Pular para o conteúdo principal

APERTEM OS PARAFUSOS, O FUTURO CHEGOU!



            Soa como uma crítica, mas é muito mais uma “joke”, uma “blague”, um “chiste”. Tem gente que levanta, escova os dentes e vai trabalhar. Eu aperto os parafusos. Foi a condição para passar dos trinta, essa idade mágica, fim dos sonhos para tantos, início da escravidão para alguns, filme de terror para outros. Continuar nessa marcha que não acaba nunca, vai uma vida, vem outra e o espírito não pode ficar zanzando pelo espaço etéreo sem uma carne humana a que se apegar. A existência terrena é uma simples passagem ou retorno, então, para que apressar a ida se logo estaremos de volta? Viajar a esmo pode cansar e a melhor forma de honrar a eternidade é morder a corda e não entregar os pontos antes que os órgãos vitais, coração, pulmão, tesão afrouxem de vez.
            Vamos devagar com o andor que o santo é de carne e osso. Como uma árvore cuja casca enruga-se, cria estrias fundas como voçoroca, a poeira do tempo vai depositando-se em nossa alma até ganhar uma consistência escura de breu. A pele contudo deve continuar lustrosa e elástica, por isso deve-se fazer ginástica todos os dias, encontrar alguém para amar, assistir aos filmes de Charles Chaplin com os filhos e ir passear de bicicleta no parque, ainda que seja só para ralar os joelhos. Ah!, deve-se cultivar também, além de cravos ou tomates de jardim, bons livros, boa música, boas companhias. Ouvir os pássaros e o trem, se for de Minas. O sussurro do mar e as sílabas em “inho” se for da Bahia. Fugir para outro estado se for de Goiás, lá até rouxinóis cantam em dueto imitando as duplas sertanejas.
            Não sei se é adolescência tardia, convalescença vadia ou loucura minha, mas carrego também a lembrança de muitos amigos que partiram antes da hora. São os tais que não passaram dos trinta, “faute” de não terem apertado os parafusos. Naquela época nossos heróis eram Jimi Hendrix, Janis Joplin (em que pese cantar como uma galinha) e Jim Morrison. Tinha também (Grouxo) Marx e Bakunin, anarquista aloprado que bagunçou o coreto da Primeira Internacional Socialista (gente, isso é coisa do século XIX!) e foi expulso pelo inventor do capitalismo (Karl Marx, pois sim) e seus comparsas operários. O resto foi história e morte a esgotar os compêndios de museus. Estes últimos passaram dos trinta – a meu ver, viveram até mais do que deveriam – mas não os primeiros, como os meus amigos que ignoraram a regra da chave de fenda (a de apertar parafusos). Estarão sempre vivos em milha alma de casca de árvore - viva os românticos anônimos!
            Como admiro essas gerações bem-pensantes, bem-estudantes e bem-trabalhantes. Parecem ter nascido de uma forma, terminam o doutorado aos 28 anos, são presidentes de empresas aos 40, obesos aos 50 e mortos de enfarto aos 60.

Jacques Tati, diretor e ator, no filme Mon Oncle.

            Um dos grandes trunfos de lembrar o passado ao invés de conformar-se com o presente são aquelas gatas que atrapalhavam nosso sono nos tempos pré-pro-pós-universidade. Esta não vale para os que terminaram o doutorado aos 28 anos. Sou de uma geração pré-aids, pós-hippie. Para quem nunca assistiu aos filmes sobre Woodstock, saiba que isto significa uma diferença enorme, tão grande quanto o humor de Jacques Tati e a stand up comedy. Um dos grandes furos de viver o presente é visitar, hoje, as amigas daquela época.
            Abaixo o machismo e abaixo o feminismo! Tinha então aquela coisa pós-hippie, pré-aids, você dava mais de quatro sem sair de cima, como uma bomba de extrair petróleo, subindo e descendo incansavelmente. Depois inventaram o Viagra e nada fez mais sentido, o cara tá com o pé no túmulo e troca a “vovozinha” pela “netinha” de vinte anos. Que escândalo! Quem achar que estou mentido, que vá à farmácia mais próxima.
            Recomeçar a cada manhã é viver ao ritmo do universo. Como o sol que parece levantar-se todo dia e, no entanto, não pára de girar.
©


Abrão Brito Lacerda 
13 11 14

Comentários

  1. Muito bom para acompanhar nesses dias cinzas (necessariamente chuvosos) desse fim de semana.
    Grande abraço, Abrão!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela lindo comentário, amigo de fé. Retribuo o abraço + inspirações em sua terra de conto de fadas.

