Pular para o conteúdo principal

PEQUENO GLOSSÁRIO DE PALAVRAS DEFUNTAS OU ESQUECIDAS

 
(Imagem da Web)
                         
            As palavras têm cor, peso e sabor. Têm também suas histórias. Mas, em um universo de milhares de palavrinhas ou palavrões, das preposições aos substantivos, passando pelos advérbios e os verbos pretéritos, não nos damos conta da vida que pulsa por trás de cada uma. Elas surgem e desaparecem, alimentam os livros e as ilusões e dão estofo aos dicionários. Ainda que tivéssemos uma memória organizada como uma planilha excel, un hard disk ou um app, um glossário de impressões afetivas, não bastaria. É preciso ainda inventar e reinventar, como o substantivo “idioteza” que invento agora para designar a mistura de idiotice com esperteza. 
            Que as palavras vivam como testemunhos de uma época, respirem o ar da atualidade e não se transformem em ruínas ou alimento para traças em alguma biblioteca. Assim, antes de lançar a última pá de cal e liberar espaço no driver, apresento este pequeno glossário de palavras ou acepções que antes se limitavam ao espaço da memória.  

GALINHOTA: ou carrinho de mão. Na fazenda onde me criei, tinha uma galinhota de metal com uma marca estampada na caçamba que muito intrigava a nós, meninos. Lia-se: “Formiga Minas”. Qual era a relação entre formiga e galinhota? Para nós, o nome deveria ser galinha, pois o carrinho se parecia com uma, tinha dois pés e tinha nome parecideo.  Só depois de muito tempo fomos entender que Formiga era uma cidade de Minas.

ALMOFARIZ: Fiz questão de procurar no pai dos burros, ou seja, no Google.  “É um utensílio que serve para moer pequenas quantidades de produtos, por vezes misturando vários ingredientes, também chamado pilão ou moedor.” Ou seja, o nosso socador de alho. Miha mãe perguntava: onde está o almofariz? A palavra não teria sido guardada se não fosse pelo som. E pensar que foi trocada por uma perífrase!

MÁQUINA DE ESCREVER: objeto pré-cambriano que permitia a seu usuário – um datilógrafo – produzir textos, tabelas, etc – através de um teclado. Deu origem ao verbo datilografar. Hoje pode ser encontrada em museus e em algum brechó do edifício Maleta em Belo Horizonte.

DATILOGRAFAR: do gredo “dáktylos”, “dedo” + “graphein”, “escrever”, é o ato de escrever à máquina. Era, porque as maquinas foram substituídas pelos computadores e o verbo passou a ser “digitar”. Curiosamente, digitar vem de “digitus”, que é dedo em latim. Enquanto outras línguas, como o inglês (type), francês (frapper) e espanhol (teclear) mantiveram o mesmo verbo, nós nos “modernizamos. É o nosso desapego às tradições, somado ao afã de transformar tudo em ruínas o mais rapidamente possível.

TEXTO: uma palavra rara desta seleção. Um texto era uma tampa de panela, geralmente fina, como as de alumínio ou esmalte, comuns antigamente. 

PIREX: um pires. O nome vem da marca de utensílios de vidro ultra-resistentes, que incluía pratos, xícaras, bandejas, formas e tigelas.   Pires tinha que ser pirex e pronto.

PUBA: é a massa da mandioca fermentada, utilizada na confecção de bolos, biscoitos e beijus. É feita com mandioca descascada e posta em um cocho de madeira com água para “pubar”. Enquanto a goma pode ser seca e guardada durante muito tempo, a puba deve ser usada ainda fresca, no que resultada o melhor bolo de “aipim” que existe.

TANGER: por para correr um animal, expulsá-lo. Tanger as galinhas quando estão dentro de casa, tanger os porcos do quintal. Significa também fustigar o animal ou golpeá-lo: tanger os jegues para que andem mais rápido.

RODA, RELHO, BOLINETE: três partes que compõem o conjunto da roda de ralar mandioca para fazer farinha. A roda possui uma ranhura por onde passa o relho, feito de couro, que transmite o movimento ao bolinete, uma casinha onde a mandioca é ralada. É operada por dois homens, cada um de um lado, fazendo girar uma manivela.

PSÁ-PSÁ: um dia os meninos passam a se interessar por aquilo e começam a aprender um monte de nomes associados, verbos, adjetivos e interjeições. Psá-psá era uma forma codificada de falar de sexo sem se deixar notar. Geralmente, fazia-se acompanhar de um risinho irônico.

LANCE: “dar um lance” é uma expressão que nasceu com a minissaia. Quando a garota se inclinava um pouco demais, sentava-se sem a devida precaução, subia uma escada ou simplesmente levantava os braços, podia "dar um lance". Nessas ocasiões, a galera exclamava: "Brahma na jogada!"

