Pular para o conteúdo principal

PEQUENO GLOSSÁRIO DA PRÉ-ADOLESCÊNCIA

(Imagem: youtube)

            Os púberes estão aí, achando que são gente. Como pintos saindo do poleiro doméstico para arriscar os primeiros passos independentes pelo quintal em torno, eles se expressam através de uma linguagem matizada que combina a imaginação da infância com a percepção lógica nascente para emitir proto-opiniões. Eles não querem mais apenas comer, dormir, brincar e fazer tarefas escolares, querem ter posicionamentos.  Hoje seu vocabulário é determinado fortemente pelos conteúdos online, pelos jogos favoritos e pelos youtubers que seguem, eventualmente algum blog. A partir daí eles buscam fazer a ponte com suas experiências de debutantes na interpretação do mundo.

BAGULHO: É qualquer coisa, troço ou trem.
APELÃO: Ser apelão é ser um pé no saco, chato, difícil de suportar. Quando o adversário é apelão, você tem que fazer de tudo para detoná-lo.
SKIN: Um recurso de alguns jogos online, baseado na customização da roupa do personagem (a skin). Tem skin de armamento, de proteção térmica (para encarar as duras temperaturas de alguns exo-planetas, que podem chegar a - 200 graus). Quando os pré-ados param de falar dessa infantilidade, é porque já cresceram e mudaram de fase.
SHING-LING: O mesmo que chinês. O termo é usado geralmente com a conotação de cópia barata, de qualidade duvidosa. Até no mundo dos games os shing-lings estão avançando de forma irresistível.
NIPON: Japa é coisa do passado. Japonês agora é nipon. Ao contrário dos shing-lings, os nipons têm reputação alta. Mas têm também a fama de bizarros, às vezes extravagantes e engraçados.
PAY TO WIN: Um jogo pra lá de capitalista, no qual você tem que investir dinheiro para ganhar força e poder para vencer. Grana de verdade, a dos pais, nada de moedinha virtual.
COUNTER STRIKE: Outro jogo. Mas, ao contrário do Pay to Win, ele põe em evidência a habilidade do jogador.
MANO: A gíria paulistana que invadiu as conversas dos que estão crescendo. Deve ser por causa da proeminência dos youtubers daquela cidade, cheia de nipons e shing-lings.
TACAR: O verbo de ação favorito dos meninos. Tacar fogo, porrada, gases exterminadores, tacar...
TOP TEN: Todas as faixas de games têm sua lista de top tens, que deveriam, como o nome sugere, ser os melhores, mais excitantes ou mesmo os mais caros. No entanto, elas estão longe de representar consenso, no geral cada youtuber organiza sua lista, democrática ou controversamente, esse é o ponto: não concorda, crie sua lista também.
EXPANDIR: Objetivo primordial dos jogos, quem não se multiplica, se trumbica. Como micróbios cerebrais, os bugs multiplicadores tomaram conta das novas gerações, algo que só tem comparação com o item a seguir, que é:
CONQUISTAR: A ambição é uma característica humana demasiadamente útil nesses tempos ultracapitalistas para ser relegada aos adultos e ao universo das grandes corporações. Os meninos também querem.
BUG: Se você ainda não sabe o que é bug, deve se habilitar para exílio em Marte, supondo que lá não haja ETs ainda mais avançados do que nós. Bug significa problema, defeito, sobretudo um bem enquizilado e difícil de resolver. Dele deriva o verbo a seguir:
BUGAR: Saiu do mundo dos videojogos para a prateleira do demente social médio. O Brasil, por exemplo, anda bugado. Antes dizíamos que eram carunchos, mas isso lembra os tempos da economia rural. Caruncho come feijão, bug come software e ambos comem o Brasil.
YOUTUBER: Oh, yeah! Este é o que você já sabe. Todo pré-ado e ado tem os seus top ten youtubers favoritos. Muitos começam no anonimato, com um equipamento caseiro, depois evoluem para telões 50”, vale mesmo é a habilidade de conquistar likes e se multiplicar e atrair anunciantes e patrocinadores.
FPS: Frames per second, frames por segundo, é a velocidade com que um game roda em seu processador e é correlato com o prazer de jogar. São eles que determinam aquele aspecto alucinante dos games, com cores e mais cores explodindo na tela.
NÃÃO!: Uma das palavras mais repetidas. Vamos fazer a tarefa? Nãão! Tá na hora de comer. Nãão! Tomar banho.  Nãão! Faça alguma coisa além de jogar, nãão!, até que a mãe (ou o pai) perca a paciência.
TRIPLE A: Jogos ocidentais de grande orçamento. Fascinam a garotada, mesmo que não passem de uns bagulhos.

©
Abrão Brito Lacerda
14 04 18


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CAI O QUEIXO

Neusa Santos 27 de dezembro às 05:58 ·  Bom dia , Matutina !


Para começar, uma nobre verdade: não conheço a Neusa. Pelo menos, não pessoalmente. Não se trata de uma ex-colega de faculdade, de alguém que virou celebridade de um minuto através de milhões de likes, eu a encontrei no perfil de um amigo e ela acabou se tornando também minha “amiga”. Fora isso, nunca a vi mais magra, a não ser nas selfies do Facebook. Mas como final de ano é uma época para mensagens altruísticas e não coisas do tipo “vejam minha ceia de Natal, gente como estou magra! Este é o meu bebê”, escolhi a Neusa como leitmotiv desta crônica, pois ela fala com o coração repleto de sinceridade.             A considerar por suas postagens, a rotina da Neusa começa bem cedo. Com os raios da manhã brilhando ao fundo da serra, eis sua selfie matinal: “Bom dia, Matutina!”. Sua cara de pera de vez e seus olhos vivos aparecem então na foto, muitas vezes com seus instrumentos de trabalho ao fundo, pois a Neusa é gari na cidadezinh…

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DA BANDA FILARMÔNICA

Sentado em uma poltrona marrom encardida, seu Alfa assiste a seu programa favorito na TV. Não se trata do “Show da tarde” nem do “Jornal das quatro”, mas sim do “shoptime”, cheio de novidades interessantes, como o multiprocessador Vavita, uma revolução no mundo dos alimentos. O multiprocessador Vavita é prático, fácil de usar e pode ser comprado em trinta vezes no cartão. Seu Alfa ergue as sombrancelhas ao ouvir a oferta anunciada pela garota-propaganda, ou melhor, senhora-propaganda.
Pelas paredes do quarto, diversas lembranças e fotos penduradas. Em uma delas, seu Alfa posa com a equipe de futebol do exército. “Eu era lateral esquerdo”, afirma com uma ponta de orgulho. Na clássica formação de metade de cócoras e a outra metade em pé, ele aparece aprumado e confiante, deve ter sido um bom lateral. Em outra foto, ele perfila com farda e capacete debaixo do braço. “Sou o do meio, na primeira fila”, aponta com um viés de nostalgia. - Era muito difícil a vida no exército? - Tinha que leva…