Pular para o conteúdo principal

LAMPIÃO E LAMPARINA




            Lampião foi o rei do cangaço e também um equipamento de iluminação muito comum no passado, assim como a lamparina, sua prima pobre, companhia imprescindível em todas as casas rurais do Brasil. Quando o lampião a gás chegou, foi um assombro: ele iluminava o equivalente a dez candeeiros ou vinte velas! e mantinha uma casa inteira longe das trevas, sem fantasmas, lobisomens e esqueletos atrás das portas, essas histórias que os adultos contavam para assombrar as crianças.
            O lampião tinha várias vantagens, sobretudo a de fazer desaparecer num passe de mágica a fumaça tóxica que emanava dos candeeiros. Para quem vivia naqueles tempos ermos, era uma evolução, embora algumas vozes se levantassem em defesa do antigo método. Gente que sentia saudades das latas de Querosene Jacaré – o melhor -, que eram galvanizadas e muito boas,  serviam para tudo após serem tratadas com fogo de palha.    
            Uma lata de 18 litros de querosene pesava aproximadamente 18 quilos e era preciso ir buscá-la na cidade, em lombo de burro. Passada essa fase de trambolho, era só utilidade. Seria o alimento das lamparinas, utensílios de flandres formados por um bojo cônico e um bico afunilado, por onde se passava o pavio.
         O lampião representava um meio bem mais sofisticado, fosse ele na forma de botijões ou de arandelas. Após séculos de escuridão, a roça ganharia finalmente luz! Fazia, portanto, todo sentido comparar os disparos da carabina do Compadre Virgulino aos lampejos do novo milagre tecnológico.
            Se o lampião esticou sua vida até os dias atuais, isso se deve às virtudes do gás, um combustível eficiente e pouco poluente. Quanto à lamparina, ela está morte et enterrée, morta e enterrada, para o bem de nossas narinas e pulmões. Se me dou ao trabalho de exumá-la agora, é em nome destas parcas memórias, envolvidas em odor de querosene e fumaça de pavio queimado.
         Não mais verás a luz bruxuleante! Que, além do mais, era portátil, quem carregava a lamparina tinha luz própria. A chama soprada pelo vento indicava que era preciso remontar o pavio.  Vultos avermelhados na noite profunda do campo, silhuetas desenhadas pela luz centrífuga do candeeiro, que só se apagaria se a lata de querosene Jacaré – o melhor - chegasse ao fim.

©
Abrão Brito Lacerda
23 03 18
           


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de

MAGA PATALÓGIKA E O ORGASMO ATÔMICO

Até que enfim explicaram a explosão da bomba de Hiroshima, um dos segredos mais bem guardados da humanidade, mais inviolável do que, digamos,  o cinto de castidade. Foi um grande avanço para a ciência experimental, nos limites da science fiction, da animação cinematográfica e da física nuclear.             A Maga em questão é mesmo a bruxa dos gibis de Walt Disney, obcecada pela moedinha número um do Tio Patinhas, mas que sempre leva chumbo do velho sovina. Só mesmo um gato agourento e dois corvos ligeiramente néscios, altamente malévolos, o Laércio e o Perácio, igualmente péssimos piadistas, para tolerar a megera. Ainda que a Maga não seja de todo má, é esbelta e ágil – sopa de morcego com pimenta malagueta? –, tem olhos verdes faiscantes e sabe cavalgar uma vassoura como ninguém. Agora descobriram o poder secreto daquele inebriante quaac! que ela solta toda vez que se dá mal.             Convidaram os professores Pardal e Ludovico para chefiar uma série de experiências destin…

PAULO LEMINSKI: POESIA DO ACASO

Falarei do acaso para falar de Paulo Leminski (1944 – 1989), um dos poetas modernos que mais admiro e que leio com mais prazer. Pretendo transmitir um pouco da fruição que sinto ao ler seus poemas, como, por exemplo, o prazer do inesperado:
eu ontem tive a impressão que deus quis falar comigo         não lhe dei ouvidos
quem sou eu para falar com deus? ele que cuide de seus assuntos eu cuido dos meus
Você achou o poeta petulante demais? Ora, ele está apenas fingindo uma humildade que não possui, pois, enquanto artista, deve buscar o absoluto, o não dito. Deve rivalizar-se com Deus (seus assuntos são tão importantes quanto os do Criador, ora bolas!). Acadêmicos e gente que adora esfolar o cérebro dirão que o acaso não existe, mesmo na arte, que tudo é obra de saber e técnica, etc., etc. Mas apreender o acaso é tudo que o artista busca. Mallarmé (vejam minha postagem de 17 de março de 2012 sobre o poema Salut), o mestre que faz os eruditos caírem de joelhos, já ensinou há um século e meio em u…