Pular para o conteúdo principal

PÁSSAROS ENGAIOLADOS



            Desci na Estação Châtelet, na Rive Droite, margem direita do Sena, com destino ao mercado de pássaros que tradicionalmente se abre aos domingos no centro de Paris. Eu havia decidido por uma abordagem mais prudente desde que, na véspera, levara uma carreira de umas putas dos lados do Boulevard Saint-Martin. Tudo porque eu, turista afoito, bati uma foto um tanto à la legère, sem pensar. Eu Explico:
            Na Rive Droite, bem pertinho do centro, tem uns bairros populares muito interessantes. Por ali se cruza com estudantes, operários, turistas e imigrantes de variada plumagem. À medida que eu subia a Rua Montorgueil, a paisagem mudava subitamente: ora uma profusão de restaurantes, ora um mercado popular, ora umas mulheres exóticas - clic, clic, clic. Inocentemente virei uma esquina e entrei numa rua onde se praticava a venda do corpo, ofício antigo. Havia mais tipos femininos à escolha do que verduras em uma feira: africanas que brilhavam como ébano, loiras eslavas de traços finos e alongados, cossacas, tailandesas, filipinas, possivelmente algumas brasileiras, coisa que não tive tempo de conferir. Pareciam vestidas para uma festa de carnaval ou halloween, de forma voluptuosa e colorida. Algumas posavam, estáticas, sobre motos estacionadas no passeio, outras davam psius! em diferentes línguas, outras se limitavam a esfregar os dedos polegar e indicador no gesto característico para significar money, dólar, euro, dindim. De repente, percebi que elas vinham em minha direção, ávidas por dinheiro, suponho. Com medo de ser depenado, fiz o que já havia aprendido na cidade: corri para uma estação do metrô. Consegui escapar são e salvo e, o que é mais importante, sem pagar pela foto.
            Por abordagem prudente eu entendia entrar no mercado de pássaros, como fizera Jesus Cristo ao expulsar os vendilhões do templo, abrir as portas das gaiolas e deixar os pintassilgos, canários, chamarizes e afins voarem em liberdade pelos céus daquela cidade velha e cinza. Seria a vingança definitiva da minha infância, da infância que insiste em subsistir dentro de mim, que se ri toda vez que digo que estou ficando velho e que me faz amar tudo que seja inocente como um passarinho.
            Porque os pássaros nasceram para o ar, assim como os peixes para a água. Aprisioná-los é um ato tirânico, ainda que a gaiola seja de ouro. Um pássaro engaiolado é um coração que não bate, um ser que não sente, uma lábio insensível ao beijo. Em menino, eu corria pelos campos apenas para vê-los brincar entre as nuvens, dar piruetas e pousar nas copas mais altas das árvores. Nunca quis tê-los ao alcance das mãos, minha imaginação viajava com eles. De noite, em abria as gaiolas dos meus irmãos mais velhos, tendo o cuidado de quebrar uma ou duas taliscas para ter a resposta pronta no outro dia de manhã: “Os passarinhos escaparam de novo!”, lamentavam os ganchudos. “Não, foi o gato, vejam!”, eu respondia sem pestanejar.
            Alguém me dirá que os pássaros presos alegram as crianças, os velhos e os preguiçosos.  Há ainda aqueles que argumentam que o animal cativo vive muito mais do que na natureza, onde é vítima de predadores. Os escravocratas que defendiam o antigo regime diziam igualmente que os negros eram muito bem tratados por seus senhores e seriam umas bestas fora das senzalas.
            E você, estimado leitor, dar-me-ia razão em querer aprontar uma revolução avícola em pleno centro da cidade luz? Felizmente, a Pont-Neuf, a ponte que tive que atravessar para chegar do outro lado do Sena era suficientemente longa e eu parei para olhar os barcos apinhados de turistas que passavam embaixo. As águas do rio corriam mansas. As pequenas ondas cintilavam ao brilho do sol matinal. Saquei da máquina fotográfica e comecei a tirar fotos - livre,  como um passarinho.
©
Abrão Brito Lacerda


Comentários

  1. Sempre fiquei tentando imaginar o que pode sentir alguém diante de uma gaiola. Nunca consegui.
    Tenho uma dificuldade enorme em ter empatia por aqueles que se alegram com o sofrimento.

