Pular para o conteúdo principal

DEUS E EU

(imagem christianspot.com)
Um amigo meu anda ultimamente às turras com Deus. “Não acredito mais”, disse-me, “faz anos que rezo e não saio da crise. E, no entanto, vejo gente sem fé se dando muito bem na vida.” “Por que você não consulta um economista, um psicólogo ou uma cartomante?”, sugeri. “Economistas falam economês, psicólogas são boas na hora de arranjar emprego e cartomantes estão fora de moda”.
Que tipo mais inconformado! Sugeri que ele ouvisse Bach, o gênio que criou Deus à imagem e semelhança de sua música. “Não tenho paciência para música clássica”, me disse. “Mas Bach não é clássico, é barroco". “Dá no mesmo.”
Ora, se o cristão não ouve Bach, como pode sair por aí falando em nome de Deus? “Prefiro ouvir o pastor da minha igreja”, rebateu de imediato uma amiga minha, santa mulher, que só usa saias abaixo dos joelhos e não depila as axilas.  E eu que não sabia que os pelos do corpo tinham a ver com Deus! “O pastor é músico também?” , perguntei na minha inocência. Minha amiga se irritou francamente: “Você é um ateu!”
Ateu, eu? No, non, nichts, ni un poquito. Tenho ótimas relações com Deus, com o Espírito Santo, com Jesus Cristo, com toda a família. 
Por exemplo: nunca proclamo seu santo nome em vão. Quanto a essa conversa de sair por aí dizendo que Deus manda e desmanda, que assevera e pune, que sabe o que está em seus pensamentos tanto quanto em sua conta bancária é conversa para assustar criancinhas. E tem mais: ele não se importa de sair do paraíso e aterrissar (isso é modo de dizer) nas páginas de minhas histórias. Afinal, Deus passa o tempo aconselhando os anjos, a quem delegou a lida diária com os problemas humanos.
Por exemplo, o sujeito vai a mil pela estrada, erra a curva e acaba debaixo de um caminhão. O anjo Gabriel se prepara para descer em socorro. “Mas se o cabeça dura tiver um longo histórico de imprudências – adverte o Senhor –, deixe-o morrer!”. 
E tem outra amiga que mandou estampar no vidro traseiro do carro: “Propriedade de Deus”. Esta semana, ela chegou para mim, indignada: “Alguém arranhou me carro! Sem que fazer!” “O carro é de Deus, mulher – tive a infelicidade de lembrar -, ele não dá importância a essas coisas.” Perdi a amiga.
Fui me consolar no Facebook e lá encontrei esta pérola: “Deus só escolhe os fortes.” Que fraqueza levou alguém a erigir tal monumento à arrogância? Decidi passar a história a limpo com Deus.  “Um pastor pode devorar as próprias ovelhas ou deve  deixá-las aos lobos?”, tomei a liberdade de lhe perguntar, afinal, somos amigos. “Por que você não procura o Afrânio”, foi a resposta de Deus.



Corri para encontrar o Afrânio, pois faltavam poucas linhas para terminar a crônica. Ele por sua vez me mandou mais além, na "Igreja do Evangelho Bipolar, onde o pastor de dia é Deus e de noite é o Diabo". Palavra do Afrânio, “Esse pastor conhece o caminho das pedras. Começou com menos de dez fiéis, hoje tem quase quinhentos. Vou aderir sem piscar os olhos. Se todos vierem comprar em minha loja, saio da crise". “Que Deus o abençoe, Afrânio, em seus projetos economico-religiosos”.
Que Deus abençoe a todos, aos crentes como aos descrentes, aos fortes como aos fracos, aos amigos e inimigos, aos ricos e aos pobres, aos que traem e aos que são traídos. Dê-lhes saúde, pague suas contas, eduque seus filhos e livre-os do mal, amém.
Agora, com licença, tenho que atender à porta. Deus se cansou mais uma vez das arengas dos anjos e veio falar comigo. Algum pedido?
© 
Abrão Brito Lacerda



Comentários

  1. Deus está em todos os lugares ou em lugar nenhum, depende apenas do indivíduo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostaria de deixar um comentário?

Postagens mais visitadas deste blog

CAI O QUEIXO

Neusa Santos 27 de dezembro às 05:58 ·  Bom dia , Matutina !


Para começar, uma nobre verdade: não conheço a Neusa. Pelo menos, não pessoalmente. Não se trata de uma ex-colega de faculdade, de alguém que virou celebridade de um minuto através de milhões de likes, eu a encontrei no perfil de um amigo e ela acabou se tornando também minha “amiga”. Fora isso, nunca a vi mais magra, a não ser nas selfies do Facebook. Mas como final de ano é uma época para mensagens altruísticas e não coisas do tipo “vejam minha ceia de Natal, gente como estou magra! Este é o meu bebê”, escolhi a Neusa como leitmotiv desta crônica, pois ela fala com o coração repleto de sinceridade.             A considerar por suas postagens, a rotina da Neusa começa bem cedo. Com os raios da manhã brilhando ao fundo da serra, eis sua selfie matinal: “Bom dia, Matutina!”. Sua cara de pera de vez e seus olhos vivos aparecem então na foto, muitas vezes com seus instrumentos de trabalho ao fundo, pois a Neusa é gari na cidadezinh…

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DA BANDA FILARMÔNICA

Sentado em uma poltrona marrom encardida, seu Alfa assiste a seu programa favorito na TV. Não se trata do “Show da tarde” nem do “Jornal das quatro”, mas sim do “shoptime”, cheio de novidades interessantes, como o multiprocessador Vavita, uma revolução no mundo dos alimentos. O multiprocessador Vavita é prático, fácil de usar e pode ser comprado em trinta vezes no cartão. Seu Alfa ergue as sombrancelhas ao ouvir a oferta anunciada pela garota-propaganda, ou melhor, senhora-propaganda.
Pelas paredes do quarto, diversas lembranças e fotos penduradas. Em uma delas, seu Alfa posa com a equipe de futebol do exército. “Eu era lateral esquerdo”, afirma com uma ponta de orgulho. Na clássica formação de metade de cócoras e a outra metade em pé, ele aparece aprumado e confiante, deve ter sido um bom lateral. Em outra foto, ele perfila com farda e capacete debaixo do braço. “Sou o do meio, na primeira fila”, aponta com um viés de nostalgia. - Era muito difícil a vida no exército? - Tinha que leva…

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de