Pular para o conteúdo principal

DOIS AMIGOS

       
(Imagem: www.peterexpress.or)
       Cândido Pierrot atravessou o deserto em lombo de camelo no intuito de reencontrar o grande amigo de infância, que tinha resolvido trocar o sertão pela Arábia. A marcha dura do dromedário, o sol implacável, a desconfiança dos beduínos, nada o desencorajou. Após dias de viagem, chegou a um oásis onde brotava água fresca e as tâmaras frutificavam em abundância. Mas os guardas da tribo, ao vê-lo sem túnica e turbante, tomaram-no por um espião, prenderam-no e levaram-no ao chefe.
         - Que fazes aqui, galego? Espionando nossas fêmeas? – indagou o xeique, batendo com o cajado de osso de camelo no chão.
            Pierrot ergueu os olhos discretamente. O xeique estava sentado em um trono de madeira coberto com pelo de camelo. “Tofu”, pensou. “Se não encontrar um álibi convincente, serei servido no repasto da noite. Ou talvez me amarrem no rabo de um camelo bêbado e o soltem pelo deserto. Se tiver escolha, vou preferir ser servido no jantar – com bastante pimenta. De qualquer modo, vou manter os olhos baixos, para que ele não me tome por um insolente.”
            - O que buscas nas terras de Alá, forasteiro de pele pálida? – repetiu a pergunta o xeique, batendo mais forte com o cajado.
            Pierrot continuou mudo – como responder, se nada entendia do idioma badawi?
            - Cortem a língua desse infiel! – ordenou o xeique.
            Pierrot sentiu o sangue gelar em suas veias. Seu único recurso foi gritar:
            - Se avexem, barbudos, me soltem!
            O xeique ficou paralisado. Mirou o estrangeiro por algum tempo, fez um gesto para que os guardas o soltassem, ergueu-se e caminhou até ele, falando discretamente:
            - Ó xente! Você fala português?
            Pierrot sussurrou, quase um suspiro:
            - S-sim, acabei de chegar na caravana da “hora do calango tostado” (por volta das 15h00). S-sou de Sobral, no Ceará.
            - Arriégua! E como veio parar aqui?
            - Estou procurando um amigo que se mudou para cá há muitos anos.
            - Ele também é de Sobral?
            - Com certeza. É por isso que estou aqui. Tenho uma carta para ele.
            - Carta? Aqui no deserto só usamos Whatsapp e wi-fi.
            - Foi a namorada dele quem escreveu antes de ele se mudar para cá, mas não teve tempo de entregar.
            O xeique ergueu o cajado e deu nova ordem:
            - Tragam água para este homem! Deem-lhe banho, sopa de leite de camela com lentilhas e roupas limpas! Levem-no depois para uma tenda onde descansar!

            Ao cair da noite, estando Pierrot bem instalado numa tenda de couro de camelo, o xeique apareceu, acompanhado de uma mulher e duas crianças. Pierrot inclinou-se em respeito.
            - Você está bem melhor – disse o xeique, demonstrando bom humor. – Quando chegou, estava fedendo feito um bode do Cariri.
            - Obrigado por me salvar, isto é, por não me deixarem cortar a língua. Você fala português com sotaque nordestino...
            - É que também sou de Sobral no Ceará. Cheguei aqui há vinte anos e comecei a negociar com camelos, me dei muito bem, me casei com uma berbere e agora sou o chefe do Oásis de Jamil Arratab (Camelo Molhado, em árabe). Meu nome é Gervásio Comodoro.
            - Então você é...
            - O amigo que você veio procurar!
            Ainda não sabiam como se portar um com o outro, se formalmente ou à moda antiga.
            - Onde está a carta?
            - Aqui!
           O xeique abriu a carta, ainda perfeitamente selada, leu-a em silêncio: “Gervásio, agora que você está prestes a partir, tenho que lhe confessar que amo o seu melhor amigo, Cândido Pierrot. Peço perdão por tê-lo traído.”
            - E a Marcela?
            - Ela agora é minha esposa.
        Nesse momento, a mulher e as crianças, que tinham ficado do lado de fora, entraram na tenda.
            Os dois amigos se levantaram e trocaram um longo abraço.
©
Abrão Brito Lacerda

26 10 16

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CAI O QUEIXO

Neusa Santos 27 de dezembro às 05:58 ·  Bom dia , Matutina !


Para começar, uma nobre verdade: não conheço a Neusa. Pelo menos, não pessoalmente. Não se trata de uma ex-colega de faculdade, de alguém que virou celebridade de um minuto através de milhões de likes, eu a encontrei no perfil de um amigo e ela acabou se tornando também minha “amiga”. Fora isso, nunca a vi mais magra, a não ser nas selfies do Facebook. Mas como final de ano é uma época para mensagens altruísticas e não coisas do tipo “vejam minha ceia de Natal, gente como estou magra! Este é o meu bebê”, escolhi a Neusa como leitmotiv desta crônica, pois ela fala com o coração repleto de sinceridade.             A considerar por suas postagens, a rotina da Neusa começa bem cedo. Com os raios da manhã brilhando ao fundo da serra, eis sua selfie matinal: “Bom dia, Matutina!”. Sua cara de pera de vez e seus olhos vivos aparecem então na foto, muitas vezes com seus instrumentos de trabalho ao fundo, pois a Neusa é gari na cidadezinh…

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DA BANDA FILARMÔNICA

Sentado em uma poltrona marrom encardida, seu Alfa assiste a seu programa favorito na TV. Não se trata do “Show da tarde” nem do “Jornal das quatro”, mas sim do “shoptime”, cheio de novidades interessantes, como o multiprocessador Vavita, uma revolução no mundo dos alimentos. O multiprocessador Vavita é prático, fácil de usar e pode ser comprado em trinta vezes no cartão. Seu Alfa ergue as sombrancelhas ao ouvir a oferta anunciada pela garota-propaganda, ou melhor, senhora-propaganda.
            Pelas paredes do quarto, diversas lembranças e fotos penduradas. Em uma delas, seu Alfa posa com a equipe de futebol do exército. “Eu era lateral esquerdo”, afirma com uma ponta de orgulho. Na clássica formação de metade de cócoras e a outra metade em pé, ele aparece aprumado e confiante, deve ter sido um bom lateral. Em outra foto, ele perfila com farda e capacete debaixo do braço. “Sou o do meio, na primeira fila”, aponta com um viés de nostalgia. - Era muito difícil a vida no exército? - Ti…

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de