.
Pelas paredes do quarto, diversas lembranças e fotos penduradas. Em uma delas, seu Alfa posa com a equipe de futebol do exército. “Eu era lateral esquerdo”, afirma com uma ponta de orgulho. Na clássica formação de metade de cócoras e a outra metade em pé, ele aparece aprumado e confiante, deve ter sido um bom lateral. Em outra foto, ele perfila com farda e capacete debaixo do braço. “Sou o do meio, na primeira fila”, aponta com um viés de nostalgia. - Era muito difícil a vida no exército? - Tinha que leva…

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de