Pular para o conteúdo principal

NA TERRA DA FANTASIA COM IARA ALVES




            Iara Cardoso Alves de Belo Horizonte é uma “veterana” no campo da literatura infantil com mais de uma dúzia de títulos publicados, cobrindo leitores da primeira infância até o infanto-juvenil.
            Imaginação abundante e “loufoque”, com coisas e situações fora do lugar, se organizando na forma de um bric-à-brac, constituem o fio narrativo. As histórias terminam mas deixam sempre a impressão de que poderiam continuar.
            O jeito loufoque permite a Iara se colocar facilmente na pele de uma criança ou de um animal e imaginar traquinagens à beça. A rainha Victória, do livro homônimo, adora aprontar a zorra em seu próprio castelo, onde todos, a começar pela própria rainha, além do príncipe Boulevard, do Conde Ferdinando e da princesinha Tainah são malucos a valer:

            “Diziam que ela tinha
            Poderes mágicos e até
            O dom de ver tudo de
            Cabeça para baixo.”

            Quando se junta às crianças do reino, então, o castelo é literalmente virado de cabeça para baixo. A farra começa com a turma dançando, rodando, cantando e escondendo-se “em armários, debaixo das mesas, atrás das portas e das cortinas.”
            A rainha aproveita pra aprontar das suas e:
            “de vez em quando,
            as latas de doce e
            os potes de balas
            saíam flutuando
            das despensas e
            viravam na cabeça
            dos meninos.”


            E não para por aí, pois a encapetada é tomada do prazer de tudo subverter e não poupa nem o próprio castelo:




            “- Sinsalamim! Asa de cobra!
            Perna de lagartixa! Olho de tacho!
            Faça o meu castelo ficar de cabeça para baixo!”

            E lá se vai o castelo da Victória pelos ares.

            Outro dos seus livros, Mamãe, amanhã é hoje?, se dirige à primeira infância, apesar da história relativamente encorpada e da narrativa no pretérito perfeito, que supõe que na maioria das vezes um adulto irá ler para a criança.
            Trata-se da história de um menino que ficou longe do pai e teve que construir com a mãe um mundo imaginário para preencher essa ausência. Às vezes ele “desenhava carrinhos, aviões, casas, cachorrinhos, bolas, corações”, e às vezes se punha a “vigiar o sol e a contar as luas”, tentando dar conta da passagem do tempo.  O pai finalmente chega e o menino se desmancha de felicidade.
            Histórias como essa última demonstram outro talento de Iara, imprescindível para se prosperar nesse gênero especial da literatura, que é a capacidade de observar o mundo da criança e extrair dele a essência para construir narrativas que façam sentido para ela.
©

Abrão Brito Lacerda

29 01 17

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CAI O QUEIXO

Neusa Santos 27 de dezembro às 05:58 ·  Bom dia , Matutina !


Para começar, uma nobre verdade: não conheço a Neusa. Pelo menos, não pessoalmente. Não se trata de uma ex-colega de faculdade, de alguém que virou celebridade de um minuto através de milhões de likes, eu a encontrei no perfil de um amigo e ela acabou se tornando também minha “amiga”. Fora isso, nunca a vi mais magra, a não ser nas selfies do Facebook. Mas como final de ano é uma época para mensagens altruísticas e não coisas do tipo “vejam minha ceia de Natal, gente como estou magra! Este é o meu bebê”, escolhi a Neusa como leitmotiv desta crônica, pois ela fala com o coração repleto de sinceridade.             A considerar por suas postagens, a rotina da Neusa começa bem cedo. Com os raios da manhã brilhando ao fundo da serra, eis sua selfie matinal: “Bom dia, Matutina!”. Sua cara de pera de vez e seus olhos vivos aparecem então na foto, muitas vezes com seus instrumentos de trabalho ao fundo, pois a Neusa é gari na cidadezinh…

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DA BANDA FILARMÔNICA

Sentado em uma poltrona marrom encardida, seu Alfa assiste a seu programa favorito na TV. Não se trata do “Show da tarde” nem do “Jornal das quatro”, mas sim do “shoptime”, cheio de novidades interessantes, como o multiprocessador Vavita, uma revolução no mundo dos alimentos. O multiprocessador Vavita é prático, fácil de usar e pode ser comprado em trinta vezes no cartão. Seu Alfa ergue as sombrancelhas ao ouvir a oferta anunciada pela garota-propaganda, ou melhor, senhora-propaganda.
            Pelas paredes do quarto, diversas lembranças e fotos penduradas. Em uma delas, seu Alfa posa com a equipe de futebol do exército. “Eu era lateral esquerdo”, afirma com uma ponta de orgulho. Na clássica formação de metade de cócoras e a outra metade em pé, ele aparece aprumado e confiante, deve ter sido um bom lateral. Em outra foto, ele perfila com farda e capacete debaixo do braço. “Sou o do meio, na primeira fila”, aponta com um viés de nostalgia. - Era muito difícil a vida no exército? - Ti…

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de