Pular para o conteúdo principal

DENTES PRA QUE LHES QUERO!





www.picturesof.net

            Tem uma expressão francesa de que gosto muito: “Croquer la vie à belles dents.” Significa viver intensamente, desfrutar da vida como se tivesse fome, mordê-la literalmente, coisa que só fazemos à mesa do almoço. 
            Os dentes são nossa vitrine para o mundo, têm mil e uma funções, inclusive estética. Mas custa caro mantê-los brancos e reluzentes, harmônicos como o teclado de um piano. A maioria de nós tem pequenas ou grandes imperfeições, coroas, próteses, implantes, obturações, pontes, roachs, dentaduras e dentes sisos. Antigamente, quando começavam a doer, eram logo extraídos e ficávamos com uma horrível sensação de incompletude, tão vasta quanto a vergonha de abrir um sorriso banguela. Mas, ainda hoje, com recursos suficientes para transformar qualquer draculina em uma modelo de propaganda, os problemas abundam. Que diria algumas de minhas amigas!
A Margarete quebrou o dente comendo pão. Fizeram um revestimento bonitinho e ela foi pra festa de casamento da irmã, com garantias de que “não se soltaria.” E não é que se soltou?
            A Zanilda estava outro dia mais triste do que os eleitores do Aécio:
            - Que foi, mulher!
            - Umm-umm!...
- Desembucha!
- A “xaqueta”...
- Você está com frio neste calor?
- Nããã... Meu dent’...


A jaqueta tinha se soltado e ela viu-se em plena rua tapando a boca com a mão, como se tivesse acabado de assistir a um discurso da presidente Dilma.
Com um dente novo a dois mil reais, ela protelou o tratamento o quanto pode e teve de conviver com seu incisivo soltando-se em fila de banco, chá com as amigas e... banhos de mar...
Pobre Zanilda, e vejam que tem casos piores.
Tem o truque do corega, aquele produto para fixar dentaduras (cola tão bem a resina na gengiva que você tem a impressão de estar comendo os próprios dentes) e base de unhas, segredo revelado ao pé de ouvido. A Zanilda tentou os dois, e foi assim que resistiu até poder pagar a conta do dentista.
Caso pior foi o da Svetlana, moça fina, um chuchuzinho. Dessas que suscitariam uma invasão estrangeira. Ela é intérprete e vive de boca em boca, devolvendo em russo o que ouve em português e vice-versa. Da boca da Svetlana jamais poderia cair um dente – mas caiu.
Não de repente, pois não era mais dente de leite. Originou de uma cárie mal obturada, dos tempos em que ela morava em um vilarejo russo. E aí veio a visita do cônsul.
Um cônsul russo é coisa rara de se ver, portanto a visita foi hi-per-im-por-tan-te. Lá estava Svet no meio de uma pergunta, quando – Putin! –o dente soltou-se.
- ?
- !
- Г-жа проходит хорошо?
“A senhorita está se sentindo bem?” Os assessores entreolharam-se,  Svet “passou “ mal, foi levada ao banheiro, ficou sozinha e colou o maldito dente – com esmalte, e aqui entrego definitivamente a Svetlana, pois foi ela quem revelou o truque.
Hoje ela tem um definitivo perfeito, em harmonia com o resto do corpo.
O dente definitivo é um divisor de águas na vida de muita gente. Leiam a história de Ivonete, a última e mais dramática:

www.eveningtimes.co.uk
Era o aniversário do filho da Ivonete e ela estava super-atarefada. Para piorar, o tratamento de dente atrasou e ela ficou usando um dente temporário mais tempo do que desejaria. Resolveu relaxar e até aprendeu como fixar a prótese quando esta descolava - por exemplo, durante a escovação. Depois ficou ainda mais prática: passou a retirar o dente ao fazer a higiene.
Os convidados iam começar a chegar, ela tinha que se apressar. Aí, raios!, o dente caiu dentro da pia.
Zup! Sumiu.
Ivonete entrou em pânico, e agora, o que ela ia fazer?
O que eu faria, o que você faria?
Ivonte pegou o celular e ligou pro marido.
- Meu dente caiu dentro da pia!
- Fique calma, eu posso pegar pra você.
- Então, vem logo!
O marido trouxe as ferramentas, desmontou a mangueira, abriu o sifão e lá estava o molar, misturado com fios de cabelo e otras cositas más...

Depois de lavado, fervido e higienizado, voltou pro seu lugar... devidamente colado com goma de mascar!

©
Abrão Brito Lacerda
06 09 14


Comentários

  1. Foi bom pra dar uma relaxada, Abrão! Todos temos umas histórias com eles.
    Grande abraço!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostaria de deixar um comentário?

Postagens mais visitadas deste blog

CAI O QUEIXO

Neusa Santos 27 de dezembro às 05:58 ·  Bom dia , Matutina !


Para começar, uma nobre verdade: não conheço a Neusa. Pelo menos, não pessoalmente. Não se trata de uma ex-colega de faculdade, de alguém que virou celebridade de um minuto através de milhões de likes, eu a encontrei no perfil de um amigo e ela acabou se tornando também minha “amiga”. Fora isso, nunca a vi mais magra, a não ser nas selfies do Facebook. Mas como final de ano é uma época para mensagens altruísticas e não coisas do tipo “vejam minha ceia de Natal, gente como estou magra! Este é o meu bebê”, escolhi a Neusa como leitmotiv desta crônica, pois ela fala com o coração repleto de sinceridade.             A considerar por suas postagens, a rotina da Neusa começa bem cedo. Com os raios da manhã brilhando ao fundo da serra, eis sua selfie matinal: “Bom dia, Matutina!”. Sua cara de pera de vez e seus olhos vivos aparecem então na foto, muitas vezes com seus instrumentos de trabalho ao fundo, pois a Neusa é gari na cidadezinh…

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DA BANDA FILARMÔNICA

Sentado em uma poltrona marrom encardida, seu Alfa assiste a seu programa favorito na TV. Não se trata do “Show da tarde” nem do “Jornal das quatro”, mas sim do “shoptime”, cheio de novidades interessantes, como o multiprocessador Vavita, uma revolução no mundo dos alimentos. O multiprocessador Vavita é prático, fácil de usar e pode ser comprado em trinta vezes no cartão. Seu Alfa ergue as sombrancelhas ao ouvir a oferta anunciada pela garota-propaganda, ou melhor, senhora-propaganda.
            Pelas paredes do quarto, diversas lembranças e fotos penduradas. Em uma delas, seu Alfa posa com a equipe de futebol do exército. “Eu era lateral esquerdo”, afirma com uma ponta de orgulho. Na clássica formação de metade de cócoras e a outra metade em pé, ele aparece aprumado e confiante, deve ter sido um bom lateral. Em outra foto, ele perfila com farda e capacete debaixo do braço. “Sou o do meio, na primeira fila”, aponta com um viés de nostalgia. - Era muito difícil a vida no exército? - Ti…

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de