Pular para o conteúdo principal

BACK IN 1985



            No início de 1985, os estudantes João Batista, de Matutina e Alberto, de Montes Claros, atravessaram o portão enferrujado que encerrava precariamente as dependências do MOFUCE – Movimento Fundação Casa do Estudante – no Bairro Santo Agostinho, em Belo Horizonte. Eles tinham como missão investigar as condições do local, que havia sido designado para invasão em reunião do Diretória Central dos Estudantes da UFMG, acontecida na véspera.
            O lugar encontrava-se em péssimo estado. Ele servia de ponto de apoio para moradores de rua e afins, que o utilizavam como privada, depósito de bugigangas e motel. Os banheiros dos primeiro andar, únicos concluídos, estavam depredados e o mato tomava conta das áreas externas. 
            Alguns dias mais tarde, foi efetivada a ocupação do prédio, uma construção inacabada que deveria servir, como o próprio nome indica, de moradia para estudantes da Universidade Federal de Minas Gerais. Na falta de uma moradia oficial, e seguindo os passos do seu predecessor, a Moradia Estudantil Borges da Costa, o Mofuce vinha suprir a lacuna.
            Embora sua ocupação tenha sido tramada politicamente, nos embates PT – PCdoB que caracterizavam o movimento estudantil da época, o Mofuce representa um interessante efeito de conjuntura: um lugar ocupado por estudantes pobres, do interior, de outros estados e de diferentes bairros da capital, que surge no limbo do sistema, do qual é filho, mas não herdeiro.
            Era uma época de acirrados embates ideológicos, os discursos trotskistas, maoístas, albaneses (discípulos de Henver Hoxha!), cubanos, libelus (liberdade e luta), anarquistas, de militantes católicos da JUC (Juventude Universitária Católica), do “partidão” (PCB), das centelhas (as mulheres mais bonitas do movimento estudantil),  fluíam e floriam ao sabor dos ventos. Havia mais tendências do que membros,  sem contar as dissidências, que surgiam assim que uma nova tendência tentava se impor.
O muro de Berlim ainda estava de pé, o império socialista, com sua máquina de propaganda, ainda não havia ruído e falava-se de utopia, revolução, diretas já, fora FMI! Tempos bons, tirando a tentativa de suicídio do Rói, a chuva durante o Rock in Rio e a inflação de 5% ao dia.
Fato importante para a subsistência do Mofuce foi o apoio do supermercado CB Merci, situado uma rua acima. Sei que ex-mofuceanos contestarão a minha versão, mas o supermercado forneceu boa parte do mobiliário inicial para os estudantes montarem seus quartos: caixas de maçãs, com as quais se fabricaram mesas, estantes, assentos, guarda-roupas, sapateiros. Algumas atendentes gentis faziam vista grossa para as frutas comidas às escondidas, sem dúvida um gesto de solidariedade a ser registrado na crônica. Como na época não havia código de barras e sim etiquetas de preço, era fácil descolar e colar a etiquetinha, podendo-se levar uma vodka Viborova importado ao preço de uma Orloff nacional.
Era costume tomar chá de zabumba ou corneta, um lírio selvagem alucinógeno, em festinhas da moradia. Dá um efeito semelhante ao do LSD, dizem os sobreviventes. À meia-noite, serviram o chá de zabumba, enquanto tocavam rock and roll no primeiro andar. Há muitas controvérsias sobre essa noite, mas existe um consenso sobre o que ocorreu na manhã seguinte. Foram despertados com a notícia de que havia um estudante preso na delegacia do bairro e que deveriam ser levadas roupas para ele. Ao chegarem à delegacia, encontraram o estudante de Geografia enrolado em uma camiseta de malha, cedida por um policial. Ele tinha ido tomar o café da manhã no supermercado CB Merci, como de costume, mas se esquecera de um detalhe importante: vestir-se!
Enquanto o Borges da Costa foi fechado posteriormente e seu prédio histórico no bairro de Santa Efigência reintegrado ao Campus da Saúde, o MOFUCE subsiste até hoje e de forma autônoma. Ele é uma memória viva dos tempos heroicos, assim plasmados pelo poeta beat João Batista Martins, o mesmo que ajudou a preparar a ocupação da casa:
Pardais
políticos
parasitas
e tiras
na corda
bamba
da lira.


©
Abrão Brito Lacerda
01 03 18

  


Comentários

  1. Olá Abrão!
    Sou morador do MOFUCE atualmente. Queria muito entrar em contato contigo.
    Se puder, me envia um email: matheus.arqueologia@gmail.com
    Abraços!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostaria de deixar um comentário?

Postagens mais visitadas deste blog

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de

50 ANOS DE BUDISMO NO VALE DO AÇO, MG

Ipatinga e região viveu neste 22 de agosto de 2015 um dia histórico com a Convenção Cultural em comemoração aos  50 anos da implantação do Budismo de Nitiren Daishonin no Vale do Aço. O evento é tanto mais significativo porque se confunde com a própria história da cidade, pois foi através da siderúrgica Usiminas, criada em outubro de 1962, que os primeiros japoneses se instalaram no que à época era uma vila pertencente ao município vizinho de Coronel Fabriciano, vindos sobretudo dos estados de São Paulo e Paraná. Com os imigrantes vieram os hábitos e a cultura, com destaque para a culinária e artes como a ikebana, o origami e a caligrafia, além da filosofia grandiosa do Budismo. 
            Muitos tinham se convertido ainda no Japão, outros se converteram após chegarem ao Brasil, graças ao impulso propagador do pós-guerra promovido pela Soka Gakkai, no movimento chamado Kossen-rufu.


































KOSSEN-RUFU E DESENVOLVIMENTO DE VALORES HUMANOS

          Kossen-rufu significa ampla propag…

MAGA PATALÓGIKA E O ORGASMO ATÔMICO

Até que enfim explicaram a explosão da bomba de Hiroshima, um dos segredos mais bem guardados da humanidade, mais inviolável do que, digamos,  o cinto de castidade. Foi um grande avanço para a ciência experimental, nos limites da science fiction, da animação cinematográfica e da física nuclear.             A Maga em questão é mesmo a bruxa dos gibis de Walt Disney, obcecada pela moedinha número um do Tio Patinhas, mas que sempre leva chumbo do velho sovina. Só mesmo um gato agourento e dois corvos ligeiramente néscios, altamente malévolos, o Laércio e o Perácio, igualmente péssimos piadistas, para tolerar a megera. Ainda que a Maga não seja de todo má, é esbelta e ágil – sopa de morcego com pimenta malagueta? –, tem olhos verdes faiscantes e sabe cavalgar uma vassoura como ninguém. Agora descobriram o poder secreto daquele inebriante quaac! que ela solta toda vez que se dá mal.             Convidaram os professores Pardal e Ludovico para chefiar uma série de experiências destin…