Pular para o conteúdo principal

ABAIXO A DEPRESSÃO!



         O Circo Brasil continua em turnê, com palhaços e engolidores de propina, mas a plateia não sai do tédio, o Ibope acaba de informar que, no quesito aceitação, o presidente Mordomo de Frankstein empata com sua antecessora, a Mulher Sapiens.  Nem a comédia pastelão Seis por Meia Dúzia - na qual os aliados de ontem trocam insultos e tortas na cara - empolga as multidões. Foi decretada a depressão oficial!
         Sem a criação da bolsa classe média, os avanços sociais estarão comprometidos e metade dos brasileiros não conseguirão mais pagar a aposentadoria da outra metade. Para os detentores de outras bolsas, poderia ser criada a bolsa trabalho. É a bolsa ou a vida!
         Em meio às críticas ao baixo astral federal, o palácio do Jaburu convocou o grande chefe Atabaque em caráter de urgência. Para quem não lê o Amazonas News, informo que o cacique Atabaque é o mago das fórmulas milagrosas e de baixo custo e, ainda por cima, 100% nacionais, não precisa pagar royalties.
         A conversa se deu através de um intérprete da língua Mamirauá:
         - Chefe Atabaque, disse o presidente-mordomo, temos um déficit maior que o orçamento do senado, mas não é culpa minha, eu não sei de nada, o Lula é quem sabe.
         Grande chefe acendeu o cachimbo da sabedoria:
         - Consultei o espri de Macunaimá. É preciso decretá o Braxit, a separação de Brasília da República Federativa do Brasi.
         - E como vamos fazer para abrigar os refugiados do executivo, legislativo e judiciário?
         Grande chefe soltou uma baforada:
         - O Brasi pode aderi ao Reino Uni na grande aventura “Perdidos no Atlântico”.
         - Isso vai gerar uma guerra civil, chefe Atabaque, o sangue dos mártires vai cobrir as páginas do Facebook.
         - Chegou a hora de fritá sarapaté! A cobra vai fumá!...
         Um assessor cochichou ao ouvido do presidente-primo-do-drácula, ele tossiu e olhou firme para baixo, procurando demonstrar confiança:
         - Metade da elite fugiu pra Miami após a vitória do Lula, a outra metade embarcou para comemorar a queda da Dilma. Quando toda essa gente tiver obtido o Green Card, vai pedir visto de entrada para seus parentes e derentes, além, é claro, de seus jardineiros, entregadores de pizza e suas passadeiras, babás e empregadas domésticas; em pouco tempo, teremos um estado de São Paulo de riqueza e prosperidade florescendo em terras americanas...
         Grande chefe apagou o cachimbo no cinzeiro presidencial.
         - Cacique Atabaque, ninguém leva! Nós sê da tribo Mamirauá. Nós tem wi-fi, tapioca e whiski contrabandeado. Nós  não tem casamento civi nem religioso, nós não tem divórci. Vamo declará independência do Brasi, fritá sarapaté, botá a cobra pra fumá!
         Tupy or not tupy? Não temos medo do sósia do Zé do Caixão, cacique Ataque é nosso rei!
        
©
Abrão Brito Lacerda
04 10 16



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CAI O QUEIXO

Neusa Santos 27 de dezembro às 05:58 ·  Bom dia , Matutina !


Para começar, uma nobre verdade: não conheço a Neusa. Pelo menos, não pessoalmente. Não se trata de uma ex-colega de faculdade, de alguém que virou celebridade de um minuto através de milhões de likes, eu a encontrei no perfil de um amigo e ela acabou se tornando também minha “amiga”. Fora isso, nunca a vi mais magra, a não ser nas selfies do Facebook. Mas como final de ano é uma época para mensagens altruísticas e não coisas do tipo “vejam minha ceia de Natal, gente como estou magra! Este é o meu bebê”, escolhi a Neusa como leitmotiv desta crônica, pois ela fala com o coração repleto de sinceridade.             A considerar por suas postagens, a rotina da Neusa começa bem cedo. Com os raios da manhã brilhando ao fundo da serra, eis sua selfie matinal: “Bom dia, Matutina!”. Sua cara de pera de vez e seus olhos vivos aparecem então na foto, muitas vezes com seus instrumentos de trabalho ao fundo, pois a Neusa é gari na cidadezinh…

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DA BANDA FILARMÔNICA

Sentado em uma poltrona marrom encardida, seu Alfa assiste a seu programa favorito na TV. Não se trata do “Show da tarde” nem do “Jornal das quatro”, mas sim do “shoptime”, cheio de novidades interessantes, como o multiprocessador Vavita, uma revolução no mundo dos alimentos. O multiprocessador Vavita é prático, fácil de usar e pode ser comprado em trinta vezes no cartão. Seu Alfa ergue as sombrancelhas ao ouvir a oferta anunciada pela garota-propaganda, ou melhor, senhora-propaganda.
Pelas paredes do quarto, diversas lembranças e fotos penduradas. Em uma delas, seu Alfa posa com a equipe de futebol do exército. “Eu era lateral esquerdo”, afirma com uma ponta de orgulho. Na clássica formação de metade de cócoras e a outra metade em pé, ele aparece aprumado e confiante, deve ter sido um bom lateral. Em outra foto, ele perfila com farda e capacete debaixo do braço. “Sou o do meio, na primeira fila”, aponta com um viés de nostalgia. - Era muito difícil a vida no exército? - Tinha que leva…

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de