Pular para o conteúdo principal

CONVERSA DE ÍNDIO E MULHER BRANCA



                  Tam! Taram! Tam! Antes de instalar a lei da selva, índio enviou mensagem à presidenta: “Querer é poder, diz homem branco. Indio quer, índio pode. Igualdade entre povo tapuia e os pelotudos” (era assim que se referiam aos homens brancos). Manifestaram-se diante do congresso nacional e nos estádios de futebol, dançaram o huka-huka, pintados para a guerra.
         “Indio quer falar com homem branco nas terras do povo Xamainam”. Não respeitavam Brasília e seu Lago dos Cisnes, por isso a conversa aconteceu no Parque do Xiang, próximo a Manaus (informação que pode ser facilmente verificada em um mapa).
         O grande cacique branco levantou o cetro da sabedoria:
         - O quê índio quer?
         - Indio qué muié.
         - Não pode ser espelho, um ap. de dois quartos, um... honda civic?
         - Não. Tem que ser muié.
         - E por que índio que nunca comeu queijo agora quer goiabada?
         - Indio chegou primeiro. Antes do homem branco, índio já comia fruta das matas.
         - Mas nessa época as matas eram virgens.
         - Indio vai fazê sarapaté se num ganhá...
         - Só tem um problema: branco também quer.
         E foi aí que criaram a Lei do Penalty, a Lei da Previdência e a Lei da Selva.


         Povo Tapuia não ficou satisfeito, sentiu-se enganado. Convocou todas as ONGs internacionais para uma rodada de protestos contra o racismo dos brancos, porque índio quer mulher branca, assim como os mulatos e os cafusos.
         - Vamo protestá e ixigi suspensão da Constituição. Queremos direitos de índio na Constituição.
         - Abaixo a Constituição! Nenhum deputado índio escreveu a constituição!
         - Nenhum deputado de Caxias, também!
         - Cala a boca, pelotudo! Isto aqui é protesto de índio!
         - Protesto contra esse protesto de índio!
         Ordem! Senão não consigo continuar esta história!
         - Abaixo o PT! Partido dos Tapuias!

         Vramm! Vramm! Vramm! Os tambores de guerra soaram na Esplanada dos Mistérios. Armados com seus mais efetivos dissuadores, como sacos de pulgas e jacarés famintos do Araguaia, os tapuias investiram contra o senado pelotudo, obrigando a presidenta a fazer manobras de emergência para segurar-se ao poder:
         - O quê índio quer? - indagou a presidenta, em seu tom firme e dissuasivo.
         - Indio qué – começou grande cacique Atabaque –, índio qué...
         - Indio quer o quê? – repetiu a presidenta, impaciente.
         Grande cacique Atabaque mirou a presidenta e gaguejou:
         - I-indio...  não qué muié...



©

Abrão Brito Lacerda
atualizado 13 07 16

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CAI O QUEIXO

Neusa Santos 27 de dezembro às 05:58 ·  Bom dia , Matutina !


Para começar, uma nobre verdade: não conheço a Neusa. Pelo menos, não pessoalmente. Não se trata de uma ex-colega de faculdade, de alguém que virou celebridade de um minuto através de milhões de likes, eu a encontrei no perfil de um amigo e ela acabou se tornando também minha “amiga”. Fora isso, nunca a vi mais magra, a não ser nas selfies do Facebook. Mas como final de ano é uma época para mensagens altruísticas e não coisas do tipo “vejam minha ceia de Natal, gente como estou magra! Este é o meu bebê”, escolhi a Neusa como leitmotiv desta crônica, pois ela fala com o coração repleto de sinceridade.             A considerar por suas postagens, a rotina da Neusa começa bem cedo. Com os raios da manhã brilhando ao fundo da serra, eis sua selfie matinal: “Bom dia, Matutina!”. Sua cara de pera de vez e seus olhos vivos aparecem então na foto, muitas vezes com seus instrumentos de trabalho ao fundo, pois a Neusa é gari na cidadezinh…

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DA BANDA FILARMÔNICA

Sentado em uma poltrona marrom encardida, seu Alfa assiste a seu programa favorito na TV. Não se trata do “Show da tarde” nem do “Jornal das quatro”, mas sim do “shoptime”, cheio de novidades interessantes, como o multiprocessador Vavita, uma revolução no mundo dos alimentos. O multiprocessador Vavita é prático, fácil de usar e pode ser comprado em trinta vezes no cartão. Seu Alfa ergue as sombrancelhas ao ouvir a oferta anunciada pela garota-propaganda, ou melhor, senhora-propaganda.
Pelas paredes do quarto, diversas lembranças e fotos penduradas. Em uma delas, seu Alfa posa com a equipe de futebol do exército. “Eu era lateral esquerdo”, afirma com uma ponta de orgulho. Na clássica formação de metade de cócoras e a outra metade em pé, ele aparece aprumado e confiante, deve ter sido um bom lateral. Em outra foto, ele perfila com farda e capacete debaixo do braço. “Sou o do meio, na primeira fila”, aponta com um viés de nostalgia. - Era muito difícil a vida no exército? - Tinha que leva…