Pular para o conteúdo principal

QUANTOS PROBLEMAS! VIVA OS PROBLEMAS!


 
(Imagem: www.filosofiacienciaevida.uol.com.br)
            Calma, não estou desejando calamidades a ninguém! Mas uma dorzinha aqui, um treco quebrado ali e um apertozinho financeiro não fazem mal a ninguém, muito pelo contrário. Não é a própria natureza que diz que o que não se usa, enferruja, carro apertado é que canta? As estações passam, da árvore ao eretus foram milhões de anos, não se pode desperdiçar a oportunidade, afinal, nascer humano é um imenso privilégio.
            A tolice é prima da inércia, só se aprende a lição através de inúmeros enfrentamentos, nos quais nos deparamos com a natureza transitória das coisas e das relações. A alegria passageira, a sensação de segurança material, uma medíocre existência, talvez, frequentemente precipitada. 
            O mundo metafísico não está em nada separado do físico, não existe aqui e lá, este mundo e aquele, eu e eles. Se a física nos explica(?) e a psicologia nos (des)complica, ainda estamos roçando a superfície da existência, a vida permanece um verdadeiro mistério. Somos a espécie dotada do fator volitivo, ainda que um leão feroz, que passa o dia descansando, obedeça de modo semelhante aos ditames do seu estômago.  
            A resposta para nossas inquietações está fora como está dentro, mudamos mudando o mundo e mudando com o mundo ao nosso redor. Sonhar com uma aposentadoria longe das turbulências, pescando traíras no sitio, pode desencadear as leis naturais, que se encarregarão de ceifar o indolente, torná-lo pó precocemente para que sirva de adubo a outras formas de vida.
            A morte é a parte difícil, como se sabe, sobretudo por que ou se morre repentinamente ou se leva um tempão pra morrer. Colocados diante da questão, todos preferem resposta nenhuma e são condenados a morrer de qualquer jeito. Até lá, deverão lutar com um unhas e bengalas para honrar a espécie.
©
Abrão Brito Lacerda

19 06 15

Comentários

  1. Como havíamos comentado outro dia, Abrão, viver tem sido mesmo uma tarefa nada fácil. Mas, como você bem lembrou, não há ninguém, em sã consciência, que queira abreviar isso.
    Grande abraço, amigo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem dúvida, Zé. A cada dia torna-se mais evidente para mim a imensa oportunidade que constitui a vida (sobretudo agora que minha vida se prolonga na do meu filho) e a necessidade de expandir as experiências aqui e agora.

      Excluir

Postar um comentário

Gostaria de deixar um comentário?

Postagens mais visitadas deste blog

CAI O QUEIXO

Neusa Santos 27 de dezembro às 05:58 ·  Bom dia , Matutina !


Para começar, uma nobre verdade: não conheço a Neusa. Pelo menos, não pessoalmente. Não se trata de uma ex-colega de faculdade, de alguém que virou celebridade de um minuto através de milhões de likes, eu a encontrei no perfil de um amigo e ela acabou se tornando também minha “amiga”. Fora isso, nunca a vi mais magra, a não ser nas selfies do Facebook. Mas como final de ano é uma época para mensagens altruísticas e não coisas do tipo “vejam minha ceia de Natal, gente como estou magra! Este é o meu bebê”, escolhi a Neusa como leitmotiv desta crônica, pois ela fala com o coração repleto de sinceridade.             A considerar por suas postagens, a rotina da Neusa começa bem cedo. Com os raios da manhã brilhando ao fundo da serra, eis sua selfie matinal: “Bom dia, Matutina!”. Sua cara de pera de vez e seus olhos vivos aparecem então na foto, muitas vezes com seus instrumentos de trabalho ao fundo, pois a Neusa é gari na cidadezinh…

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DA BANDA FILARMÔNICA

Sentado em uma poltrona marrom encardida, seu Alfa assiste a seu programa favorito na TV. Não se trata do “Show da tarde” nem do “Jornal das quatro”, mas sim do “shoptime”, cheio de novidades interessantes, como o multiprocessador Vavita, uma revolução no mundo dos alimentos. O multiprocessador Vavita é prático, fácil de usar e pode ser comprado em trinta vezes no cartão. Seu Alfa ergue as sombrancelhas ao ouvir a oferta anunciada pela garota-propaganda, ou melhor, senhora-propaganda.
Pelas paredes do quarto, diversas lembranças e fotos penduradas. Em uma delas, seu Alfa posa com a equipe de futebol do exército. “Eu era lateral esquerdo”, afirma com uma ponta de orgulho. Na clássica formação de metade de cócoras e a outra metade em pé, ele aparece aprumado e confiante, deve ter sido um bom lateral. Em outra foto, ele perfila com farda e capacete debaixo do braço. “Sou o do meio, na primeira fila”, aponta com um viés de nostalgia. - Era muito difícil a vida no exército? - Tinha que leva…

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de