Pular para o conteúdo principal

ESTAMOS NO SAL


 
(Imagem: www.flormel.com.br)


           “Como dizia minha avó...”. Quem não conhece um complemento para esta frase? O universo das expressões figuradas é o jardim da língua, tradicional e ao mesmo tempo vicejante, de onde extraem poetas, cronistas e músicos matéria farta e altamente expressiva. É, sobretudo, peculiar à linguagem, costumes, história de cada povo, embora o  sentido seja universal e muitas expressões tenham equivalentes em outras línguas.      
            Dizer “A vaca foi pro brejo” é muito mais significativo do que explicar que deu tudo errado e a situação está difícil – tão difícil quanto retirar uma vaca louca de um pântano.  “Macaco velho não põe a mão em cumbuca” é um chamado à experiência. Vem da armadilha besta para pegar macacos: uma banana colocada dentro de uma botija ou cabaça; o primata enfia a mão, agarra a fruta e não consegue mais retirá-la, pois falta-lhe a compreensão de que só a mão aberta consegue passar pelo gargalo.
Em sã consciência, ninguém quer “bater” ou “juntar as botas”, não é mesmo? Em contrapartida, todos querem “acertar na mosca” e “enfiar o pé na jaca”. Alguns “matam o tempo” enquanto o jogo não começa, mas os brasileiros “entraram numa fria” na última copa do mundo. O time “pisou na bola” e a torcida ficou “com o coração na mão”. Depois do jogo, todos foram “tirar o cavalinho da chuva” e agora estão “verdes de fome”, pois com esse time “quebra-galho” é mais fácil “dar murro em ponta de faca” do que “tirar a barriga da miséria”.
No caso das expressões clássicas, de origem muito antiga, todas as línguas têm um equivalente. O contador de histórias grego, Esopo, autor das mais célebres fábulas conhecidas, deixou várias expressões figuradas que podem ser encontradas em vários idiomas. Por exemplo, “O hábito não faz o monge”, que soa medieval, mas é na verdade mais antiga. Vem da fábula O Asno em Pele de Leão: um asno, tendo encontrado uma pele de leão, cobriu-se com a mesma e saiu pelo campo fingindo ser o rei dos animais. Uma raposa, sempre muito esperta, desmascarou-o, dizendo “Quando ouço um leão rugir, fico com medo. Mas quando este aí zurra, sei que se trata de um jumento.” A moral da história então é: a pele não faz o animal. Adotada na Idade Média, a frase saiu do latim e entrou para o francês, “L’habit ne fait pas le moine” e para o português. No inglês, manteve-se mais próxima ao original: “Clothes do not make the man” (as roupas não fazem o homem). E, no espanhol, ficou pomposa: “El uniforme no hace al héroe”, “A farda não faz o herói.”
Se alguma coisa é nova, dizemos que está “novinha em folha”, expressão que vem dos livros recém-impressos, com todas as folhas branquinhas, limpinhas e sem amassados. Em inglês fica “brand new” (novo com a marca de fábrica), em francês, “neuf en boÎte (novo na caixa) e em espanhol é mais óbvio: “totalmente nuevo”.
No universo rural de Minas Gerais, há uma profusão de dizeres interessantes, alguns locais e pouco conhecidos, outros já incorporados à língua brasileira. Há sobretudo um humor admirável, típico do falar “comendo as sílabas” do interior do estado. Se alguém disser que alguma coisa “tácustanuzóidacara”, não pense que o capiau está falando sânscrito; ele simplesmente quer dizer que “está custando os olhos da cara”. Se ele disser “tire o pé da minha janta!”, entenda que você está sobrando na conversa. E se ouvir que “minha irmã acabou no caritó”, não pense mal da moça, ainda que caritó seja um lugar fechado, pequeno e escuro. “Acabar no caritó” é ficar pra titia. E, que tal: “Os dois emendaram o bigode e acabaram dando cabo a machado”? Traduzindo: conversaram demais e acabaram criando problemas sem necessidade.
É como dizia a mãe de um amigo... Esta é do Alto Paranaíba, no oeste do estado de Minas. Ficará como registro da sabedoria das mães, tão necessária nesses dias de intensa dúvida. Ao assistir na TV às turbulências pré-eleitorais, crimes, corrupção a quatro, proclama a sábia senhora, extraindo do fundo da memória as palavras precisas que o cronista não deixará desaparecer: “Estamos no sal!”
©
Abrão Brito Lacerda
03 10 14

Comentários

  1. Abrão, que texto maravilhoso!
    Dá vontade que não acabe. Leve, sem formalismos, instrutivo e ao mesmo tempo divertido.
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado, Zé. Sinto-me honrado com sua leitura fiel. O blog tem sido uma escola para mim, no sentido de ensinar-me como produzir textos adequados aos dias de hoje. Se a erudição é rebuscada, a sabedoria é simples, não é mesmo?

      Excluir
  2. mas ficou fiiiiino. cada dia mais você se esmera com os seus modos de dizer com uma escrita cada vez clara, educada, refinada e como sempre bem humorada... nesse ritmo, em breve teremos um belo livro de crônicas... avante,,,

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostaria de deixar um comentário?

Postagens mais visitadas deste blog

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de

50 ANOS DE BUDISMO NO VALE DO AÇO, MG

Ipatinga e região viveu neste 22 de agosto de 2015 um dia histórico com a Convenção Cultural em comemoração aos  50 anos da implantação do Budismo de Nitiren Daishonin no Vale do Aço. O evento é tanto mais significativo porque se confunde com a própria história da cidade, pois foi através da siderúrgica Usiminas, criada em outubro de 1962, que os primeiros japoneses se instalaram no que à época era uma vila pertencente ao município vizinho de Coronel Fabriciano, vindos sobretudo dos estados de São Paulo e Paraná. Com os imigrantes vieram os hábitos e a cultura, com destaque para a culinária e artes como a ikebana, o origami e a caligrafia, além da filosofia grandiosa do Budismo. 
            Muitos tinham se convertido ainda no Japão, outros se converteram após chegarem ao Brasil, graças ao impulso propagador do pós-guerra promovido pela Soka Gakkai, no movimento chamado Kossen-rufu.


































KOSSEN-RUFU E DESENVOLVIMENTO DE VALORES HUMANOS

          Kossen-rufu significa ampla propag…

MAGA PATALÓGIKA E O ORGASMO ATÔMICO

Até que enfim explicaram a explosão da bomba de Hiroshima, um dos segredos mais bem guardados da humanidade, mais inviolável do que, digamos,  o cinto de castidade. Foi um grande avanço para a ciência experimental, nos limites da science fiction, da animação cinematográfica e da física nuclear.             A Maga em questão é mesmo a bruxa dos gibis de Walt Disney, obcecada pela moedinha número um do Tio Patinhas, mas que sempre leva chumbo do velho sovina. Só mesmo um gato agourento e dois corvos ligeiramente néscios, altamente malévolos, o Laércio e o Perácio, igualmente péssimos piadistas, para tolerar a megera. Ainda que a Maga não seja de todo má, é esbelta e ágil – sopa de morcego com pimenta malagueta? –, tem olhos verdes faiscantes e sabe cavalgar uma vassoura como ninguém. Agora descobriram o poder secreto daquele inebriante quaac! que ela solta toda vez que se dá mal.             Convidaram os professores Pardal e Ludovico para chefiar uma série de experiências destin…