Pular para o conteúdo principal

MISTÉRIOS DA CULTURA

(Imagem: observatoriodaidentidade.org.br)

            Depois da celeuma em torno da extinção e posterior recriação do Ministério da Cultura, parece que a questão da cultura, ou a falta dela, voltou à tona no Brasil. Seja pela capacidade de mobilização demonstrada pelos artistas, seja pela conotação política do ato, caberia perguntar de que cultura se está falando, num país onde poucos têm acesso a ela.
            É ponto pacífico que a cultura fornece coesão e identidade a um povo.  Ela é espontânea, mas não aleatória e, assim, todos os países criam meios para promovê-la. Com exceção dos Estados Unidos, onde o sistema é descentralizado para evitar uma “cultura oficial”, os demais países divulgam uma cultura nacional.
            O sistema americano funciona muito bem, pois as comunidades de bairro (art districts) e as organizações privadas se encarregam de tudo: orquestras, bibliotecas, museus – há noventa e três milhões de americanos que contribuem de forma voluntária, sobretudo para a arte.
            Na Europa, o papel do estado é central. Na França, por exemplo, o patrocínio oficial vem desde a monarquia (antes de 1789), com o mecenato real. Hoje, a política cultural inspira-se na égalite republicana e busca tornar a cultura e a arte acessíveis a todos. Algumas iniciativas acabam virando marcas de exportação, como a Festa da Música e a Noite no Museu.
Outro país europeu, a Alemanha, oferece financiamento generoso, bolsas e prêmios para a cultura - além de uma educação totalmente gratuita e de excelente qualidade, que custa aos alemães 40% do que ganham na forma de impostos. Os brasileiros, que pagam o mesmo, merecem algo semelhante.
            Na Ásia, o Japão dá exemplo de gestão responsável e de organização enxuta. O ministério é misto: Educação, Cultura, Ciência, Esporte e Tecnologia. Mas a Agência de Assuntos Culturais administra 1% do orçamento geral do país! A cultura é tão importante que o imperador entrega pessoalmente os prêmios de maior destaque.
            Chegando mais perto de nós, temos a Argentina, que também tem sua bela história pra contar. O site do Ministerio de Cultura de la Nación (cultura.gob.ar, criado por Cristina Kirchner em 2014) tem ampla oferta de museus, cinema, dança, arte popular, teatro, literatura, etc., de qualidade e a preços acessíveis ou gratuitos. Os argentinos são leitores vorazes e cidadãos orgulhosos das tradições de seu país.
             Aí, quando desembarcamos de volta ao Brasil, temos que nos preparar par o choque. Os protestos recentes – tão breves quanto superficiais – elevaram o MinC (Ministério da Cultura) à categoria de uma Petrobrás das artes, um patrimônio nacional, talvez algum legado do imperador. Sem desmerecer a vitória conseguida com o recuo do novo governo, recolocamos a pergunta: de que cultura estamos falando, se a maioria dos brasileiros a desconhece?
            Se visitamos o site do MinC (cultura.gov.br), salta a nossos olhos o caráter burocrático e pobre do conteúdo veiculado. Deparamo-nos com pérolas como “A broa, o bródio e o breu: legado de generosidade e honradez” (reflexões sobre o ex-ministro Aloísio Pimenta) e links administrativos do tipo “Política nacional das artes”; “Projetos de urbanismo e cultura na Lei Rouanet”.

            Ah, sim, a Lei Rouanet, um dos pivôs da polêmica recente. Ela foi criada em 1991, na época de Collor, quando o ministério era secretaria. Tornou possível a política dos incentivos fiscais, através da qual pessoas jurídicas ou físicas aplicam parte do seu IR no apoio a alguma atividade artística e, em contrapartida, se promovem.
            Um princípio ótimo, que permite alavancar muitos artistas. Contudo, alguns projetos aprovados nos últimos anos lançam dúvidas sobre as motivações dos técnicos que os avaliam e sobre a política cultural em vigor, se é que existe alguma. Vejam: 9.400.000,00 para o Cirque du Soleil (companhia canadense que se apresenta a preços altíssimos) em 2005; R$ 17. 878.000,00 para “Shreck: musical e turnê” em 2011 e 2012; e R$4.143.000,00 para a “Turnê Luan Santana” em 2014. Isso não está cheirando a esperteza brasileira?
            Não é por acaso que alguns acusam o ministério de ter sido aparelhado - e assim desviado de suas funções -, como as demais instituições do estado nos últimos anos.  Conceder patrocínio a projetos como os citados acima é um acinte aos brasileiros e levanta sérias suspeitas de mau uso do fomento. Onde está o princípio republicano de democratizar a  arte e a cultura, de torná-las acessíveis a todos? Gestão da cultura significa fazer funcionar uma máquina burocrática ou defender o patrimônio e a identidade de um povo?
            O Ministério continua – mas, e a cultura? Esta é a grande diferença em relação aos demais países citados, mais do que o padrão de renda ou a educação formal.
©
Abrão Brito Lacerda
28 05 16



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de

50 ANOS DE BUDISMO NO VALE DO AÇO, MG

Ipatinga e região viveu neste 22 de agosto de 2015 um dia histórico com a Convenção Cultural em comemoração aos  50 anos da implantação do Budismo de Nitiren Daishonin no Vale do Aço. O evento é tanto mais significativo porque se confunde com a própria história da cidade, pois foi através da siderúrgica Usiminas, criada em outubro de 1962, que os primeiros japoneses se instalaram no que à época era uma vila pertencente ao município vizinho de Coronel Fabriciano, vindos sobretudo dos estados de São Paulo e Paraná. Com os imigrantes vieram os hábitos e a cultura, com destaque para a culinária e artes como a ikebana, o origami e a caligrafia, além da filosofia grandiosa do Budismo. 
            Muitos tinham se convertido ainda no Japão, outros se converteram após chegarem ao Brasil, graças ao impulso propagador do pós-guerra promovido pela Soka Gakkai, no movimento chamado Kossen-rufu.


































KOSSEN-RUFU E DESENVOLVIMENTO DE VALORES HUMANOS

          Kossen-rufu significa ampla propag…

MAGA PATALÓGIKA E O ORGASMO ATÔMICO

Até que enfim explicaram a explosão da bomba de Hiroshima, um dos segredos mais bem guardados da humanidade, mais inviolável do que, digamos,  o cinto de castidade. Foi um grande avanço para a ciência experimental, nos limites da science fiction, da animação cinematográfica e da física nuclear.             A Maga em questão é mesmo a bruxa dos gibis de Walt Disney, obcecada pela moedinha número um do Tio Patinhas, mas que sempre leva chumbo do velho sovina. Só mesmo um gato agourento e dois corvos ligeiramente néscios, altamente malévolos, o Laércio e o Perácio, igualmente péssimos piadistas, para tolerar a megera. Ainda que a Maga não seja de todo má, é esbelta e ágil – sopa de morcego com pimenta malagueta? –, tem olhos verdes faiscantes e sabe cavalgar uma vassoura como ninguém. Agora descobriram o poder secreto daquele inebriante quaac! que ela solta toda vez que se dá mal.             Convidaram os professores Pardal e Ludovico para chefiar uma série de experiências destin…