Pular para o conteúdo principal

SETE SURPRESAS

A bela igreja matriz de Sete Lagoas, da primeira metade do século XIX.

Embora tenha morado por dezoito anos em Belo Horizonte, nunca havia visitado Sete Lagoas. Fi-lo nestes dias de fim de ano e muitas reflexões resultaram do que era para ser uma simples viagem turística. Em primeiro lugar, porque hoje é praticamente impossível viajar pelo Brasil sem incidentes relevantes, com estradas cheias e centros urbanos frenéticos, numa inarredável marcha pelo progresso.
A pressa é tanta que não há tempo para planejar o que se quer fazer ou organizar o que já existe. Assim, as cidades vão crescendo aos trancos e barrancos, tornam-se lugares agressivos e pouco hospitaleiros. Esta é a primeira surpresa: Sete Lagoas, como tantas cidades pelo Brasil afora, cresce depressa e sem resposta equivalente em termos de infra-estrutura urbana. Pior: cresce destruindo a si mesma, derrubando o passado para em seu lugar erigir um presente provisório e sem personalidade. Um pequeno exemplo: um casarão central de valor histórico foi posto ao chão na calada da noite e posteriormente em seu lugar construiu-se (provavelmente em tempo recorde) uma loja de eletrodomésticos!
Agora já é fato consumado, trata-se de preservar a memória e o acervo remanescente, o que dá lugar à segunda surpresa: a cidade tem um passado glorioso que remonta à época das sesmarias; foi uma povoação importante nos tempos da mineração, tendo inclusive hospedado o alferes Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes, na condição de comandante do Registro criado pela coroa portuguesa em 1780; tornou-se entreposto regional da Estrada de Ferro Central do Brasil, estabelecida no município em 1896; foi sede de várias associações musicais; cultivou hábitos modernos e chiques como o piano em casa de famílias burguesas e o cinema mudo acompanhado de banda de música; enviou pracinhas à Segunda Guerra Mundial; e enriqueceu-se no século XX com a mineração e a industrialização.
A antiga estação Sete Lagoas, hoje Museu do Ferroviário, nos faz sonhar com o passado.

A partir do DNA conhece-se o organismo, a partir de vestígios pode-se reconstituir uma civilização.  A terceira e a quarta surpresas são o Museu do Ferroviário e o Museu Histórico Municipal. Ambos contam com acervos representativos que justificam a visita.
O primeiro, localizado no lindo prédio da antiga estação Sete Lagoas, preserva instrumentos e utensílios relacionados à ferrovia. A antiga bilheteria, assim como vários objetos de escritório, está bem preservada. Há várias coisas curiosas que remontam a épocas românticas do passado, como a “Bicicleta de Recado”. Você vê a plaquinha e inevitavelmente pergunta à guia: “- O que é?”; “- Antigamente não havia automóvel, assim as mensagens eram transmitidas via bicicleta.”
Banda de música que se apresentava durante
as sessões, na época do cinema mudo.
O Museu Histórico Municipal situa-se na sede da pioneira fazenda Sete Lagoas. Seu acervo variado inclui peças da antiga fazenda, grilhões, tenazes e ferros, usados respectivamente para aprisionar, punir e marcar os escravos negros. Há objetos que pertenceram a algumas famílias locais, muitas fotografias, um pequeno memorial dos setelagoanos que combateram na Segunda Guerra Mundial, alguns equipamentos industriais e muito mais. Infelizmente, muitas peças encontram-se em estado precário e todo o conjunto de prédios que constitui a área do museu requer uma restauração urgente.
Falar da quinta surpresa é contar um pouco da era Cenozóica, aquela que aprendemos nos livros de Geografia do primário. Foi nessa época que se formaram as grutas da região central de Minas Gerais, como a Rei do Mato, que visitamos em Sete Lagoas. O conjunto turístico da gruta conta com infraestrutura adequada e guias bem preparados. A parte aberta à visitação é composta de quatro salões, dentre os quais se destaca o último, que lembra o altar de São Pedro e o baldaquim de Michelângelo, no Vaticano, com colunas de estalagmites de 12 metros de altura. Há também pinturas rupestres interessantes e vestígios de ocupação pré-histórica em uma grupa anexa.
As colunas de estalagmite do quarto salão da gruta Rei do Mato lembram o baldaquim do Vaticano, concebido por Michelângelo.

