Pular para o conteúdo principal

ZIRCÔNIA (2ª parte)


(A primeira parte deste conto encontra-se na postagem anterior, abaixo)

III

         Grande esforço fora desprendido ao longo dos séculos para a consolidação da era da plena luz, sorriso “Accomplished”, têmpera musgo, move, safira, zinco. Os sorrisos diferentes tinham sido relegados como bibelôs de uma era de futilidades, persistiam apenas na memória de alguns programas decadentes, que logravam subsistir de forma paralela, graças à carga F-Positive.
         Por isso a convocação do Concílio era uma ameaça letal para o povo de Tambling:
         - Devemos reverter a programação. Há três gerações (isto significava mais ou menos trezentos e vinte anos), somos obrigados a viver no limbo.
         - No limbo e na invisibilidade. Portamos disfarces A para nos parecermos com o povo Accomplished, mas não podemos sorrir.
         - A carga F-Positive nos garantirá a máscara de seriedade e poderemos continuar a freqüentar o povo Zenit ou Alpha e até compartilhar seus rituais.
         - Devemos auscultar o Concílio até a última inalação de têmpera zinco e descobrir o código reprogramador, caso contrário corremos o risco de sermos definitivamente apagados da memória Master.
         - Em nome dos Gateds, garantiremos a salvaguarda da missão, interpelou B-Gated-04. 
        - Nenhuma ação do Concílio passará despercebida. Cabe aos Smarts e Zanners prepararem o campo conversor.

         - Quem será tele-transportado para dentro do Concílio?
         - Nós, os Thrillers! Estamos loucos por uma aventura de verdade. Temos saudade da programação de Zircônia!
         - Não temos tempo a perder!, interpelou B-Zanner-XX. Todos a seus trajes!
         (Em oposição aos Gut-Alpha e Gut-Zenit, os Tamblings agora se auto-denominavam Bet: B-Gated, B-Smart...)
          - Só falharemos se a carga F-positive se incompatibilizar em contato com o ar rarefeito da têmpera zinco.
         - A carga F-positive foi inteiramente filtrada em conversores modais. Permite obliterar os defletores individuais, mantendo ao mesmo tempo um sorriso G-Alpha ou G-Zenit. Os intercomunicadores não sofrerão danos, por isso vocês serão, em princípio, imunes.
         - Aos compressores! Cada um ocupa-se de seu sensor individual de energia paralela. Iniciaremos imediatamente a desmaterialização.
        Isolados nos compressores de desmaterialização, seis Thrillers, dois Smarts e um Booster foram holografados para dentro do Concílio - e foi assim que se descobriram os últimos segredos de Zircônia.



       A carga F-positive os mantinha imunes à têmpera zinco – caso contrário seus sorrisos apareceriam e seriam destruídos imediatamente. A decisão de iniciar a reprogramação DNA, medida drástica que não se tomava em Zircônia deste a Era Safira, cor púrpura, era uma demonstração de que o controle do Concílio falhara mais uma vez e teriam que lançar mão da energia individual para tentar neutralizar os Tamblings.
       Descobrir o código desprogramador era, contudo, um desafio sem precedentes. Todo o saber dos Tamblings deveria ser mobilizado a partir dos dados coletados in loco. B-Smart-YZ e B-Zanner-SD pensaram em deixar os Thrillers no Concílio definitivamente, após valerem-se de seus préstimos de soldados do front. Eles eram incômodos demais.

IV


      
         O código desmaterializador de DNA era um componente essencial da têmpera, descobriram B-Smart-YZ e B-Zanner-SD. Os Accomplished (AAs e AZs) tinham receio em usá-lo, pois, uma vez revestido seu segredo, o domínio que exerciam sobre a civilização do século XXVI estaria ameaçado.
        Mas, por que desejar o fim da civilização A? Harmonia e longevidade reinavam através de uma simples absorção de pílulas e têmpera diária. A têmpera consolidou-se a partir da era musgo, mais ou menos em finais do século XXIII. Os defletores portáteis acoplados garantiam a cada um seu suprimento diário.
         2.287 foi o ano do Great Gig in the Sky - festival de niddle music.
         Pelos menos até atingirem o limiar dos 100 anos, ritual de passagem para a 4ª idade, todos em Zircônia partiam em alguma Gig, longas viagens que se faziam com  drops niddle sob a língua, liberando todos os sorrisos e cores. A niddle music rompia o programa padrão e o ser voltava a seu default inicial, sem lapsos ou censura.
          Quando a primeira tribo T, os Treppies, descortinaram-se nos defletores portáteis, foram imediatamente obliterados através da reprogramação DNA e reconvertidos em sorriso A, de “Accomplished”. O mesmo aconteceu com os Gengies. Só quando os Smarts e Boosters descobriram a carga F-positive, puderam subsistir com sorrisos diferentes. Vieram então os Zanners, os Smarts, os Ups, os Boosters e, enfim, os Thrillers e consolidaram Tambling, inspirado no movimento dos dados que se movem, mostrando a cada volta um número diferente.
         - Código M-M-S-Z. A têmpera zinco nada mais é do a combinação de Musgo, Move e Safira!
         - Se revertermos quatro séculos, até princípios de 2.200, poderemos descobrir o segredo da têmpera .
        B-Smart-YZ e B-Zanner-SD estavam exultantes. Suas pesquisas com as equações elípticas rendiam finalmente seus primeiros frutos. 



