Pular para o conteúdo principal

O BUDISMO E A RELIGIÃO DO SÉCULO XXI


(Imagem: bonnesimages.com)


            O cientista social francês Paul Jorion lançou recentemente um livro (Le dernier qui s’en va éteint la lumière, “O último a sair apague a luz”, Fayard, 2016) em que fala do iminente desaparecimento da espécie humana diante da monetarização da vida e da conversão de tudo em  unidade contábeis. Como nesse campo as máquinas já se tornaram muito mais performáticas do que as pessoas, o lugar do ser humano no mundo está seriamente ameaçado, ele adverte. Para redimir essa crise existencial da espécie, ele propõe uma solução espiritual, através de uma religião “ateia”.
            Que um cientista recorra à religião para resolver um problema gerado pelo “progresso” é bastante curioso, mas não deixa de representar uma reação sintomática que identificamos em muitos pensadores de nossa época. Há quem afirme que o século XXI será o século da espiritualidade, em reação ao materialismo do século XX. O grande problema é que, diante do desafio fundamental do Quo Vadis (destino), o homem pós-moderno reage ainda como o homem antigo e padece da mesma ignorância a respeito.
            A equação parece não ter uma solução satisfatória, restando o “ateísmo”, já experimentado e abandonado no passado, como foi o caso do Positivismo. Como o ateísmo se define por aquilo que nega, ou seja, Deus, a teoria de Paul Jorion revela um modo de pensar intrinsicamente ocidental, qual seja, a concepção de nossa origem e destino ligados a uma figura paterna, a do criador do qual tudo emana. Surpreende essa dificuldade de enxergar mais além, como se a existência humana fosse um evento casual na vida do universo e não a resultante de uma longa evolução. Para um ocidental, a evolução material é uma evidência, mas a espiritual é uma interrogação sem resposta, posto que Deus é uma solução assentada em um dogma cuja negação, o ateísmo, é um atalho que leva ao mesmo lugar.
            Se buscarmos do outro lado do mundo, teremos contado com outras matrizes capazes de oferecer uma visão profunda e universal do problema humano, sem deixar de ser ao mesmo tempo prática. No Budismo, por exemplo, a questão da origem e do destino é buscada na própria mente e se resolve na interação do ser com o universo. Se penso e logo existo, não sou assim porque fui criado e sim porque esse é meu lugar na escala dos fenômenos resultantes dos incessantes ciclos de vida e morte que caracterizam a vida universal. Assim como o Hinduismo, do qual herdou a concepção de que a vida é eterna como o próprio universo, o Budismo identifica uma energia vital que perpassa todos os fenômenos físicos e metafísicos e é regida por uma Lei que pode ser identificada na mente. Ou seja, o material e o espiritual, embora diferentes na manifestação, são da mesma natureza. Do mesmo modo que o ser e o universo, a vida e a morte compõem a mesma unidade. A forma física é transitória, está fadada a desaparecer, após cumprido seu ciclo de nascimento, envelhecimento, doença e morte. A essência espiritual permanece, reintegrando-se à vida do universo ao final de cada ciclo e depois retornando sob forma diferente. Mas ambas são manifestações da mesma Lei fundamental que no Budismo Mahayana é chamada de Lei Mística ou lei fundamental de causa e efeito.
            Evidentemente, a Lei Mística não representa um conjunto de preceitos e regras típicas de uma lei. Ela é a expressão figurada da verdade para a qual o Buda se iluminou e quer tornar acessível a todos.  Como é impossível expressá-la com palavras, o Mundialmente Reverenciado valeu-se de uma metáfora.
            Essa metáfora é a flor do lótus, que possui a particularidade de ser a única a exibir ao mesmo tempo a flor (causa) e a semente (efeito). Em todo momento de nossa existência, causa e efeito estão atuando simultaneamente. Uma é inerente à outra. Se concentrarmos nossa mente de modo a compreender e superar as contingências da vida, cultivarmos estados superiores e empreendermos ações que transformem positivamente nosso meio, poderemos atingir a mesma iluminação que o Buda, uma vez que a ignorância e a sabedoria, a natureza humana e a natureza búdica são aspectos de um mesmo fenômeno.
            Não precisamos mudar nossa forma atual para atingirmos a sabedoria suprema, a plenitude espiritual. Não há razão para aspirarmos a um mundo perfeito, localizado em outra dimensão, pois a terra perfeita do Buda é exatamente esta onde estamos. Ao mudarmos a perspectiva interna, mudamos a realidade externa.  É isso que se chama usufruir dos três mil mundos em um único momento de vida: cada momento é um fragmento da eternidade, cada pensamento encerra a energia de todo o universo. Fazer-nos despertar para essa realidade foi o grande trabalho do Buda.

©
Abrão Brito Lacerda
13 06 16


                       

           
           
            

           


            



                       

           
           

            

Comentários

  1. Foi perfeito ler depois do encontro de hoje, com o grupo, Abrão.
    Interessante observar como tudo se conflui para isso: "A verdade que está dentro de cada um está também implícita em cada fragmento do universo que ele consiga perceber. Em termos práticos, isso significa que a salvação pessoal implica na salvação de toda a sociedade, é preciso encarar seus problemas junto aos demais e contribuir com seu esforço para o bem comum."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa é a essência do caminho do meio. Um abraço.

      Excluir

Postar um comentário

Gostaria de deixar um comentário?

Postagens mais visitadas deste blog

CAI O QUEIXO

Neusa Santos 27 de dezembro às 05:58 ·  Bom dia , Matutina !


Para começar, uma nobre verdade: não conheço a Neusa. Pelo menos, não pessoalmente. Não se trata de uma ex-colega de faculdade, de alguém que virou celebridade de um minuto através de milhões de likes, eu a encontrei no perfil de um amigo e ela acabou se tornando também minha “amiga”. Fora isso, nunca a vi mais magra, a não ser nas selfies do Facebook. Mas como final de ano é uma época para mensagens altruísticas e não coisas do tipo “vejam minha ceia de Natal, gente como estou magra! Este é o meu bebê”, escolhi a Neusa como leitmotiv desta crônica, pois ela fala com o coração repleto de sinceridade.             A considerar por suas postagens, a rotina da Neusa começa bem cedo. Com os raios da manhã brilhando ao fundo da serra, eis sua selfie matinal: “Bom dia, Matutina!”. Sua cara de pera de vez e seus olhos vivos aparecem então na foto, muitas vezes com seus instrumentos de trabalho ao fundo, pois a Neusa é gari na cidadezinh…

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DA BANDA FILARMÔNICA

Sentado em uma poltrona marrom encardida, seu Alfa assiste a seu programa favorito na TV. Não se trata do “Show da tarde” nem do “Jornal das quatro”, mas sim do “shoptime”, cheio de novidades interessantes, como o multiprocessador Vavita, uma revolução no mundo dos alimentos. O multiprocessador Vavita é prático, fácil de usar e pode ser comprado em trinta vezes no cartão. Seu Alfa ergue as sombrancelhas ao ouvir a oferta anunciada pela garota-propaganda, ou melhor, senhora-propaganda.
            Pelas paredes do quarto, diversas lembranças e fotos penduradas. Em uma delas, seu Alfa posa com a equipe de futebol do exército. “Eu era lateral esquerdo”, afirma com uma ponta de orgulho. Na clássica formação de metade de cócoras e a outra metade em pé, ele aparece aprumado e confiante, deve ter sido um bom lateral. Em outra foto, ele perfila com farda e capacete debaixo do braço. “Sou o do meio, na primeira fila”, aponta com um viés de nostalgia. - Era muito difícil a vida no exército? - Ti…

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de