sexta-feira, 19 de setembro de 2014

DIANTE DA VITRINE


(Foto: conexaoparis.com.br)


Diante da vitrine, paro, sento, medito. Há um banco sobre o passeio, a vitrine da padaria, mil bolinhos, pavês, pãezinhos confeitados, mille-feuilles, tortas, éclairs, struddles, muffles, croissants, pudings, rocamboles. As línguas se misturam em meu desejo, minha consciência faz-se de juiz: “Seu lanche é às 17:30.”
Por que nascemos com uma consciência, não bastariam o estômago e a vesícula? Nem sei para que serve a vesícula, sempre fui mal em aritmética e desconheço os cálculos biliar e renal; mas sei das mil e uma utilidades do estômago, nosso segundo cérebro, afirmam os especialistas. Então, viva a consciência, nossa porção de conjeturas que nos permite distinguir-nos das espécies quadrúpedes, bípedes, trípedes e monípedes!
- Quero quatro struddles. À merda minha consciência!
- O quê? O senhor quer “confluência”?
- Desculpe, é minha consciência, sabe, a senhora provavelmente também tem uma. Está me dizendo que meu lanche é às 17:30.
- Neste caso, o senhor compra agora e come às 17:30.

(Foto: blog.canpan.info)

Brilhante! Jamais imaginaria que uma simples atendente conhecesse tanto da psicologia humana.
- Quatro struddles e dois muffles, por favor.
Volto para o banco, minha sacolinha parda de guloseimas à mão. Olho, reflito, há gente apressada demais no mundo, talvez gente demais no mundo. E, no entanto, os ipês estão enfeitados de roxo, amarelo, branco, há também flamboyants e hibiscos. Vermelho, rosa, laranja, carmim, violeta, botõezinhos trincando de tesão. A moça que passa só quer ser admirada, não tem tempo para olhar de lado, bem feito, há buracos no passeio, copos plásticos, envelopes de bala-doce, palitinhos de picolé. Por onde anda nossa limpeza pública? Só vejo sujeira pública, dizem, quem joga lixo no chão está com a mente entulhada. Acredito piamente, há tranqueira demais nas cabeças, vamos limpá-las, carros tão lustrosos e bonitos e a gente suja por dentro, ouçam o passarinho.
Quando um pássaro canta, outros aparecem. No galho do ipê, três passarinhos desafiam o furor da tarde, alegres e arteiros. Cagam no banco, bostinhas brancas com pontinhos pretos. Como é lindo o cocô dos passarinhos, como é nojenta a caca dos cachorros, a senhora arrasta o cãozinho pela coleira, ele protesta, ela ralha indignada ao ver a estripulia deixada pelos pardais no capô do seu “truck”. Nunca estacione debaixo de uma árvore, sua educação pode cair junto.
- O senhor viu quem fez isso?
Demoro a responder, ultimamente insistem em me dar este tratamento, não tenho cabelos brancos, só alguns fios grisalhos, considero apenas a possibilidade de aceitar ser chamado de “tio”.
- Os passarinhos.
- Passarinhos não dirigem carros.
- Isso é porque a senhora não assiste aos mesmos desenhos animados que meu filho...

(Foto: flickr.com)

Ela arranca enfezada, os passarinhos revoam com o barulho do motor, o cão late para mim, meu segundo cérebro avisa que já são 17:30.
A gerente da padaria baixa o toldo para proteger a vitrine do sol da tarde. Na lona está escrito: “Gaseosa, um gole de alegria”.
- Não quero gaseosa, quero a liberdade dos passarinhos.

©
Abrão Brito Lacerda
12 09 14


Um comentário:

  1. Interessante como pessoas tão distantes tem mesmos pensamentos e sentimentos do mundo.
    Hoje mesmo, um amigo de uma rede social afirmou em uma de minhas fotos postadas que "quero ir e vir como um pássaro". Muito parecido com a sua terminação do texto.
    Acho legal quando encontro isso, a certeza de que existe um pensamento coletivo entre pessoas de bem. Tão bom quando nos plugamos nele...
    Grande abraço, Abrão!

    ResponderExcluir

Gostaria de deixar um comentário?