         - Os Zanners constituirão a força de observação. Nenhum dado do sistema solar em 2.220 deverá ser negligenciado. B-Gated-TM e B-Up-KL controlarão o fluxo temporal.
        - Em 2.220 não havia troylers, balões pressurizados ou netplanes.
         - Mais havia ainda motores a combustão e “auto-estradas”.
         - Roupas individuais também existiam. O traje padrão com emissores ultra-sensíveis (capazes de fornecer milhões de informações simultâneas), só foi criado quase um século depois.
          - O domínio de Alphas e Zenits sobre Zircônia não haverá de perdurar para sempre!
          Ups, Zanners, Smarts, Boosters, Thrillers e Gateds mudaram para a freqüência W (de Watch Out). Após séculos de disfarce, voltariam à luz.
         - Não levaremos nenhum Thriller, pois poderão saturar o ambiente e perturbar a vida lenta de então.
        - Modelos dos vários sorrisos encontrados deverão ser registrados nos campos de memória perene.
         - Milhares, milhões de sorrisos?
        - Bilhões de sorrisos. Zircônia tinha 13 bilhões de seres e, fora os povos das regiões geladas, todos os outros sorriam.
        - As células fotozínicas não haviam sido inventadas, a luz solar prevalecia.


        Prepararam a desmaterialização e o tele-transporte para o século XXIII. Como personagens de uma animação, desapareceram sem estrondo ou fumaça em direção a 2.220, à simples pressão do botão Start.


(Abrão Brito Lacerda)

Comentários

  1. É Abrão, sua imaginação tá pra lá de fértil. Teremos mais viagens desse tipo?
    Grande abraço e boa semana para você e família!

    ResponderExcluir
  2. Tá faltando é tempo para soltar a imaginação, como você pode ver pelo intervalo das postagens. Esta semana termino um trabalho de tradução que já dura três meses (!) e voltarei à escrita. Na sequência, mais uma história futurista.

    Boa semana p/ você também. Vamos nos ver.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostaria de deixar um comentário?

Postagens mais visitadas deste blog

CAI O QUEIXO

Neusa Santos 27 de dezembro às 05:58 ·  Bom dia , Matutina !


Para começar, uma nobre verdade: não conheço a Neusa. Pelo menos, não pessoalmente. Não se trata de uma ex-colega de faculdade, de alguém que virou celebridade de um minuto através de milhões de likes, eu a encontrei no perfil de um amigo e ela acabou se tornando também minha “amiga”. Fora isso, nunca a vi mais magra, a não ser nas selfies do Facebook. Mas como final de ano é uma época para mensagens altruísticas e não coisas do tipo “vejam minha ceia de Natal, gente como estou magra! Este é o meu bebê”, escolhi a Neusa como leitmotiv desta crônica, pois ela fala com o coração repleto de sinceridade.             A considerar por suas postagens, a rotina da Neusa começa bem cedo. Com os raios da manhã brilhando ao fundo da serra, eis sua selfie matinal: “Bom dia, Matutina!”. Sua cara de pera de vez e seus olhos vivos aparecem então na foto, muitas vezes com seus instrumentos de trabalho ao fundo, pois a Neusa é gari na cidadezinh…

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DA BANDA FILARMÔNICA

Sentado em uma poltrona marrom encardida, seu Alfa assiste a seu programa favorito na TV. Não se trata do “Show da tarde” nem do “Jornal das quatro”, mas sim do “shoptime”, cheio de novidades interessantes, como o multiprocessador Vavita, uma revolução no mundo dos alimentos. O multiprocessador Vavita é prático, fácil de usar e pode ser comprado em trinta vezes no cartão. Seu Alfa ergue as sombrancelhas ao ouvir a oferta anunciada pela garota-propaganda, ou melhor, senhora-propaganda.
Pelas paredes do quarto, diversas lembranças e fotos penduradas. Em uma delas, seu Alfa posa com a equipe de futebol do exército. “Eu era lateral esquerdo”, afirma com uma ponta de orgulho. Na clássica formação de metade de cócoras e a outra metade em pé, ele aparece aprumado e confiante, deve ter sido um bom lateral. Em outra foto, ele perfila com farda e capacete debaixo do braço. “Sou o do meio, na primeira fila”, aponta com um viés de nostalgia. - Era muito difícil a vida no exército? - Tinha que leva…