Pular para o conteúdo principal

UM POEMA DE FRANCE GRIPP



            France Gripp é uma professora e poeta natural de Governador Valadares, no leste de Minas Gerais. Seu primeiro livro foi a coletânea Eu Que me Destilo, lançada em 1994, na qual o gosto da autora pelo verso apaixonado e “côncavo”, quase barroco não fosse pós-moderno, se evidencia.  Depois de uma incursão pela literatura infanto-juvenil que lhe rendeu dois livros, eis que Francirene (seu nome de batismo) retorna à sua praia natural, a poesia, com outra coletânea, Coração Incendiário, edição de 2014.
            Fazer o strip-tease da alma, arriscando-se nos meandros mais obscuros da linguagem para afirmar sua individualidade em um mundo polivalente e triturador de ilusões, é a tônica das gerações que sucederam a Ferreira Gullar e a poesia marginal. As palavras são muitas vezes condutoras de alta voltagem, não raro o sujeito é vítima de choques, baques, cortes que ele mesmo se inflige. É assim fazer poesia nesses tempos implacáveis: em cada palavra, um golpe. Em sua versão feminina, essa corrente revela um erotismo apenas contido, uma paixão que se detém nos limites da linguagem aceitável, balões de desejo prontos para explodirem no ar da imaginação – tal qual neste poema de France Gripp:

A FOGO

Posso menos

por isso vou e venho
e peço e busco

e mansa e brusca
vou e venho

eu procuro
o fôlego miúdo

e derreada e turva
as ancas fora do lugar

tal poder menos
reconheço

garimpando
obscuro

as ranhaduras crédulas
minúsculas

o corpo
a fogo livre e rouco

a saia ao derredor da blusa
a fogo

até os intestinos se alastrando
onde poder
menos ainda

o poço
um giro na nascente
e esse afago em ondas curtas

poder menos, poder tudo
os peitos pulam

matar a fome
para que me engula.


            O poema nasce da impressão do sujeito de “poder menos” diante da dimensão da procura que o consome, sem contudo chegar às raias da frustração. Ao contrário, ele sabe que é essa procura que lhe dá sentido. E o que busca o poeta? A poesia, naturalmente, a chama que salta por indução quando determinados vocábulos se encontram. Ressalte-se a busca de equilíbrio entre a paixão poética e as limitações do campo verbal no qual esta se materializa. As fronteiras das palavras são sondadas através de aliterações (“os peitos pulam”), neologismos (“a saia ao derredor da blusa”, “as ranhaduras / crédulas”) e ambiguidade do campo semântico (“as ancas fora do lugar”, “matar a fome / para que me engula”).
            Trata-se de uma autora que veio para atear fogo ao circo,  liberar seus fantasmas ao mesmo tempo em que realiza o exercício de construção de impressões ou imagens através de palavras. Essas imagens levam não a um sentido, mas a tantos sentidos quantos lhes queiram dar os leitores. A emoção do poeta é apenas o ponto de partida, a cada leitura é a emoção do leitor que conta.
            Assim como quem brinca com o poema pode se queimar, quem deseja sondar o indizível não pode hesitar; em caso de abismo, salte!

©
Abrão Brito Lacerda
30 12 16


Comentários

  1. Muito bom Abrão Brito Lacerda. Parabéns pelo texto. Você traçou um perfil France é uma ótima poeta e escritora.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado, Iara. Frande disse que foi a primeira leitura crítica dos seus textos. Não há porque ficar repetindo essa coisa mainstream de promover quem ganhou esse ou aquele prêmio, quem vendeu tantas cópias. O amor à arte é a recompensa. Passe sempre.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostaria de deixar um comentário?

Postagens mais visitadas deste blog

CAI O QUEIXO

Neusa Santos 27 de dezembro às 05:58 ·  Bom dia , Matutina !


Para começar, uma nobre verdade: não conheço a Neusa. Pelo menos, não pessoalmente. Não se trata de uma ex-colega de faculdade, de alguém que virou celebridade de um minuto através de milhões de likes, eu a encontrei no perfil de um amigo e ela acabou se tornando também minha “amiga”. Fora isso, nunca a vi mais magra, a não ser nas selfies do Facebook. Mas como final de ano é uma época para mensagens altruísticas e não coisas do tipo “vejam minha ceia de Natal, gente como estou magra! Este é o meu bebê”, escolhi a Neusa como leitmotiv desta crônica, pois ela fala com o coração repleto de sinceridade.             A considerar por suas postagens, a rotina da Neusa começa bem cedo. Com os raios da manhã brilhando ao fundo da serra, eis sua selfie matinal: “Bom dia, Matutina!”. Sua cara de pera de vez e seus olhos vivos aparecem então na foto, muitas vezes com seus instrumentos de trabalho ao fundo, pois a Neusa é gari na cidadezinh…

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DA BANDA FILARMÔNICA

Sentado em uma poltrona marrom encardida, seu Alfa assiste a seu programa favorito na TV. Não se trata do “Show da tarde” nem do “Jornal das quatro”, mas sim do “shoptime”, cheio de novidades interessantes, como o multiprocessador Vavita, uma revolução no mundo dos alimentos. O multiprocessador Vavita é prático, fácil de usar e pode ser comprado em trinta vezes no cartão. Seu Alfa ergue as sombrancelhas ao ouvir a oferta anunciada pela garota-propaganda, ou melhor, senhora-propaganda.
            Pelas paredes do quarto, diversas lembranças e fotos penduradas. Em uma delas, seu Alfa posa com a equipe de futebol do exército. “Eu era lateral esquerdo”, afirma com uma ponta de orgulho. Na clássica formação de metade de cócoras e a outra metade em pé, ele aparece aprumado e confiante, deve ter sido um bom lateral. Em outra foto, ele perfila com farda e capacete debaixo do braço. “Sou o do meio, na primeira fila”, aponta com um viés de nostalgia. - Era muito difícil a vida no exército? - Ti…

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de