Pular para o conteúdo principal

NO PAÍS DAS MARIONETES


Palhaços fantasiados de brasileiros fazem uma Palhaçoata no Rio de Janeiro
(Foto: revista Anjos do Picadeiro, julho 2014)

Que falta de respeito, que afronta com a razão
Qualquer um é senhor, qualquer um é ladrão
(Tango de Enrique Santos Discepolo, 1934)

            Como todo brasileiro, sou obrigado a compartilhar o momento presente com uma deprimente campanha eleitoral, onde reina o cinismo, o sofisma e a falta de pudor. Antes tínhamos complexos de vira-latas, na famosa frase de Nelson Rodrigues. Depois, viramos um Cambalacho, na versão de Raul Seixas para o tango de Enrique Discepolo. Hoje, somos o antro da hipocrisia, uma terra onde roubar, mentir, matar, corromper, ser corrompido, ou seja lá que delito for não constitui uma falta passível de ser sancionada pela lei. Pela lei, que lei? Desculpe, foi um ato falho.
            Quando uma autoridade se manifesta, lá vem mentira. Quando a justiça toma a palavra, uma piada. Quando os jornais escrevem, vaselina. Quando a televisão anuncia, sensacionalismo. Quando o cidadão fala, ponha-lhe um nariz de palhaço, porque esse é o disfarce favorito do brasileiro.
            Há dois meses um diplomata israelense chamou o Brasil de anão diplomático. Não houve reação à altura dos chanceleres brasileiros – teriam vestido a carapuça?  Na copa do mundo, uma derrota vexatória expôs a incapacidade dos nossos atletas de enfrentarem dignamente uma situação difícil - foram orientados por gente ultrapassada, sem dignidade.
            Breviário de nossas relações sociais: se for convidado, não responda; se confirmar, não vá; se for, chegue na hora que quiser. Assuma tudo com a maior cara de pau, faça descaso do resto. Assim agindo, estará preparado para viver no Brasil.
            E pra te arrasar, a ascensão das novas classes invadiu os espaços públicos e privados. A música popular, antiga prima-dona da cultura brasileira, está hoje relegada a um papel de coadjuvante. Você entra numa padaria e tá tocando aquela música que rima abraço com amasso, e a balconista fica cantarolando no seu ouvido. Não precisamos de terroristas da Al-Qaeda, temos arma pior!
A república (que é federativa do Brasil) foi assalta por gente proveniente do operariado e das classes emergentes, que se misturou com as tradicionais elites e “quadrilhizaram” o estado. É troca-troca, toma- lá- dá-cá, uma indecência com o dinheiro público. Parece a Roma de Nero, guardadas as indevidas proporções.
            Não acuso quem busque outros destinos, mas, fiquem sabendo, a coisa tá feia. O visto americano é difícil de obter, no Uruguai não há lugar para todos, o Japão fica muito longe e a lua é por enquanto inabitável.
            No país das marionetes, como o sol que se levanta a cada dia, fazer  arte pela arte é a única filosofia possível.  
Vá ao teatro. Há ótimos comediantes representando perto de você. Viaje pelo interior. Há artesãos tecendo, moldando, cozendo o barro, trançando a palha. Prestigie as exposições dos artistas anônimos que materializam os sentimentos positivos que fazem a vida valer a pena. Ouça os bons músicos que vivem do próprio trabalho e sacrificam-se pelo amor ao que fazem.        
            Leia os poetas e os cronistas anônimos, visite seus blogs, deixe comentários, recomende-os a um editor!
            Na arca de Noé nos encontraremos todos ao final.

©

Abrão Brito Lacerda

08 03 18

Comentários

  1. Amigo, obrigado pela lembrança!
    Chegará um tempo no qual todo o nosso esforço não será em vão. Não digo no sentido pessoal, defender o que acreditamos com honestidade e coragem já se mostra uma grande conquista. Penso num modo mais coletivo, onde educação e cultura sejam metas concretas de todos.
    Grande abraço. Força a você também, para que consiga abrir mais caminhos além dos que até aqui já colaborou!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostaria de deixar um comentário?

Postagens mais visitadas deste blog

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de

50 ANOS DE BUDISMO NO VALE DO AÇO, MG

Ipatinga e região viveu neste 22 de agosto de 2015 um dia histórico com a Convenção Cultural em comemoração aos  50 anos da implantação do Budismo de Nitiren Daishonin no Vale do Aço. O evento é tanto mais significativo porque se confunde com a própria história da cidade, pois foi através da siderúrgica Usiminas, criada em outubro de 1962, que os primeiros japoneses se instalaram no que à época era uma vila pertencente ao município vizinho de Coronel Fabriciano, vindos sobretudo dos estados de São Paulo e Paraná. Com os imigrantes vieram os hábitos e a cultura, com destaque para a culinária e artes como a ikebana, o origami e a caligrafia, além da filosofia grandiosa do Budismo. 
            Muitos tinham se convertido ainda no Japão, outros se converteram após chegarem ao Brasil, graças ao impulso propagador do pós-guerra promovido pela Soka Gakkai, no movimento chamado Kossen-rufu.


































KOSSEN-RUFU E DESENVOLVIMENTO DE VALORES HUMANOS

          Kossen-rufu significa ampla propag…

MAGA PATALÓGIKA E O ORGASMO ATÔMICO

Até que enfim explicaram a explosão da bomba de Hiroshima, um dos segredos mais bem guardados da humanidade, mais inviolável do que, digamos,  o cinto de castidade. Foi um grande avanço para a ciência experimental, nos limites da science fiction, da animação cinematográfica e da física nuclear.             A Maga em questão é mesmo a bruxa dos gibis de Walt Disney, obcecada pela moedinha número um do Tio Patinhas, mas que sempre leva chumbo do velho sovina. Só mesmo um gato agourento e dois corvos ligeiramente néscios, altamente malévolos, o Laércio e o Perácio, igualmente péssimos piadistas, para tolerar a megera. Ainda que a Maga não seja de todo má, é esbelta e ágil – sopa de morcego com pimenta malagueta? –, tem olhos verdes faiscantes e sabe cavalgar uma vassoura como ninguém. Agora descobriram o poder secreto daquele inebriante quaac! que ela solta toda vez que se dá mal.             Convidaram os professores Pardal e Ludovico para chefiar uma série de experiências destin…