      Excluir
  2. Boa teacher ! Eu era da geração pós -vodca e pré-gim...rerer bravos senhor narrador por seus modos de narrar, cada vez mais concisos. Verba volant, scripta manent ( a palavra voa, a escrita permanece) e dever de escritor - só dos bons- não é mais descrever personagens e cenários envolventes - como no século XVIII - mas trazer à cena,o vivido,o corpo e a alma, os desejos pueris e as comicidades nobres, as alegrias bestas como prova da felicidade arrancada ao caos, a vida em seus meandros sem ordem, pedindo reflexão,etc. coisas que me fazem pensar se esse seu otimismo e essa fé com a vida não passam de pessimismo em diluição, coisa de humorista de plantão. Parabéns... essas coisas que só quem não escreve, pensa que é fácil fazer.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Honroso comentário o seu, nobre John, vulgo JB. Assim como o humor nasce da dor, a leveza alada calca-se nas pedras que jazem no fundo e não podem alçar voo. Penetrar nas experiências, acho que esse é o toque, I'll keep that in mind. As vezes acho meu estilo muito simples, mas se você assim o diz...

      Excluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostaria de deixar um comentário?

Postagens mais visitadas deste blog

CAI O QUEIXO

Neusa Santos 27 de dezembro às 05:58 ·  Bom dia , Matutina !


Para começar, uma nobre verdade: não conheço a Neusa. Pelo menos, não pessoalmente. Não se trata de uma ex-colega de faculdade, de alguém que virou celebridade de um minuto através de milhões de likes, eu a encontrei no perfil de um amigo e ela acabou se tornando também minha “amiga”. Fora isso, nunca a vi mais magra, a não ser nas selfies do Facebook. Mas como final de ano é uma época para mensagens altruísticas e não coisas do tipo “vejam minha ceia de Natal, gente como estou magra! Este é o meu bebê”, escolhi a Neusa como leitmotiv desta crônica, pois ela fala com o coração repleto de sinceridade.             A considerar por suas postagens, a rotina da Neusa começa bem cedo. Com os raios da manhã brilhando ao fundo da serra, eis sua selfie matinal: “Bom dia, Matutina!”. Sua cara de pera de vez e seus olhos vivos aparecem então na foto, muitas vezes com seus instrumentos de trabalho ao fundo, pois a Neusa é gari na cidadezinh…

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DA BANDA FILARMÔNICA

Sentado em uma poltrona marrom encardida, seu Alfa assiste a seu programa favorito na TV. Não se trata do “Show da tarde” nem do “Jornal das quatro”, mas sim do “shoptime”, cheio de novidades interessantes, como o multiprocessador Vavita, uma revolução no mundo dos alimentos. O multiprocessador Vavita é prático, fácil de usar e pode ser comprado em trinta vezes no cartão. Seu Alfa ergue as sombrancelhas ao ouvir a oferta anunciada pela garota-propaganda, ou melhor, senhora-propaganda.
Pelas paredes do quarto, diversas lembranças e fotos penduradas. Em uma delas, seu Alfa posa com a equipe de futebol do exército. “Eu era lateral esquerdo”, afirma com uma ponta de orgulho. Na clássica formação de metade de cócoras e a outra metade em pé, ele aparece aprumado e confiante, deve ter sido um bom lateral. Em outra foto, ele perfila com farda e capacete debaixo do braço. “Sou o do meio, na primeira fila”, aponta com um viés de nostalgia. - Era muito difícil a vida no exército? - Tinha que leva…