Pular para o conteúdo principal

VAI FUNDO!

           
(Imagem: lounge.obviousmag.com)
               Tínhamos que nos perfilar no pátio da escola e cantar “eu te amo, meu Brasil, eu te amo; ninguém segura a juventude do Brasil”, depois do hino nacional. O lugarejo não tinha calçamento, mas ser professor ainda era alguma coisa, a gente dizia “sou aluno da Dona Antônia”, com uma ponta de orgulho.
            Para as crianças, aquelas frases exaltadas evocavam alguma coisa a que eles pertenceriam, um lugar chamado Brasil; muito diferente, uma espécie de sonho.
            Jogar bola na hora do recreio era bom demais. Difícil era ter a bola, as de plástico se desgastavam rapidamente sobre o piso de argila batida. E todos eram pobres, quase ninguém podia ter uma. Então, valia bola de meia e algumas unhas do dedão arrancadas. Alguns usavam congas, outros chinelos de dedo, mas na hora de futebol valia a igualmente, todos de pés no chão.
            Dona Antônia usava régua para mostrar os apontamentos no quadro e também para dar bolos, meia dúzia para faltas leves e uma dúzia para as mais graves. Casos excepcionais eram julgados, conforme a necessidade.
            - Puxou o cabelo da colega!
            - Estende a mão!
Pá! Pá! Pá!
            Os colegas contavam “um... dois... três...”
            - Escondeu a régua da fessora!
            Duas dúzias de bolo, mais castigo.
             O desfile de 7 de Setembro era a principal atração do calendário escolar.  só superada pelo circo, que passava de vez em quando. A vida se dividia entre escola, banhos de rio e brincadeiras de “salve-ronda” à noite.
E passava muito rápido também, embalada pela boa música e aquele sentimento místico-hippie que pulsava com pleno vigor nos meados dos anos 70, uma coisa que cresceu em tamanho e conteúdo até virar um movimento chamado poesia marginal:

a palavra na ponta da língua
o sonho de penélope
numa piscada safada
mato a pulga atrás da orelha *

escreveu Ledusha, uma poetisa, salvo engano, de São Paulo.
E esta maravilha de Antônio Risério, poeta da Bahia:

Risos estalam sisos
Rios mudam a plumagem
Quando renasce das cinzas
O kamikaze da linguagem*

Era fome demais, sob o manto da Ditatura era preciso literalmente devorar os espaços de expressão, como no poema de Jenesis Genúncio, poeta do Rio de Janeiro:

em um ato me envolvo
em dois atos me apavoro
em quatro eu toco fogo
em oito ti devoro*
            E esta transgressão erótico-poética de Cristina Ohana, outro poeta marginal carioca:

Basta de cristandade
de santidade
de moralidade
obscuridade

Desejo a obscenidade
a oleosidade
a realidade

Desde essa idade
curto Marquês de Sade
me arde antes que seja tarde*

            Tropicalismo, Clube da Esquina, cinema underground. Nuvem Cigana nos palcos e, nos letreiros luminosos, cintilando o slogan de toda uma geração: Vai Fundo!
Não foi difícil chegar no pique ao final daquela década besta, a censura, a caretice e os militares no poder estavam com os dias contados. O máximo da vanguarda passou a ser escrever jornaizinhos de mimeógrafo, conclamando os milicos a voltarem a seus quartéis o quanto antes. A abertura “lenta e gradual” foi escancarada pela irreverência juvenil, preparando a libertinagem que estava por vir.
(* Todos os poemas foram retirados do livro Poesia Jovem Anos 70, Editora Abril, 1982)

©
Abrão Brito Lacerda
17 05 16


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de

MAGA PATALÓGIKA E O ORGASMO ATÔMICO

Até que enfim explicaram a explosão da bomba de Hiroshima, um dos segredos mais bem guardados da humanidade, mais inviolável do que, digamos,  o cinto de castidade. Foi um grande avanço para a ciência experimental, nos limites da science fiction, da animação cinematográfica e da física nuclear.             A Maga em questão é mesmo a bruxa dos gibis de Walt Disney, obcecada pela moedinha número um do Tio Patinhas, mas que sempre leva chumbo do velho sovina. Só mesmo um gato agourento e dois corvos ligeiramente néscios, altamente malévolos, o Laércio e o Perácio, igualmente péssimos piadistas, para tolerar a megera. Ainda que a Maga não seja de todo má, é esbelta e ágil – sopa de morcego com pimenta malagueta? –, tem olhos verdes faiscantes e sabe cavalgar uma vassoura como ninguém. Agora descobriram o poder secreto daquele inebriante quaac! que ela solta toda vez que se dá mal.             Convidaram os professores Pardal e Ludovico para chefiar uma série de experiências destin…

PAULO LEMINSKI: POESIA DO ACASO

Falarei do acaso para falar de Paulo Leminski (1944 – 1989), um dos poetas modernos que mais admiro e que leio com mais prazer. Pretendo transmitir um pouco da fruição que sinto ao ler seus poemas, como, por exemplo, o prazer do inesperado:
eu ontem tive a impressão que deus quis falar comigo         não lhe dei ouvidos
quem sou eu para falar com deus? ele que cuide de seus assuntos eu cuido dos meus
Você achou o poeta petulante demais? Ora, ele está apenas fingindo uma humildade que não possui, pois, enquanto artista, deve buscar o absoluto, o não dito. Deve rivalizar-se com Deus (seus assuntos são tão importantes quanto os do Criador, ora bolas!). Acadêmicos e gente que adora esfolar o cérebro dirão que o acaso não existe, mesmo na arte, que tudo é obra de saber e técnica, etc., etc. Mas apreender o acaso é tudo que o artista busca. Mallarmé (vejam minha postagem de 17 de março de 2012 sobre o poema Salut), o mestre que faz os eruditos caírem de joelhos, já ensinou há um século e meio em u…