domingo, 4 de setembro de 2016

O ALFARRÁBIO

(Imagem: macelginn.com.br)

         A cultura anda às traças em nosso país. Meu amigo Jack me contou a história de um amigo dele, professor de faculdade, que se viu desempregado e precisou sacrificar a preciosa biblioteca reunida ao longo de trinta anos. Tirando Bakunin, Paulo Leminski e clássicos da língua portuguesa, contou Jack, todos foram pra fila do bric-à-brac.
         “Eu disse a ele que livros usados não têm valor. Ele me levou até a biblioteca e me mostrou uma seleção de obras diversas, ensaios, coletâneas completas, belos livros da José Olympio ilustrados por Poty, livros raros como os de Mendes Fradique e versões originais de Pau Brasil de Oswald de Andrade e Feuilles de Route de Blaise Cendras, lançadas em Paris em 1928. - Vou fazer uma boa grana junto às livrarias da Savassi, afirmou, batendo em meu ombro”.
         “Na semana seguinte, quando o reencontrei, ele não estava tão confiante. Não havia livrarias na Savassi dispostas a comprar seus livros, apenas alguns sebos do Edifício Maleta, no centro da cidade - mesmo assim, ninguém tinha ligado pra dar uma olhada na mercadoria”.
         “De tanto insistir, acabou encontrando o Washington livreiro – lembra-se dele? -, que topou ver os livros, mas não pagou o que ele esperava. E ainda fez onda com alguns títulos, como O Capital e Interpretação dos Sonhos, alegando que ninguém mais lê, nem mesmo os militantes do Partido Comunista. Teve também a audácia de afirmar que os originais de Oswald de Andrade e Blaise Cendras ficariam muito bem em um museu, mas que não tinha nenhum museu na cidade interessado neles”.
         “O Washington prometeu começar a pagar em quinze dias, que acabaram virando um mês. Mercado de livros não é como supermercado, disse ele a meu amigo, não tem gente entrando e saindo a toda hora”.
         “Ontem, meu amigo voltou ao Maleta pra fazer a cobrança. Seus ex-livros estavam expostos, juntamente com  long plays, mapas e gravuras antigas, em estantes, mesas e até cadeiras que vinham até o corredor”.
         “Aquilo é um parque de diversão para traças! - exclamou meu amigo, decepcionado. - Se soubesse, tinha colecionado selos.”
©
Abrão Brito Lacerda
04 09 16


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostaria de deixar um comentário?