Pular para o conteúdo principal

FICA DILMA! FORA DILMA!

(Imagem: photoarts.com.br)

            Foi só a classe média se interessar pelos destinos do país que a direita burguesa, retrógrada e autoritária e a esquerda operária, autoritária e retrógrada, caíram em cima, com promessas de casamento e ameaças de deixá-la pra titia.
            Agora, em frente ao castelo da dama cobiçada desfilam os mais estranhos cavaleiros, com flâmulas e discursos apaixonados, muito parecidos com os que se ouviam no Brasil no início do século XXI.
            As alas vermelhas defendem casas-de-três-cômodos e ticket universidade para os pobres. As do colarinho branco, prometem distribuição farta de dinheiro público na forma de bolsa corrupção, cargos com privilégios e contas na Suíça.        
            A mídia burguesa golpista, controlada pelo grande capital, desfila como ala marrom,  e a mídia operária antigolpista, controlada pelo estado, não sai do entorno das muralhas, de olho no espólio da moça, achando que ela é uma desmiolada e não sabe decidir por conta própria.
            Até a classe dos intelectuais, que não deveria se rebaixar ao papel de Don Juan, perfila com faixas e paetês, prometendo manter seu ódio sob controle, se essa pequeno-burguesa insignificante apoiar o aumento de verbas para a formação... de novos intelectuais.
            Sem falar das facções mais à esquerda e à direita, ávidas por sangue. Como há poucos doadores, o jeito é encher a cara no bar ao lado do fosso dos crocodilos, aproveitando que a farra tá no fim e a noiva promete soltar os bichos, pois não aguenta mais tanto assédio.  É lá que, entre políticos, peruas, pedaladas e paparazzi, rola o coquetel das falcatruas.
            A oposição está inflamada:
            - Saindo Dilma, o país ficará nas mãos de homens como Temer, Cunha e Renan!
            - Então, fica Dilma! - clama a multidão de dentro das muralhas.
            Os defensores da situação aproveitam a deixa e acusam os lobos de devorarem uma inocente:
            - A valente presidenta Dilma deve ficar para terminar sua obra!
            -Então, fora Dilma! – faz-se ouvir o brado.
            Os últimos hambúrgueres de suborno são servidos, foi-se o tempo do champanhe com caviar; cotoveladas são trocadas à beira das máquinas de distribuição de dinheiro sujo, mais discursos inflamados:
            - O futuro presidente Temer é homem confiável e bom marido!
            - Uuuhh! Fica Dilma!
            No apagar das luzes, antes que os crocodilos famintos sejam soltos, ainda se ouvem vozes de apoio e exaltação:
            - O presidente Lula voltará em 2018!
            - Uuuhh! Fora Dilma!  
              Crocodilos que comem Dilma, comem Temer.
             E a culpa é da classe média, que não casa nem sai da moita.
©
Abrão Brito Lacerda
09 05 16



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CAI O QUEIXO

Neusa Santos 27 de dezembro às 05:58 ·  Bom dia , Matutina !


Para começar, uma nobre verdade: não conheço a Neusa. Pelo menos, não pessoalmente. Não se trata de uma ex-colega de faculdade, de alguém que virou celebridade de um minuto através de milhões de likes, eu a encontrei no perfil de um amigo e ela acabou se tornando também minha “amiga”. Fora isso, nunca a vi mais magra, a não ser nas selfies do Facebook. Mas como final de ano é uma época para mensagens altruísticas e não coisas do tipo “vejam minha ceia de Natal, gente como estou magra! Este é o meu bebê”, escolhi a Neusa como leitmotiv desta crônica, pois ela fala com o coração repleto de sinceridade.             A considerar por suas postagens, a rotina da Neusa começa bem cedo. Com os raios da manhã brilhando ao fundo da serra, eis sua selfie matinal: “Bom dia, Matutina!”. Sua cara de pera de vez e seus olhos vivos aparecem então na foto, muitas vezes com seus instrumentos de trabalho ao fundo, pois a Neusa é gari na cidadezinh…

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DA BANDA FILARMÔNICA

Sentado em uma poltrona marrom encardida, seu Alfa assiste a seu programa favorito na TV. Não se trata do “Show da tarde” nem do “Jornal das quatro”, mas sim do “shoptime”, cheio de novidades interessantes, como o multiprocessador Vavita, uma revolução no mundo dos alimentos. O multiprocessador Vavita é prático, fácil de usar e pode ser comprado em trinta vezes no cartão. Seu Alfa ergue as sombrancelhas ao ouvir a oferta anunciada pela garota-propaganda, ou melhor, senhora-propaganda.
Pelas paredes do quarto, diversas lembranças e fotos penduradas. Em uma delas, seu Alfa posa com a equipe de futebol do exército. “Eu era lateral esquerdo”, afirma com uma ponta de orgulho. Na clássica formação de metade de cócoras e a outra metade em pé, ele aparece aprumado e confiante, deve ter sido um bom lateral. Em outra foto, ele perfila com farda e capacete debaixo do braço. “Sou o do meio, na primeira fila”, aponta com um viés de nostalgia. - Era muito difícil a vida no exército? - Tinha que leva…