Pular para o conteúdo principal

RUTE

(Imagem: www.clipart.me)


O caixa que era para ser o mais procurado da padaria, andava às moscas. A fila era minguada, e havia boas razões para isso: nada da esperada cortesia, obrigado, boa noite - a nova atendente tinha a cara amarrada. Traduzidas em gestos rudes, as intenções da moça eram um mistério. Havia quem fingia namorar as tortas da vitrine e escorregava para o outro caixa; outros enfrentavam os tratos da miss grosseria:
- Quer cinquenta centavos para facilitar o troco?
- Quando precisar, eu peço.
E jogava as moedas sobre o balcão.
Uma jovem assim tão poluta é como a Baía de Guanabara: é bom admirá-la de uma distância segura. Mas há de ter futuro, como todos nesta terra de santa cruz.
A pergunta de um cliente corajoso:
- Qual é o seu nome, meu bem?
E a resposta sem evasivas:
- Meu nome é Rute. Por que quer saber?
- É o nome de uma pessoa inteligente e de muitas virtudes.
Boca de desprezo. A blusa apertada da garota, com os botões quase se rompendo à altura do peito deixava à mostra braços firmes, terminados em mãos acostumadas a tocar coisas ásperas.
Assim foi por muito tempo, parecia a história do pau que nasce torto e só cai pro lado errado.
Mas não é que a Rute mudou de modos, de repente? O que foi, o que houve? Foi advertida pelo gerente, passou a enxaqueca?  E mudou muito, começou a dizer obrigada pela preferência, volte sempre. Um sorriso tímido delineou-se em seus lábios, inicialmente forçado, depois mais natural. Em seguida, apareceu de unhas pintadas, um rubro sanguíneo, sobrancelhas bem delineadas. Humm!... As mãos tinham perdido a aparência de lixa, o cabelo tinha se libertado da touca marrom que o aprisionava e Rute tinha ficado mais atraente a olhos vistos.
E tagarela também:
- Sou de Pinha do Norte, o senhor já ouviu falar?
- Não. É longe daqui?
- Beeem longe. Eu trabalhava numa fazenda colhendo café - êta vida dura!
De vez em quando, estava trocando risos maliciosos com a moça do outro caixa, que tinha virado cúmplice de segredos intermináveis.
Segredos de quê, qual a razão de tal milagre? Rute andava um doce em festa de criança, a casca da noz tinha sido rompida de vez. Um súbito fervor passou a saltar em faíscas por seus olhinhos castanhos, e ninguém para lhe dizer: Rute, não faça isso! Homem é tudo falso; hoje te quer e amanhã te troca por outra!
©
Abrão Brito Lacerda
15 05 15

Comentários

  1. Estava tão bom, que ficou com gosto de quero mais... Acabou antes que eu queria...
    Muito bom, Abrão. Como sempre!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esta é de uma série que pretendo produzir ao longo do ano retratando personagens, para no final ter um livro. Ainda que (quase) sem leitores e com as dificuldades naturais da publicação, procurarei evoluir e inovar em minha escrita.

      Excluir

Postar um comentário

Gostaria de deixar um comentário?

Postagens mais visitadas deste blog

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de

50 ANOS DE BUDISMO NO VALE DO AÇO, MG

Ipatinga e região viveu neste 22 de agosto de 2015 um dia histórico com a Convenção Cultural em comemoração aos  50 anos da implantação do Budismo de Nitiren Daishonin no Vale do Aço. O evento é tanto mais significativo porque se confunde com a própria história da cidade, pois foi através da siderúrgica Usiminas, criada em outubro de 1962, que os primeiros japoneses se instalaram no que à época era uma vila pertencente ao município vizinho de Coronel Fabriciano, vindos sobretudo dos estados de São Paulo e Paraná. Com os imigrantes vieram os hábitos e a cultura, com destaque para a culinária e artes como a ikebana, o origami e a caligrafia, além da filosofia grandiosa do Budismo. 
            Muitos tinham se convertido ainda no Japão, outros se converteram após chegarem ao Brasil, graças ao impulso propagador do pós-guerra promovido pela Soka Gakkai, no movimento chamado Kossen-rufu.


































KOSSEN-RUFU E DESENVOLVIMENTO DE VALORES HUMANOS

          Kossen-rufu significa ampla propag…

MAGA PATALÓGIKA E O ORGASMO ATÔMICO

Até que enfim explicaram a explosão da bomba de Hiroshima, um dos segredos mais bem guardados da humanidade, mais inviolável do que, digamos,  o cinto de castidade. Foi um grande avanço para a ciência experimental, nos limites da science fiction, da animação cinematográfica e da física nuclear.             A Maga em questão é mesmo a bruxa dos gibis de Walt Disney, obcecada pela moedinha número um do Tio Patinhas, mas que sempre leva chumbo do velho sovina. Só mesmo um gato agourento e dois corvos ligeiramente néscios, altamente malévolos, o Laércio e o Perácio, igualmente péssimos piadistas, para tolerar a megera. Ainda que a Maga não seja de todo má, é esbelta e ágil – sopa de morcego com pimenta malagueta? –, tem olhos verdes faiscantes e sabe cavalgar uma vassoura como ninguém. Agora descobriram o poder secreto daquele inebriante quaac! que ela solta toda vez que se dá mal.             Convidaram os professores Pardal e Ludovico para chefiar uma série de experiências destin…