Pular para o conteúdo principal

PÁSSAROS ENGAIOLADOS



            Desci na Estação Châtelet, na Rive Droite, margem direita do Sena, com destino ao mercado de pássaros que tradicionalmente se abre aos domingos no centro de Paris. Eu havia decidido por uma abordagem mais prudente desde que, na véspera, levara uma carreira de umas putas dos lados do Boulevard Saint-Martin. Tudo porque eu, turista afoito, bati uma foto um tanto à la legère, sem pensar. Eu Explico:
            Na Rive Droite, bem pertinho do centro, tem uns bairros populares muito interessantes. Por ali se cruza com estudantes, operários, turistas e imigrantes de variada plumagem. À medida que eu subia a Rua Montorgueil, a paisagem mudava subitamente: ora uma profusão de restaurantes, ora um mercado popular, ora umas mulheres exóticas - clic, clic, clic. Inocentemente virei uma esquina e entrei numa rua onde se praticava a venda do corpo, ofício antigo. Havia mais tipos femininos à escolha do que verduras em uma feira: africanas que brilhavam como ébano, loiras eslavas de traços finos e alongados, cossacas, tailandesas, filipinas, possivelmente algumas brasileiras, coisa que não tive tempo de conferir. Pareciam vestidas para uma festa de carnaval ou halloween, de forma voluptuosa e colorida. Algumas posavam, estáticas, sobre motos estacionadas no passeio, outras davam psius! em diferentes línguas, outras se limitavam a esfregar os dedos polegar e indicador no gesto característico para significar money, dólar, euro, dindim. De repente, percebi que elas vinham em minha direção, ávidas por dinheiro, suponho. Com medo de ser depenado, fiz o que já havia aprendido na cidade: corri para uma estação do metrô. Consegui escapar são e salvo e, o que é mais importante, sem pagar pela foto.
            Por abordagem prudente eu entendia entrar no mercado de pássaros, como fizera Jesus Cristo ao expulsar os vendilhões do templo, abrir as portas das gaiolas e deixar os pintassilgos, canários, chamarizes e afins voarem em liberdade pelos céus daquela cidade velha e cinza. Seria a vingança definitiva da minha infância, da infância que insiste em subsistir dentro de mim, que se ri toda vez que digo que estou ficando velho e que me faz amar tudo que seja inocente como um passarinho.
            Porque os pássaros nasceram para o ar, assim como os peixes para a água. Aprisioná-los é um ato tirânico, ainda que a gaiola seja de ouro. Um pássaro engaiolado é um coração que não bate, um ser que não sente, uma lábio insensível ao beijo. Em menino, eu corria pelos campos apenas para vê-los brincar entre as nuvens, dar piruetas e pousar nas copas mais altas das árvores. Nunca quis tê-los ao alcance das mãos, minha imaginação viajava com eles. De noite, em abria as gaiolas dos meus irmãos mais velhos, tendo o cuidado de quebrar uma ou duas taliscas para ter a resposta pronta no outro dia de manhã: “Os passarinhos escaparam de novo!”, lamentavam os ganchudos. “Não, foi o gato, vejam!”, eu respondia sem pestanejar.
            Alguém me dirá que os pássaros presos alegram as crianças, os velhos e os preguiçosos.  Há ainda aqueles que argumentam que o animal cativo vive muito mais do que na natureza, onde é vítima de predadores. Os escravocratas que defendiam o antigo regime diziam igualmente que os negros eram muito bem tratados por seus senhores e seriam umas bestas fora das senzalas.
            E você, estimado leitor, dar-me-ia razão em querer aprontar uma revolução avícola em pleno centro da cidade luz? Felizmente, a Pont-Neuf, a ponte que tive que atravessar para chegar do outro lado do Sena era suficientemente longa e eu parei para olhar os barcos apinhados de turistas que passavam embaixo. As águas do rio corriam mansas. As pequenas ondas cintilavam ao brilho do sol matinal. Saquei da máquina fotográfica e comecei a tirar fotos - livre,  como um passarinho.
©
Abrão Brito Lacerda


Comentários

  1. Sempre fiquei tentando imaginar o que pode sentir alguém diante de uma gaiola. Nunca consegui.
    Tenho uma dificuldade enorme em ter empatia por aqueles que se alegram com o sofrimento.

