Pular para o conteúdo principal

BOLA DE PELO




O amiguinho de pelo não tem mais do que vinte centímetros de altura quando está em posição de descanso. No entanto, quando se move, com saltos graciosos e ágeis, é bem mais alto. É mais alto ainda quando fica de pé sobre as patas traseiras e fareja os arredores. Mas sua posição favorita é rente ao chão, estendido como uma diva sobre o divã, orelhas apenas de pé, pois coelho que tudo ouve não morre cedo.
É discreto, ardiloso e furtivo. E silencioso também. Seus únicos ruídos são o ronronar gutural intermitente característico do estado de excitação ou a batida das patas traseiras quando precisa defender seu território contra algum invasor.
Os gatos morrem de inveja de sua doce concentração. E de sua higiene também, pois ele não precisa de banho, xampu ou perfume. Basta-lhe um jornal para fazer as necessidades, dispensadas em pelotinhas inodoras, que mais parecem caroços de romã. Não solta pelos aleatoriamente, não ocupa espaço em camas e poltronas, não foge arredio pelas calhas. Seu reino é o chão, de cimento, mato ou areia.
Os cães são mal educados e fedorentos. Passam o tempo a ladrar e a perturbar a vizinhança. Precisam disso, pedem aquilo. Lições de civilidade para não atacar as visitas. Vermífugos para dizimar os parasitas de seus estômagos insaciáveis. Manicure, pedicure, pelicure. E algumas pedradas quando precisamos mandá-los para o inferno, lá onde, aliás, habita o cão. Os cães são inimigos de todos os animais que não sejam o próprio cão. Sua vontade é caçá-los e dilacerá-los. Tornado tem toda razão em desconfiar deles.
Quanto às mulheres, como invejam a maciez do seu casaco! Toque suave, sem estrias ou pelos encravados. Caprichosamente limpo com lambidas regulares. Giselle Bündchen, com seu andar retilíneo, sulcando a passarela com saltos que mais parecem ferraduras, morreria de inveja dos movimentos elegantes e perfeitamente sincronizados de Bola de Pelo.


Sabe aguardar a volta do seu amo – cuja chegada reconhece pelo barulho do portão –, confortavelmente instalado atrás da porta. Quando esta se abre, salta para o jardim, sem ser percebido. Busca seu lugar favorito, debaixo do pé de Iris, onde vem cavando uma toca há várias meses. Arranha freneticamente o chão com as patas dianteiras, como se pretendesse concluir o trabalho com urgência, mas para logo: está destreinado para lutar pela sobrevivência. Talvez os humanos cavem um buraco para ele.
Quando todos já estão se recolhendo, a pergunta:
- Onde está Tornado?
Procuram atrás dos guarda-roupas, nos corredores, na sala de TV e na biblioteca. Nada do peludo.
- Vai ver, está no jardim. Você trancou o portão?
- Acho que me esqueci.
- Então ele saiu para a rua! Foi atacado pelos cachorros!
Correm em socorro do possível coelho perseguido pelos piores amigos do homem.
O portão está aberto, mas ele não saiu. Volta os olhinhos cor de rosa para os bípedes, como quem diz:
“- Eh, por que tanta afobação?” 
- O que você está fazendo aí?
- “Curtindo o frescor da noite, o contato com a terra molhada, o odor do Iris.”
- Já pra dentro? Onde já se viu!
- “Olha que mijo em suas pernas!”
Tornado sente a presença dos cães inimigos e fica imóvel, esperando que eles não se atrevam a atravessar o portão daquela propriedade particular.



- Quanto tempo vivem os coelhos?
- Na natureza, dois anos no máximo, se algum predador não comê-lo antes. Mas o Tornado tem mais de três anos.
Dicionário do coelho:
- dar pulinhos: vamos apostar corrida?
- circular entre as pernas: preciso de atenção
- arranhar: é sério, você está se fazendo de surdo
- morder o pé: você me fez perder a paciência
- morder o calcanhar: não limpe meu cantinho
- mijar nas pernas: meu desprezo, bípede impertinente
- bater as patas traseiras no chão com força: vou partir pra briga
- orelhas em pé: tô ouvindo tudo
- orelhas deitadas: tô ouvindo nada
- uma orelha deitada: esqueci uma orelha
- coçando uma orelha: cuidado, sarna!
- bigode agitado: cheirando perigo
- focinho agitado: cheirando comida
- olhos fechados: don’t disturb.

