Pular para o conteúdo principal

RUTE

(Imagem: www.clipart.me)


O caixa que era para ser o mais procurado da padaria, andava às moscas. A fila era minguada, e havia boas razões para isso: nada da esperada cortesia, obrigado, boa noite - a nova atendente tinha a cara amarrada. Traduzidas em gestos rudes, as intenções da moça eram um mistério. Havia quem fingia namorar as tortas da vitrine e escorregava para o outro caixa; outros enfrentavam os tratos da miss grosseria:
- Quer cinquenta centavos para facilitar o troco?
- Quando precisar, eu peço.
E jogava as moedas sobre o balcão.
Uma jovem assim tão poluta é como a Baía de Guanabara: é bom admirá-la de uma distância segura. Mas há de ter futuro, como todos nesta terra de santa cruz.
A pergunta de um cliente corajoso:
- Qual é o seu nome, meu bem?
E a resposta sem evasivas:
- Meu nome é Rute. Por que quer saber?
- É o nome de uma pessoa inteligente e de muitas virtudes.
Boca de desprezo. A blusa apertada da garota, com os botões quase se rompendo à altura do peito deixava à mostra braços firmes, terminados em mãos acostumadas a tocar coisas ásperas.
Assim foi por muito tempo, parecia a história do pau que nasce torto e só cai pro lado errado.
Mas não é que a Rute mudou de modos, de repente? O que foi, o que houve? Foi advertida pelo gerente, passou a enxaqueca?  E mudou muito, começou a dizer obrigada pela preferência, volte sempre. Um sorriso tímido delineou-se em seus lábios, inicialmente forçado, depois mais natural. Em seguida, apareceu de unhas pintadas, um rubro sanguíneo, sobrancelhas bem delineadas. Humm!... As mãos tinham perdido a aparência de lixa, o cabelo tinha se libertado da touca marrom que o aprisionava e Rute tinha ficado mais atraente a olhos vistos.
E tagarela também:
- Sou de Pinha do Norte, o senhor já ouviu falar?
- Não. É longe daqui?
- Beeem longe. Eu trabalhava numa fazenda colhendo café - êta vida dura!
De vez em quando, estava trocando risos maliciosos com a moça do outro caixa, que tinha virado cúmplice de segredos intermináveis.
Segredos de quê, qual a razão de tal milagre? Rute andava um doce em festa de criança, a casca da noz tinha sido rompida de vez. Um súbito fervor passou a saltar em faíscas por seus olhinhos castanhos, e ninguém para lhe dizer: Rute, não faça isso! Homem é tudo falso; hoje te quer e amanhã te troca por outra!
©
Abrão Brito Lacerda
15 05 15

Comentários

  1. Estava tão bom, que ficou com gosto de quero mais... Acabou antes que eu queria...
    Muito bom, Abrão. Como sempre!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esta é de uma série que pretendo produzir ao longo do ano retratando personagens, para no final ter um livro. Ainda que (quase) sem leitores e com as dificuldades naturais da publicação, procurarei evoluir e inovar em minha escrita.

      Excluir

Postar um comentário

Gostaria de deixar um comentário?

Postagens mais visitadas deste blog

CAI O QUEIXO

Neusa Santos 27 de dezembro às 05:58 ·  Bom dia , Matutina !


Para começar, uma nobre verdade: não conheço a Neusa. Pelo menos, não pessoalmente. Não se trata de uma ex-colega de faculdade, de alguém que virou celebridade de um minuto através de milhões de likes, eu a encontrei no perfil de um amigo e ela acabou se tornando também minha “amiga”. Fora isso, nunca a vi mais magra, a não ser nas selfies do Facebook. Mas como final de ano é uma época para mensagens altruísticas e não coisas do tipo “vejam minha ceia de Natal, gente como estou magra! Este é o meu bebê”, escolhi a Neusa como leitmotiv desta crônica, pois ela fala com o coração repleto de sinceridade.             A considerar por suas postagens, a rotina da Neusa começa bem cedo. Com os raios da manhã brilhando ao fundo da serra, eis sua selfie matinal: “Bom dia, Matutina!”. Sua cara de pera de vez e seus olhos vivos aparecem então na foto, muitas vezes com seus instrumentos de trabalho ao fundo, pois a Neusa é gari na cidadezinh…

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DA BANDA FILARMÔNICA

Sentado em uma poltrona marrom encardida, seu Alfa assiste a seu programa favorito na TV. Não se trata do “Show da tarde” nem do “Jornal das quatro”, mas sim do “shoptime”, cheio de novidades interessantes, como o multiprocessador Vavita, uma revolução no mundo dos alimentos. O multiprocessador Vavita é prático, fácil de usar e pode ser comprado em trinta vezes no cartão. Seu Alfa ergue as sombrancelhas ao ouvir a oferta anunciada pela garota-propaganda, ou melhor, senhora-propaganda.
Pelas paredes do quarto, diversas lembranças e fotos penduradas. Em uma delas, seu Alfa posa com a equipe de futebol do exército. “Eu era lateral esquerdo”, afirma com uma ponta de orgulho. Na clássica formação de metade de cócoras e a outra metade em pé, ele aparece aprumado e confiante, deve ter sido um bom lateral. Em outra foto, ele perfila com farda e capacete debaixo do braço. “Sou o do meio, na primeira fila”, aponta com um viés de nostalgia. - Era muito difícil a vida no exército? - Tinha que leva…

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de