Pular para o conteúdo principal

CAMPEONATO MUNDIAL DA DENGUE

         
(Imagem: www.programacombate.com)


            Ao fazer uma vistoria na caldeiraria abandonada em frente, descobri vasos sanitários abertos e larvas de Aedes Aegypti nadando como peixinhos, além de um imenso tanque subterrâneo, transformado em balneário para mosquitos depois das últimas chuvas. Enquanto os insetos adultos disputam um espacinho à tona, dá para ver as larvinhas surfando de cabeça para baixo, como se estivessem na praia de Guarapari. Não será surpresa se essa pouca vergonha toda tiver sido financiada pelo BNDES!
            O jeito foi telefonar para a Vigilância Sanitária:
            - Alô!, é da Vigilância Sanitária?
            - Não, é da Secretaria de Saúde. Em que posso ajudá-lo?
            - É aí que fica a Vigilância Sanitária?
            - Não...
            - E onde é?
            - Não existe mais Vigilância Sanitária, agora é “Saúde da Comunidade”.
            - E onde fica?
            - Aqui mesmo. O que deseja?
            - Tem um foco de Aedes Aegypti na minha rua, Rua 92, bairro Novo Horizonte, fica numa antiga caldeiraria.
            - Um momento, por favor!
            Deu para ouvir a risadinha da atendente mocando de mim, como se eu fosse o único morador da cidade que não sabe que agora existem focos do mosquitinho listrado por toda parte!
Após se recuperar da crise de riso, ela me disse:
            - Vou passar sua ligação para a “Saúde da Comunidade”.
            Repeti a conversa:
            - ... foco enorme de Aedes Aegypti em minha rua, fica numa caldeiraria abandonada.
            - Rua 92, Novo Horizonte? – interrompeu-me a voz. - REALMENTE, aqui no boletim da nossa administração “Trabalhando por Timóteo” consta que há um foco em sua rua, já FORAM tomadas providências. O senhor não precisa se preocupar.
            - Minha senhora, mosquitos não sabem ler. Onde está o fumacê que passava todo dia à tarde?
            - Um momento, por favor!
            Mais uma que se riu da minha inocência, como se eu fosse o único a não saber que a fumigação das ruas para combater o mosquito foi abandonada há mais de uma década.
            Depois de algum tempo, ela tossiu e respondeu:
            - Não foi possível renovar o convênio com o prestador do serviço.
            - Então, cadê os agentes que passavam de porta em porta?
            - Por contenção de despesas, tivemos que despedir o pessoal.
            - Então, que PROVIDÊNCIAS foram tomadas, minha senhora?
            - Um momento, vou passar sua ligação para a secretária do Secretário da Saúde...
            Desliguei o telefone.
A crônica das epidemias transmitidas pelo Aedes Aegypti tem dias férteis por aqui. Dengue e zika tornaram-se males recorrentes na comunidade, fala-se deles como se fossem membros da família. Até meninas já estão sendo batizadas com o nome de Zica e antigas expressões da vida quotidiana mudaram para se adaptar aos novos tempos, como na fala desta mãe:
            - Deixe de DENGUE e vá fazer a tarefa!
            E, apesar de sua aparência democrática, que não poupa pobres e remediados, brancos e amarelos, essas enfermidades reproduzem os costumes dos diversos extratos sociais. Minha vizinha metida, por exemplo, teve a cachimônia de dizer:
            - Peguei zika em Orlando!
            - Mas lá (ainda) não tem mosquito da zika!
            - Foi por via sexual!
            Fiquei indignado, como alguém pode ir dar, isto é, contrair o vírus da zika tão longe, sendo que o Brasil é campeão mundial da dengue, da zika e, em breve, também do CHIKUNGUNYA?
            A grã-fina não se fez de rogada:
            - Esquenta não! Os EUA estão desenvolvendo a vacina; logo, logo eles serão os campeões da zika, da dengue e de tudo o mais; vão nos vender remédios a peso de ouro, criarão até mesmo o troféu Aedes Aegypti, que ficará bem mais in sendo pronunciado com sotaque cowboy.
            Como resistiremos aos ianques? Eles nos retiram as poucas coisinhas que nos dão orgulho. São capazes os famigerados de nos curar dessas mazelas - e depois vão querer um pedaço da AMAZÔNIA!
©
Abrão Brito Lacerda
27 02 16


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CAI O QUEIXO

Neusa Santos 27 de dezembro às 05:58 ·  Bom dia , Matutina !


Para começar, uma nobre verdade: não conheço a Neusa. Pelo menos, não pessoalmente. Não se trata de uma ex-colega de faculdade, de alguém que virou celebridade de um minuto através de milhões de likes, eu a encontrei no perfil de um amigo e ela acabou se tornando também minha “amiga”. Fora isso, nunca a vi mais magra, a não ser nas selfies do Facebook. Mas como final de ano é uma época para mensagens altruísticas e não coisas do tipo “vejam minha ceia de Natal, gente como estou magra! Este é o meu bebê”, escolhi a Neusa como leitmotiv desta crônica, pois ela fala com o coração repleto de sinceridade.             A considerar por suas postagens, a rotina da Neusa começa bem cedo. Com os raios da manhã brilhando ao fundo da serra, eis sua selfie matinal: “Bom dia, Matutina!”. Sua cara de pera de vez e seus olhos vivos aparecem então na foto, muitas vezes com seus instrumentos de trabalho ao fundo, pois a Neusa é gari na cidadezinh…

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DA BANDA FILARMÔNICA

Sentado em uma poltrona marrom encardida, seu Alfa assiste a seu programa favorito na TV. Não se trata do “Show da tarde” nem do “Jornal das quatro”, mas sim do “shoptime”, cheio de novidades interessantes, como o multiprocessador Vavita, uma revolução no mundo dos alimentos. O multiprocessador Vavita é prático, fácil de usar e pode ser comprado em trinta vezes no cartão. Seu Alfa ergue as sombrancelhas ao ouvir a oferta anunciada pela garota-propaganda, ou melhor, senhora-propaganda.
            Pelas paredes do quarto, diversas lembranças e fotos penduradas. Em uma delas, seu Alfa posa com a equipe de futebol do exército. “Eu era lateral esquerdo”, afirma com uma ponta de orgulho. Na clássica formação de metade de cócoras e a outra metade em pé, ele aparece aprumado e confiante, deve ter sido um bom lateral. Em outra foto, ele perfila com farda e capacete debaixo do braço. “Sou o do meio, na primeira fila”, aponta com um viés de nostalgia. - Era muito difícil a vida no exército? - Ti…

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de