    Ótimo texto, Abrão. Quanta sensibilidade!

    ResponderExcluir
  2. Gracias, Zé. Acho que devemos ter empatia para os seres como um todo, respeitar o lugar de cada um na cadeia da existência. Tenho horror aos preguiçosos e aproveitadores, geralmente são humanos.

    ResponderExcluir
  3. Meus cumprimentos por seu posicionamento de compaixão cristã pelos animaizinhos bípedes canoros e de bela plumagem. Alguns humanos, prendendo os bichinhos, é que mostram o animal que são. E ainda pretendem o raciocinio perverso pensar que o prisioneiro canta/fala para ele. vê se pode!!! Nem é capaz de ter consciência da própria animalidade.
    Por isso me respondam, se bicho falasse ia parar pra dar ideia para ser humano puuuurquê?

    ResponderExcluir
  4. Anônimo Anônimo disse...
    Meus cumprimentos por seu posicionamento de compaixão cristã pelos animaizinhos bípedes canoros e de bela plumagem. Alguns humanos, prendendo os bichinhos, é que mostram o animal que são. E ainda pretendem o raciocinio perverso pensar que o prisioneiro canta/fala para ele. vê se pode!!! Nem é capaz de ter consciência da própria animalidade.
    Por isso me respondam, se bicho falasse ia parar pra dar ideia para ser humano puuuurquê?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostaria de deixar um comentário?

Postagens mais visitadas deste blog

CAI O QUEIXO

Neusa Santos 27 de dezembro às 05:58 ·  Bom dia , Matutina !


Para começar, uma nobre verdade: não conheço a Neusa. Pelo menos, não pessoalmente. Não se trata de uma ex-colega de faculdade, de alguém que virou celebridade de um minuto através de milhões de likes, eu a encontrei no perfil de um amigo e ela acabou se tornando também minha “amiga”. Fora isso, nunca a vi mais magra, a não ser nas selfies do Facebook. Mas como final de ano é uma época para mensagens altruísticas e não coisas do tipo “vejam minha ceia de Natal, gente como estou magra! Este é o meu bebê”, escolhi a Neusa como leitmotiv desta crônica, pois ela fala com o coração repleto de sinceridade.             A considerar por suas postagens, a rotina da Neusa começa bem cedo. Com os raios da manhã brilhando ao fundo da serra, eis sua selfie matinal: “Bom dia, Matutina!”. Sua cara de pera de vez e seus olhos vivos aparecem então na foto, muitas vezes com seus instrumentos de trabalho ao fundo, pois a Neusa é gari na cidadezinh…

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DA BANDA FILARMÔNICA

Sentado em uma poltrona marrom encardida, seu Alfa assiste a seu programa favorito na TV. Não se trata do “Show da tarde” nem do “Jornal das quatro”, mas sim do “shoptime”, cheio de novidades interessantes, como o multiprocessador Vavita, uma revolução no mundo dos alimentos. O multiprocessador Vavita é prático, fácil de usar e pode ser comprado em trinta vezes no cartão. Seu Alfa ergue as sombrancelhas ao ouvir a oferta anunciada pela garota-propaganda, ou melhor, senhora-propaganda.
Pelas paredes do quarto, diversas lembranças e fotos penduradas. Em uma delas, seu Alfa posa com a equipe de futebol do exército. “Eu era lateral esquerdo”, afirma com uma ponta de orgulho. Na clássica formação de metade de cócoras e a outra metade em pé, ele aparece aprumado e confiante, deve ter sido um bom lateral. Em outra foto, ele perfila com farda e capacete debaixo do braço. “Sou o do meio, na primeira fila”, aponta com um viés de nostalgia. - Era muito difícil a vida no exército? - Tinha que leva…

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de