Igrejinha, no alto da Serra de Santa Helena.
A sexta surpresa é o Parque da Cascata, no alto da Serra de Santa Helena. Com uma vasta área de preservação e várias opções de lazer, o parque só não é recomendado para quem tem alergia à natureza. Oferece belos exemplos de intervenção em áreas naturais com o objetivo de melhorá-las para o visitante. O mesmo critério preservacionista que poderia ter sido aplicado ao centro da cidade, pois a memória construída pelo homem deve ter sempre um lugar no seu futuro. A propósito, quando se está no alto da serra goza-se de uma tranquilidade e de um clima (bem mais fresco e úmido) que já não existe lá embaixo.
Uma notícia de jornal da época da Segunda Guerra Mundial.
 Ainda que pressionado pelas condições adversas do progresso, que violenta e desfigura nossos centros urbanos, o espírito das pessoas resiste, e esta é a sétima grande surpresa. O que há de mais valioso em Sete Lagoas é a gentileza no trato e a hospitalidade de seus habitantes, o que a torna uma cidade tipicamente mineira. Desde o primeiro contato, sentimos vontade de ficar. Igualmente notável é o orgulho com que os mais velhos falam de suas raízes, ainda que isso encontre pouco eco nas gerações mais novas.
Neste embate, o cronista põe-se ao lado da senhora Marisa da Conceição Pereira, diretora do Museu Histórico Municipal e defensora apaixonada da história local; pois de nada servirá trocar valores permanente por um lustre embaçado e fugaz, que se revelará um espelho trincado, depois de removida a poeira. A arquitetura colonial que emoldurava nossas cidades no passado foi a mais bonita e original já produzida no Brasil. Depois dela, com pequenas concessões ao neoclássico, ao art nouveau e o Niemeyer, tudo virou caixote de concreto, que se erige em um dia para se demolir no outro.

Um dos raros prédios históricos que escaparam de dar lugar a uma loja de eletrodomésticos ou a um estacionamento.

© Abrão Brito Lacerda


Comentários

  1. Como você consegue brilhantemente, falar de coisas tão simples. Fiquei super feliz por ter ido conhecer a minha querida Sete Lagoas ! Um abração !

    ResponderExcluir
  2. Que bom que foi do seu agrado, Sânzia, sinto que meu texto atingiu seu objetivo. See you soon!

    Abrão Lacerda

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostaria de deixar um comentário?

Postagens mais visitadas deste blog

CAI O QUEIXO

Neusa Santos 27 de dezembro às 05:58 ·  Bom dia , Matutina !


Para começar, uma nobre verdade: não conheço a Neusa. Pelo menos, não pessoalmente. Não se trata de uma ex-colega de faculdade, de alguém que virou celebridade de um minuto através de milhões de likes, eu a encontrei no perfil de um amigo e ela acabou se tornando também minha “amiga”. Fora isso, nunca a vi mais magra, a não ser nas selfies do Facebook. Mas como final de ano é uma época para mensagens altruísticas e não coisas do tipo “vejam minha ceia de Natal, gente como estou magra! Este é o meu bebê”, escolhi a Neusa como leitmotiv desta crônica, pois ela fala com o coração repleto de sinceridade.             A considerar por suas postagens, a rotina da Neusa começa bem cedo. Com os raios da manhã brilhando ao fundo da serra, eis sua selfie matinal: “Bom dia, Matutina!”. Sua cara de pera de vez e seus olhos vivos aparecem então na foto, muitas vezes com seus instrumentos de trabalho ao fundo, pois a Neusa é gari na cidadezinh…

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DA BANDA FILARMÔNICA

Sentado em uma poltrona marrom encardida, seu Alfa assiste a seu programa favorito na TV. Não se trata do “Show da tarde” nem do “Jornal das quatro”, mas sim do “shoptime”, cheio de novidades interessantes, como o multiprocessador Vavita, uma revolução no mundo dos alimentos. O multiprocessador Vavita é prático, fácil de usar e pode ser comprado em trinta vezes no cartão. Seu Alfa ergue as sombrancelhas ao ouvir a oferta anunciada pela garota-propaganda, ou melhor, senhora-propaganda.
            Pelas paredes do quarto, diversas lembranças e fotos penduradas. Em uma delas, seu Alfa posa com a equipe de futebol do exército. “Eu era lateral esquerdo”, afirma com uma ponta de orgulho. Na clássica formação de metade de cócoras e a outra metade em pé, ele aparece aprumado e confiante, deve ter sido um bom lateral. Em outra foto, ele perfila com farda e capacete debaixo do braço. “Sou o do meio, na primeira fila”, aponta com um viés de nostalgia. - Era muito difícil a vida no exército? - Ti…

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de