    Ótimo texto, Abrão. Quanta sensibilidade!

    ResponderExcluir
  2. Gracias, Zé. Acho que devemos ter empatia para os seres como um todo, respeitar o lugar de cada um na cadeia da existência. Tenho horror aos preguiçosos e aproveitadores, geralmente são humanos.

    ResponderExcluir
  3. Meus cumprimentos por seu posicionamento de compaixão cristã pelos animaizinhos bípedes canoros e de bela plumagem. Alguns humanos, prendendo os bichinhos, é que mostram o animal que são. E ainda pretendem o raciocinio perverso pensar que o prisioneiro canta/fala para ele. vê se pode!!! Nem é capaz de ter consciência da própria animalidade.
    Por isso me respondam, se bicho falasse ia parar pra dar ideia para ser humano puuuurquê?

    ResponderExcluir
  4. Anônimo Anônimo disse...
    Meus cumprimentos por seu posicionamento de compaixão cristã pelos animaizinhos bípedes canoros e de bela plumagem. Alguns humanos, prendendo os bichinhos, é que mostram o animal que são. E ainda pretendem o raciocinio perverso pensar que o prisioneiro canta/fala para ele. vê se pode!!! Nem é capaz de ter consciência da própria animalidade.
    Por isso me respondam, se bicho falasse ia parar pra dar ideia para ser humano puuuurquê?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostaria de deixar um comentário?

Postagens mais visitadas deste blog

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de

50 ANOS DE BUDISMO NO VALE DO AÇO, MG

Ipatinga e região viveu neste 22 de agosto de 2015 um dia histórico com a Convenção Cultural em comemoração aos  50 anos da implantação do Budismo de Nitiren Daishonin no Vale do Aço. O evento é tanto mais significativo porque se confunde com a própria história da cidade, pois foi através da siderúrgica Usiminas, criada em outubro de 1962, que os primeiros japoneses se instalaram no que à época era uma vila pertencente ao município vizinho de Coronel Fabriciano, vindos sobretudo dos estados de São Paulo e Paraná. Com os imigrantes vieram os hábitos e a cultura, com destaque para a culinária e artes como a ikebana, o origami e a caligrafia, além da filosofia grandiosa do Budismo. 
            Muitos tinham se convertido ainda no Japão, outros se converteram após chegarem ao Brasil, graças ao impulso propagador do pós-guerra promovido pela Soka Gakkai, no movimento chamado Kossen-rufu.


































KOSSEN-RUFU E DESENVOLVIMENTO DE VALORES HUMANOS

          Kossen-rufu significa ampla propag…

MAGA PATALÓGIKA E O ORGASMO ATÔMICO

Até que enfim explicaram a explosão da bomba de Hiroshima, um dos segredos mais bem guardados da humanidade, mais inviolável do que, digamos,  o cinto de castidade. Foi um grande avanço para a ciência experimental, nos limites da science fiction, da animação cinematográfica e da física nuclear.             A Maga em questão é mesmo a bruxa dos gibis de Walt Disney, obcecada pela moedinha número um do Tio Patinhas, mas que sempre leva chumbo do velho sovina. Só mesmo um gato agourento e dois corvos ligeiramente néscios, altamente malévolos, o Laércio e o Perácio, igualmente péssimos piadistas, para tolerar a megera. Ainda que a Maga não seja de todo má, é esbelta e ágil – sopa de morcego com pimenta malagueta? –, tem olhos verdes faiscantes e sabe cavalgar uma vassoura como ninguém. Agora descobriram o poder secreto daquele inebriante quaac! que ela solta toda vez que se dá mal.             Convidaram os professores Pardal e Ludovico para chefiar uma série de experiências destin…