BRAHMA NA JOGADA!: teve como origem um conhecido narrador de futebol dos anos 70. Para apresentar um convidado, comentar um lance ou anunciar os comerciais, ele repetia o bordão: “Brahma na jogada!”. Caída no gosto popular, a frase passou a designar qualquer coisa interessante que estivesse acontecendo, por exemplo, um "lance".

CAÇUÁ: esta existe nos dicionários. Trata-se de um cesto grande, comprido e com alças resistentes, geralmente feito de cipó, que é amarrado de cada lado de uma cangalha e serve para transportar gêneros. Com cara de caçuá é como você fica depois de dar uma grande mancada.

BUTE: a coisa mais amarga que existe, uma raiz que trata todos os males em uma só dose, pois quem experimenta não tem vontade de repetir.

AZEITE DOCE: o mesmo que azeite de oliva. Antigamente, era também usado como remédio caseiro, na composição de unguentos e garrafadas.

SEBO DE CARNEIRO: usado para untar os laços de couro e dar-lhes maior maciez e resistência. Os melhores paus de sebo também levavam sebo de carneiro. Ele é mais grudento que o Justin Bieber e não se solta nem com reza braba.

RURAL: Um carro utilitário antigo, fabricado pela Willys. Nas estradas de terra, com buracos e atoleiros à foison, só passavam mesmo jeep e rural. Ou carro de boi, que era o socorro da época. Quando a rural ou o jipe atolavam, chamavam o carro de boi para puxar.

JUMBAR: um verbo que nasceu de um insuspeito substantivo concreto e arquitetônico. Nos fundos da Moradia Borges da Costa em Belo Horizonte, havia o supermercado Jumbo, o maior da cidade, fonte dos desejos de todos os estudantes. Na falta de dinheiro, o jeito era "jumbar" alguns produtos, trocando as etiquetas. Alguns jumbavam até mesmo sem etiquetas. Acho que foi por isso que inventaram o código de barras.

DUNGAR, DUNGUISMO: Depois das decepções de 1982, o futebol brasileiro retrocedeu para o estágio das retrancas tipo europeias e um jogador se tornou símbolo daquela estratégia pobre e seus resultados medíocres. O dunguismo caracterizou Brasil da transição para o governo civil, com seus correlatos, o peleguismo e a caretice.

FOCAR: declaro desde já a defuntez do verbo focar, que copiamos descaradamente do inglês e que hoje serve para designar quase tudo em português. Focar o texto, focar a atenção, focar no foco, ser focado e fazer coisas focadas, como esmagar sorvete na testa. Não demora a sair de foco, ser trocado por outro neologismo.
©
Abrão Brito Lacerda
19 04 17

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CAI O QUEIXO

Neusa Santos 27 de dezembro às 05:58 ·  Bom dia , Matutina !


Para começar, uma nobre verdade: não conheço a Neusa. Pelo menos, não pessoalmente. Não se trata de uma ex-colega de faculdade, de alguém que virou celebridade de um minuto através de milhões de likes, eu a encontrei no perfil de um amigo e ela acabou se tornando também minha “amiga”. Fora isso, nunca a vi mais magra, a não ser nas selfies do Facebook. Mas como final de ano é uma época para mensagens altruísticas e não coisas do tipo “vejam minha ceia de Natal, gente como estou magra! Este é o meu bebê”, escolhi a Neusa como leitmotiv desta crônica, pois ela fala com o coração repleto de sinceridade.             A considerar por suas postagens, a rotina da Neusa começa bem cedo. Com os raios da manhã brilhando ao fundo da serra, eis sua selfie matinal: “Bom dia, Matutina!”. Sua cara de pera de vez e seus olhos vivos aparecem então na foto, muitas vezes com seus instrumentos de trabalho ao fundo, pois a Neusa é gari na cidadezinh…

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DA BANDA FILARMÔNICA

Sentado em uma poltrona marrom encardida, seu Alfa assiste a seu programa favorito na TV. Não se trata do “Show da tarde” nem do “Jornal das quatro”, mas sim do “shoptime”, cheio de novidades interessantes, como o multiprocessador Vavita, uma revolução no mundo dos alimentos. O multiprocessador Vavita é prático, fácil de usar e pode ser comprado em trinta vezes no cartão. Seu Alfa ergue as sombrancelhas ao ouvir a oferta anunciada pela garota-propaganda, ou melhor, senhora-propaganda.
Pelas paredes do quarto, diversas lembranças e fotos penduradas. Em uma delas, seu Alfa posa com a equipe de futebol do exército. “Eu era lateral esquerdo”, afirma com uma ponta de orgulho. Na clássica formação de metade de cócoras e a outra metade em pé, ele aparece aprumado e confiante, deve ter sido um bom lateral. Em outra foto, ele perfila com farda e capacete debaixo do braço. “Sou o do meio, na primeira fila”, aponta com um viés de nostalgia. - Era muito difícil a vida no exército? - Tinha que leva…