Pular para o conteúdo principal

1959



(Foto: wordpress.com)

            Entre os números cabalísticos não consta o 59. Seria ele um número qualquer, como 1016 e 21, desses que se habilitam a saltar de bungee jump, andar de monociclo na corda bamba e outras aventuras radicais só para sair do ostracismo? Muitas evidências indicam que não, 59 é um coroa robusto e com muitas histórias para contar. Por exemplo: meu pai tinha fixação pelo ano de 1959. Tudo de grave e impressionante para ele tinha acontecido nesse ano. Falava da grande enchente de 59, do fim da guerra (não sei a que guerra ele se referia), da copa de 59 (meu pai era torcedor do Bahia, e, para ele, a conquista da Taça Brasil daquele ano correspondia a uma copa do mundo). Mais tarde eu tentei corrigi-lo, afirmando que a copa tinha sido no ano anterior. Foi como tentar convencer um camelo a passar pelo buraco de uma agulha.
            A calça comprida e a bermuda já tinham se tornado itens comuns no guarda-roupa feminino e atraíam olhares nas capas das revistas e nas ruas. O pintor Cândido Portinari produziu alguns dos seus quadros mais conhecidos como "Menino com Arapuca" e "Meninos e Piões", o primeiro LP de João Gilberto, Chega de Saudade, foi lançado no mês de março e consolidou o novo gênero musical que revolucionaria a música brasileira.
            E há muito mais a considerar se levantamos a mirada do Brasil, então um imenso domínio rural que iniciava sua aventura sertão a dentro através da abertura das grandes rodovias e da construção da nova capital. E aí descobriremos que meu pai não estava delirando e que alguma coisa em sua sensibilidade dizia que esse ano de fato mudaria o curso da história. Um dos seus aliados é o jornalista Fred Kaplan, autor de um livro intitulado “1959: o ano em tudo que mudou”. Para o americano, o último ano dos cinquenta correspondeu a um momento em que a sensação de que as coisas estavam mudando e de que era preciso abraçar o novo se tornou evidente na sociedade.
            Como em matéria tão séria não valem argumentos sentimentais, Kaplan recheia seu livro com dados factuais, citando entre outras coisas o microchip e a pílula anticoncepcional, cujas pesquisas começaram justamente nesse ano. Quem discutiria que o anticoncepcional permitiu às mulheres se libertarem da prisão da fecundação que comprometia seus planos profissionais? Quanto aos microchips, não são eles o sangue das novas tecnologias que correm pelas veias do mundo e investem decididamente rumo ao cérebro, onde se dará a luta final entre homens e máquinas? 

          Kaplan cita também momentos transformadores da cultura e das artes americanas para justificar sua escolha pelo ano de 1959: a abertura do museu Guggenheim em Nova Iorque, o jazz inovador de Miles Davis, a liberação do filme O Amante de Lady Chaterlly, o primeiro com conteúdo explicitamente sexual, decretando a vitória sobre a velha ordem conservadora.  Para preencher duas lacunas em seu livro, menciono ainda a Revolução Cubana, cujo triunfo se deu em julho 1959, e a fuga do Dalai Lama para a Índia, após a ocupação do Tibete pela China. Definitivamente, a teoria de Kaplan faz sentido.
            Alguns argumentariam que o progresso é um processo incessante, que qualquer época é uma passagem entre um antes e um depois, que a escolha de um determinado evento é pessoal e arbitrária e que atribuir a um ano os méritos de revoluções que só se concretizaram posteriormente (no caso do microchip e da pílula) é uma simplificação metodológica. Ainda assim, resta um argumento inabalável, capaz de comprovar a alta estirpe do ano de 1959 no curso da história moderna de forma inquestionável: esse foi o ano em que eu nasci!

©
 Abrão Brito Lacerda
09 02 18
            
           

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CAI O QUEIXO

Neusa Santos 27 de dezembro às 05:58 ·  Bom dia , Matutina !


Para começar, uma nobre verdade: não conheço a Neusa. Pelo menos, não pessoalmente. Não se trata de uma ex-colega de faculdade, de alguém que virou celebridade de um minuto através de milhões de likes, eu a encontrei no perfil de um amigo e ela acabou se tornando também minha “amiga”. Fora isso, nunca a vi mais magra, a não ser nas selfies do Facebook. Mas como final de ano é uma época para mensagens altruísticas e não coisas do tipo “vejam minha ceia de Natal, gente como estou magra! Este é o meu bebê”, escolhi a Neusa como leitmotiv desta crônica, pois ela fala com o coração repleto de sinceridade.             A considerar por suas postagens, a rotina da Neusa começa bem cedo. Com os raios da manhã brilhando ao fundo da serra, eis sua selfie matinal: “Bom dia, Matutina!”. Sua cara de pera de vez e seus olhos vivos aparecem então na foto, muitas vezes com seus instrumentos de trabalho ao fundo, pois a Neusa é gari na cidadezinh…

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DA BANDA FILARMÔNICA

Sentado em uma poltrona marrom encardida, seu Alfa assiste a seu programa favorito na TV. Não se trata do “Show da tarde” nem do “Jornal das quatro”, mas sim do “shoptime”, cheio de novidades interessantes, como o multiprocessador Vavita, uma revolução no mundo dos alimentos. O multiprocessador Vavita é prático, fácil de usar e pode ser comprado em trinta vezes no cartão. Seu Alfa ergue as sombrancelhas ao ouvir a oferta anunciada pela garota-propaganda, ou melhor, senhora-propaganda.
Pelas paredes do quarto, diversas lembranças e fotos penduradas. Em uma delas, seu Alfa posa com a equipe de futebol do exército. “Eu era lateral esquerdo”, afirma com uma ponta de orgulho. Na clássica formação de metade de cócoras e a outra metade em pé, ele aparece aprumado e confiante, deve ter sido um bom lateral. Em outra foto, ele perfila com farda e capacete debaixo do braço. “Sou o do meio, na primeira fila”, aponta com um viés de nostalgia. - Era muito difícil a vida no exército? - Tinha que leva…

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de