Pular para o conteúdo principal

TIRADENTES E ALEIJADINHO

Com projeto de Aleijadinho, a Igreja de São Francisco é uma obra-prima do barroco mineiro.

            Aproveitando o recesso de julho, demos uma esticada até Tiradentes. Esperávamos encontrar uma cidade mudada, depois que virou locação de novela, cenário de festival gastronômico e destino de cinéfilos -quem sabe um lugar culto e refinado.
            A cidadezinha de antigamente não diferia muito de outros lugares do interior de Minas Gerais e era mais conhecida dos livros de história do que das fotos dos turistas.  No ponto mais baixo, tinha a pracinha, sempre ocupada por hippies de diferentes plumagens, incluindo os argentinos,  dispostos a enrolar o freguês com seu portunhol malandro:
            - Se lleva tres pulseras, se paga duas!
            As igrejas, o casario em rosário, as ruas calçadas em estilo pé-de-moleque, estão hoje melhor preservados do que no passado. Grande parte das casas históricas foi transformada em pontos comerciais como lojas, restaurantes e ateliers. É a marcha inevitável do progresso, que rima com turismo e com comércio. O seu contraponto é a transformação do monumento histórico em uma selfie, capturada a passos de campanha por uma multidão que ocupa as ruas de pedra como um exército conquistador.
Detalhe do projeto original
de Aleijadinho
            Para os ricos turistas do Rio de Janeiro e de São Paulo, o rústico é chique e vice-versa. As estradas que ligam a cidade às adjacências foram transformadas em movimentadas vias comerciais, com uma infinidade de lojas de móveis, decoração, arte e artesanato, seguida de outra infinidade de lojas de móveis, decoração, arte e artesanato. Deve ser mesmo um negócio da China. A localidade de Bichinho, há cerca de dez quilômetros de Tiradentes, virou um disputado shopping center de... móveis, decoração, arte e artesanato, crescendo sem parar!
            E, o que era para ser nossa entrada, virou o prato principal.  Localizada em um dos pontos mais bem preservados da cidade, o lindo largo que leva o nome do santo, sobre um atro imponente, rodeado de elegante balaustrada, encimada por duas torres gêmeas que lembram muito as “tours de guet” dos castelos medievais, a Igreja de São Francisco em São João del-Rey é uma obra-prima. O estilo inconfundível do mestre Aleijadinho pode ser identificado no relevo do frontispício, cartão de visitas para o que vem depois. A talha refinada está presente em todos os detalhes: altares, púlpitos, nichos, teto, janelas, estatuária, testemunho vivo da grandeza dos artesãos do passado. Como a nave é curva, o conjunto produz um movimento suave e sensual, sobretudo quando observado de fora, ao se percorrer os jardins laterais.
            Se hoje os milhares de turistas a ignoram em favor do Bichinho na vizinha São João, tant mieux. Isso nos permite percorrer sem pressa seu interior e seus arredores, incluindo o interessante cemitério localizado ao fundo, como se estivéssemos numa cápsula do tempo.ocais em suas celebrações, como se estivéssemos numa cápsula do tempo.

Vista a partir do cemitério, ao fundo da igreja.

           
©
Abrão Brito Lacerda
31 07 15


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CAI O QUEIXO

Neusa Santos 27 de dezembro às 05:58 ·  Bom dia , Matutina !


Para começar, uma nobre verdade: não conheço a Neusa. Pelo menos, não pessoalmente. Não se trata de uma ex-colega de faculdade, de alguém que virou celebridade de um minuto através de milhões de likes, eu a encontrei no perfil de um amigo e ela acabou se tornando também minha “amiga”. Fora isso, nunca a vi mais magra, a não ser nas selfies do Facebook. Mas como final de ano é uma época para mensagens altruísticas e não coisas do tipo “vejam minha ceia de Natal, gente como estou magra! Este é o meu bebê”, escolhi a Neusa como leitmotiv desta crônica, pois ela fala com o coração repleto de sinceridade.             A considerar por suas postagens, a rotina da Neusa começa bem cedo. Com os raios da manhã brilhando ao fundo da serra, eis sua selfie matinal: “Bom dia, Matutina!”. Sua cara de pera de vez e seus olhos vivos aparecem então na foto, muitas vezes com seus instrumentos de trabalho ao fundo, pois a Neusa é gari na cidadezinh…

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DA BANDA FILARMÔNICA

Sentado em uma poltrona marrom encardida, seu Alfa assiste a seu programa favorito na TV. Não se trata do “Show da tarde” nem do “Jornal das quatro”, mas sim do “shoptime”, cheio de novidades interessantes, como o multiprocessador Vavita, uma revolução no mundo dos alimentos. O multiprocessador Vavita é prático, fácil de usar e pode ser comprado em trinta vezes no cartão. Seu Alfa ergue as sombrancelhas ao ouvir a oferta anunciada pela garota-propaganda, ou melhor, senhora-propaganda.
Pelas paredes do quarto, diversas lembranças e fotos penduradas. Em uma delas, seu Alfa posa com a equipe de futebol do exército. “Eu era lateral esquerdo”, afirma com uma ponta de orgulho. Na clássica formação de metade de cócoras e a outra metade em pé, ele aparece aprumado e confiante, deve ter sido um bom lateral. Em outra foto, ele perfila com farda e capacete debaixo do braço. “Sou o do meio, na primeira fila”, aponta com um viés de nostalgia. - Era muito difícil a vida no exército? - Tinha que leva…

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de