sábado, 1 de abril de 2017

CRETINOS!


            There’s no stopping the cretins from hopping, não há mesmo, nem que o vinil fure de tanto tocar aquele rock dos Ramones. Esses debilóides vão pular a noite inteira, a OPEP e o petróleo, a guerra do Vietnam e a ditadura, a caça às bruxas, os proletários e os intelectuais se radicalizando, os jornais falando de pós Napalm e AI-5, explosões e fugas - e você só ficará sabendo dias ou semanas depois. Então, fais gaffe, os cretinos estão espreitando por toda parte pra te dedurar!
            O que pode um pobre rapaz fazer? Aprender a viver com pouquíssimo, um par de jeans, t-shirt, tênis, mais uma jaqueta de couro pra quem mora no frio de Nova Iorque. O mundo é gris e melancólico, meio hippie, meio anti qualquer coisa, buzu, metrô e longas, longuíssimas jornadas a pé, se cruzar com milicos no caminho, não os encare pra não levar cana. Take a walk in the wild side. Se em Nova Iorque, vá ao Country, Bluegrass and Blues club, lá as coisas estão rolando, sementes de punk e new wave, dois rótulos que renderão fortunas e mortes trágicas nos anos seguintes.
            E foi assim que uma geração inteira atingiu o ponto “G” entre os anos 70 e 80, a década mágica(?), mistura de 7 e 8, noves fora nada, com um pé nos 50 e outro nos 60.
            Os punks eram os novos mods, mas não eram engomadinhos como seus primos dândis, eram dirty boys & girls. Eram “duros” também e viviam de boca livre, aquela rebeldia não passava de faire semblant, faz de contas. O deboche trash nasceu com um anti-desfile de moda e os rejeitados outisiders não passavam de manequins mal pagos. Mas as garotas de botas de caserna, meias quadriculadas e hot pants cravejadas de metais + piercings & tatuagens pareciam saídas de um  sonho erótico. E a música insinuante e rapidíssima fornecia a trilha sonora perfeita para os cretinos sem causa. Não dava mesmo pra parar de pular...
             Se você é um dinossauro e sente falta daqueles tempos, saiba que estão mortos e enterrados.Hoje em dia só há lugar para os cretinos cretinos, os que dão com os burros n’água por atavismo ou entropia cultural:  propensão ao erro e à corrupção, manifestação de algum gen recessivo que se despertou, cresceu e se multiplicou, jogando todos na vala comum da estupidez. Seja cara ou caricatura, burrice ou contra-burrice, fala ou desmentido, a pós-verdade inaugurou a era do populismo cretino, que não conhece direita ou esquerda e promove falsas revoluções por minuto.
            Agora o petróleo é nosso, a Amazônia também, assim como o Pantanal, os mangues, os lixões, as favelas, os mortos por bala perdida, os não-obstante vivos, os vivaldinos e os rios contaminados por minério. Hoje à noite, como todas as noites, vai passar ao vivo na tv a vergonha nacional, corra antes que o renhido embate entre a direita e a esquerda te lance algumas tortas de idiotice na cara. Em outros lugares, Beirute e Mossul, passam-se coisas bem piores, basta abrir caminho em meio à multidão de cretinos com sua armadura de aço, plástico e silício.
            Nada mais se perde, tudo se transforma. Rufam os tambores,  farfalham as trombetas, movem-se os dedos: do nada surgem profetas da alma alheia, livro à mão (para disfarçar uma possível estupidez), lábios debochados de cuja comissura escapam os dez pecados capitais de nossa época: não furtarás à vista do dono, não fornicarás com nenhuma mulher contra a vontade dela, não abandonarás pai e mãe sem antes avisar o SUS, não levantarás de mal humor na segunda-feira, não te dobrarás diante do delegado ou juiz, guardarás jejum de ácido e anfetaminas, não comerás carne, presunto ou salsicha da Sadia, Perdigão e Seara, respeitarás a pausa etílica ou equivalente cinco vezes por semana, darás ao pobre em dólar e euro, não confiarás em nenhuma história sem antes ler os “fatos alternativos”.
            Definitivamente, ser cretino não tem mais graça nenhuma.
©
Abrão Brito Lacerda

25 03 17

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostaria de deixar um comentário?