Pular para o conteúdo principal

GINA LOLLOBRIGIDA E O ORGASMO ONÍRICO



(Imagem: Brett Hammond)

         Os gatos, tão discretos e reservados, tornam-se indecentes na hora do sexo. Culpa do cio, que os iguala aos humanos apenas algumas vezes ao ano. Nos outros dias, é seca pura; então os felinos abusam quando podem. Uma mosca voando, o repicar de um sino a dois quilômetros de distância, a brisa do verão, aquele leve sussurro no ouvido, só a Gina para compreender a razão dessas coisas.
            Meia luz ou escuridão, passos na água ou no carpete, pé, pés, pele tocando pele, saliências, curvas, transparências - a respiração. Leve, levemente solta sobre o colchão, cabeça para trás e cabelos tocando o piso. Um breve murmúrio de satisfação e pudor, como se acabasse de vir ao mundo. Um orgasmo inaudível, melhor senti-lo, penetrando na Gina até desaparecer dentro do seu suspiro.
            E, lá dentro, reina a mais perfeita tranquilidade. Nada de células se debatendo, espermetazóides em frenética corrida, neurônios em frêmito, tudo é paz e preguiça. Seu córtex enrugado demora a despertar e só o faz quando acariciado nas costas em doces toques digitais ou beijado um pouco mais abaixo. Impossível ouvir sua inspiração, então melhor cheirá-la, inalando fundo o mel destilado por suas glândulas. Pode preparar o café hoje? Claro, querida, como ontem e anteontem. Impossível saber se vai tomá-lo deitada com a cabeça apoiada no travesseiro ou na banheira enquanto a água derrama por suas costas com a concha das mãos. A espuma está rala. Ok, querida, mais um pouco de Nativa Spa. Não vou sair da banheira. Sim, querida, pode deixar que eu te carrego.
            Movimentos bruscos na noite assombrada? Ruídos de capitéis deslizando sobre pedestais? Ondas se quebrando, estertores de sondas, ritmo sincopado, jatos de gêisers, carro na lama, respiração sôfrega, explosão? A Gina está alheia a tudo isso, jamais perde a tenure. Quando decide se levantar, vai até a janela cerrar um pouquinho mais o voile da cortina, ajeita a fitinha de amarração, descobre que a gata está de olho no gato que lhe faz meneios da água furtada, entre o espigão e o beiral. A allure vaporosa da Gina reflete-se nos olhos da gata, ela dá o comando, a felina vai ajeitar-se sobre o edredon e boceja, mostrando línguas e dentes, com a cara mais cansada desse mundo, como se o prazer a tivesse levado ao desfalecimento. Gina a acompanha, e a tarde lenta adormece sob o sol estival.

©
Abrão Brito Lacerda
23 02 18

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de

MAGA PATALÓGIKA E O ORGASMO ATÔMICO

Até que enfim explicaram a explosão da bomba de Hiroshima, um dos segredos mais bem guardados da humanidade, mais inviolável do que, digamos,  o cinto de castidade. Foi um grande avanço para a ciência experimental, nos limites da science fiction, da animação cinematográfica e da física nuclear.             A Maga em questão é mesmo a bruxa dos gibis de Walt Disney, obcecada pela moedinha número um do Tio Patinhas, mas que sempre leva chumbo do velho sovina. Só mesmo um gato agourento e dois corvos ligeiramente néscios, altamente malévolos, o Laércio e o Perácio, igualmente péssimos piadistas, para tolerar a megera. Ainda que a Maga não seja de todo má, é esbelta e ágil – sopa de morcego com pimenta malagueta? –, tem olhos verdes faiscantes e sabe cavalgar uma vassoura como ninguém. Agora descobriram o poder secreto daquele inebriante quaac! que ela solta toda vez que se dá mal.             Convidaram os professores Pardal e Ludovico para chefiar uma série de experiências destin…

PAULO LEMINSKI: POESIA DO ACASO

Falarei do acaso para falar de Paulo Leminski (1944 – 1989), um dos poetas modernos que mais admiro e que leio com mais prazer. Pretendo transmitir um pouco da fruição que sinto ao ler seus poemas, como, por exemplo, o prazer do inesperado:
eu ontem tive a impressão que deus quis falar comigo         não lhe dei ouvidos
quem sou eu para falar com deus? ele que cuide de seus assuntos eu cuido dos meus
Você achou o poeta petulante demais? Ora, ele está apenas fingindo uma humildade que não possui, pois, enquanto artista, deve buscar o absoluto, o não dito. Deve rivalizar-se com Deus (seus assuntos são tão importantes quanto os do Criador, ora bolas!). Acadêmicos e gente que adora esfolar o cérebro dirão que o acaso não existe, mesmo na arte, que tudo é obra de saber e técnica, etc., etc. Mas apreender o acaso é tudo que o artista busca. Mallarmé (vejam minha postagem de 17 de março de 2012 sobre o poema Salut), o mestre que faz os eruditos caírem de joelhos, já ensinou há um século e meio em u…