Ao contrário dos humanos, que estão sempre envolvidos em alguma coisa, como trabalhar, assistir à TV ou conversar, Tornado descansa o dia todo, tirando o tempo de comer e fazer as necessidades.
No início, tentaram mantê-lo à base de ração, mas ele recusou. Não prestaria tão bons serviços de companhia comendo aquela gororoba seca, comprada em sacos pardos, com a imagem de um coelho bobo no rótulo. Pior: desprezou a cenoura. Andaram lendo muitas histórias de coelhos antes de comprá-lo e achavam que sabiam tudo sobre os leporídeos. Deram-lhe cenouras inteiras: preferia roer os pés dos armários. Começaram a ralar a cenoura: aceitou, mas no máximo uma vez por semana, caso não haja folhas frescas.
Enfim, entenderam sua dieta frugal, segredo de tão boa forma. Milho e couve como pratos de resistência, agrião, coentro e folhas secas em pequenas porções, mais pão como complemento. Com um único pecado: os biscoitinhos de chocolate, do qual o menino tanto gosto e que acabaram caindo em seu agrado. Um ou dois ao dia. Se não tiver, serve biscoito de maizena:
- Quer biscoito? Seu guloso!
Tornado apóia-se sobre as patas traseiras e estica o focinho para cima, até abocanhar o delicioso petisco. Depois, posta-se ao lado da soleira, entre a sala e a cozinha, de onde pode observar tudo o que fazem. Ali ficará em posição de descanso, patas dianteiras dobradas à frente e patas traseiras esticadas para trás.
O local é perfeitamente estratégico para ele. Da cozinha emanam os odores que mais lhe agradam, além de barulhos reveladores: crepitar de embalagens de biscoitos sendo abertas, ruído de televisão, que ele não entende, mas adora ver, conversas, música. Cochila em paz e harmonia embalado pelos papos de família ou música de violão.

Ele não sabe, mas estão de partida e vão deixá-lo por uns dias:
- Tchau, Tornado! Até a volta!
- Seja bonzinho, o Marcos vem cuidar de você.


Partem de férias e deixam Tornado aos cuidados de outra pessoa. Ele fica um palito. Mal toca nas folhas de couve, que lhe são servidas inteiras, ao invés de fatiadas, como se deve. O milho, trocado uma vez ao dia, seca sob o calor inclemente e ele tem que roer os grãos murchos. Até que voltam:
Tornado ouve o ranger do portão, o ruído do motor do carro, depois a porta, as vozes. Estão novamente em casa!
__________
______
__

 © 
Abrão Brito Lacerda




Comentários

  1. Que legal, Abrão, não sabia que os coelhos eram tão domesticáveis.
    Bela matéria!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostaria de deixar um comentário?

Postagens mais visitadas deste blog

CAI O QUEIXO

Neusa Santos 27 de dezembro às 05:58 ·  Bom dia , Matutina !


Para começar, uma nobre verdade: não conheço a Neusa. Pelo menos, não pessoalmente. Não se trata de uma ex-colega de faculdade, de alguém que virou celebridade de um minuto através de milhões de likes, eu a encontrei no perfil de um amigo e ela acabou se tornando também minha “amiga”. Fora isso, nunca a vi mais magra, a não ser nas selfies do Facebook. Mas como final de ano é uma época para mensagens altruísticas e não coisas do tipo “vejam minha ceia de Natal, gente como estou magra! Este é o meu bebê”, escolhi a Neusa como leitmotiv desta crônica, pois ela fala com o coração repleto de sinceridade.             A considerar por suas postagens, a rotina da Neusa começa bem cedo. Com os raios da manhã brilhando ao fundo da serra, eis sua selfie matinal: “Bom dia, Matutina!”. Sua cara de pera de vez e seus olhos vivos aparecem então na foto, muitas vezes com seus instrumentos de trabalho ao fundo, pois a Neusa é gari na cidadezinh…

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DA BANDA FILARMÔNICA

Sentado em uma poltrona marrom encardida, seu Alfa assiste a seu programa favorito na TV. Não se trata do “Show da tarde” nem do “Jornal das quatro”, mas sim do “shoptime”, cheio de novidades interessantes, como o multiprocessador Vavita, uma revolução no mundo dos alimentos. O multiprocessador Vavita é prático, fácil de usar e pode ser comprado em trinta vezes no cartão. Seu Alfa ergue as sombrancelhas ao ouvir a oferta anunciada pela garota-propaganda, ou melhor, senhora-propaganda.
Pelas paredes do quarto, diversas lembranças e fotos penduradas. Em uma delas, seu Alfa posa com a equipe de futebol do exército. “Eu era lateral esquerdo”, afirma com uma ponta de orgulho. Na clássica formação de metade de cócoras e a outra metade em pé, ele aparece aprumado e confiante, deve ter sido um bom lateral. Em outra foto, ele perfila com farda e capacete debaixo do braço. “Sou o do meio, na primeira fila”, aponta com um viés de nostalgia. - Era muito difícil a vida no exército? - Tinha que leva…