Pular para o conteúdo principal

ORIGEM


 
(Imagem: itarantimagora.blogspot.com)
            Todo mundo nasceu em algum lugar. Eu, por exemplo, nasci em Itarantim, um município do baixo Jequitinhonha, na divisa da Bahia com Minas Gerais. Depois, fui registrado em Salto da Divisa, juntamente com outros dois irmãos, pois meu pai registrava os filhos de três em três. Meus irmãos mais velhos guardam boas lembranças da Fazenda Gameleira, mas eu não tenho qualquer reminiscência de lá. 
            Não fosse pela certidão de nascimento, eu nem saberia de onde vim. Assim como o povo do Córrego dos Trabalhos, distrito de Ribeirão do Salto, município de Itarantim, estado da Bahia não se dá conta que eu existo.
            À cata de minhas origens, fiz uma busca na web: aparece uma cidadezinha ao pé de uma serra de granito, um lugar bucólico, perfeito para uma viagem imaginária.
            Como tantos outros lugares do Brasil, o nome Itarantim vem do tupi-guarani, pois “ita” significa pedra. Atualmente a serra que emoldura a cidade é chamada de Serra de Três Pontas e oferece uma magnífica vista do topo. Num trajeto imaginário, passamos por mata-burros e fazendas de gado, atravessamos um córrego de águas escuras, depois caminhamos através das pedras. A vegetação é formada por capim, bromélias e capoeiras.
            A parte final da escalada é bastante íngreme e acidentada, mas vale o esforço!
            Daqui de cima tenho uma vista magnífica da região. O rio Jequitinhonha está ao sul, depois de muitas colinas. É para lá que corre o Ribeirão do Salto, do qual é afluente o pequeno Córrego dos Trabalhos, que não está no mapa. O Ribeirão do Salto serve de fronteira entre os estados de Bahia e Minas, captando afluentes de ambos os lados, até depositar suas águas no leito do Rio Jequitinhonha, que se encarrega de levá-las até o Oceano Atlântico, onde córrego, ribeirão e rio viram mar.
            Assim é a vida.
©
27 08 16
Abrão Brito Lacerda

            

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CAI O QUEIXO

Neusa Santos 27 de dezembro às 05:58 ·  Bom dia , Matutina !


Para começar, uma nobre verdade: não conheço a Neusa. Pelo menos, não pessoalmente. Não se trata de uma ex-colega de faculdade, de alguém que virou celebridade de um minuto através de milhões de likes, eu a encontrei no perfil de um amigo e ela acabou se tornando também minha “amiga”. Fora isso, nunca a vi mais magra, a não ser nas selfies do Facebook. Mas como final de ano é uma época para mensagens altruísticas e não coisas do tipo “vejam minha ceia de Natal, gente como estou magra! Este é o meu bebê”, escolhi a Neusa como leitmotiv desta crônica, pois ela fala com o coração repleto de sinceridade.             A considerar por suas postagens, a rotina da Neusa começa bem cedo. Com os raios da manhã brilhando ao fundo da serra, eis sua selfie matinal: “Bom dia, Matutina!”. Sua cara de pera de vez e seus olhos vivos aparecem então na foto, muitas vezes com seus instrumentos de trabalho ao fundo, pois a Neusa é gari na cidadezinh…

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DA BANDA FILARMÔNICA

Sentado em uma poltrona marrom encardida, seu Alfa assiste a seu programa favorito na TV. Não se trata do “Show da tarde” nem do “Jornal das quatro”, mas sim do “shoptime”, cheio de novidades interessantes, como o multiprocessador Vavita, uma revolução no mundo dos alimentos. O multiprocessador Vavita é prático, fácil de usar e pode ser comprado em trinta vezes no cartão. Seu Alfa ergue as sombrancelhas ao ouvir a oferta anunciada pela garota-propaganda, ou melhor, senhora-propaganda.
Pelas paredes do quarto, diversas lembranças e fotos penduradas. Em uma delas, seu Alfa posa com a equipe de futebol do exército. “Eu era lateral esquerdo”, afirma com uma ponta de orgulho. Na clássica formação de metade de cócoras e a outra metade em pé, ele aparece aprumado e confiante, deve ter sido um bom lateral. Em outra foto, ele perfila com farda e capacete debaixo do braço. “Sou o do meio, na primeira fila”, aponta com um viés de nostalgia. - Era muito difícil a vida no exército? - Tinha que leva…