Pular para o conteúdo principal

FUXICOS


 
(Imagem original: ahappylass.com)
  

Acho que, salvo um ou dois defeitos mais graves, a humanidade tem jeito e progride decididamente em direção a um futuro brilhante de compreensão e tolerância. As únicas guerras a persistirem no futuro serão por motivos fúteis, como disputas pelas riquezas dos territórios, divergências políticas e religiosas, ou mesmo a cor da tinta para se pintar o nariz nos dias de votação do congresso nacional ou julgamento do STF (Suprema Tolice e Falácia). Haverá também guerras de nervos entre os partidários de diferentes torcidas, sem esquecer as guerras de audiência que farão os estúdios de TV parecerem sucursais do zoológico.
            Hoje em dia dá no mesmo ser ignorante, sábio, vesgo, sacristão ou senador. Na fila do Disneyworld somos todos iguais. Tenho uma amiga que adora fazer compras em Miami, já virou mania: tá deprê, avião pros States, sai de férias, avião pros States, precisa de uma cortina nova, avião pra Cubatão. Já lhe disse inúmeras vezes que São Paulo é a mesma coisa que Minas Gerais, com a diferença do “r”.
         Outro dia, liguei a televisão e deu que em Brasília o STF (Suas Sapiências do Trono Feudal), tinha efetuado o enterro da justiça brasileira em uma solenidade solene. Os ma-gis-tra-dos, de toga, cetro, espada, bíblia e outros aparatos cômicos, declararam que “é ridículo o ponto a que chegamos. Esta corte, do alto de sua pompa, se autodissolve e doa suas dependências à creche Casinha de Bonecas".
            Desliguei a TV e subi no muro, porque a conversa das vizinhas parecia bem mais interessante. Vejam o que ouvi das linguarudas:
            - Meu primo Itamar Motta decidiu se casar com uma portuguesa.
            - Não diga! E quem é a noiva?
            - Uma tal de Paula Tejano.
            - É como diz o ditado, “jacaré no seco anda, tatu no seco mora”.


            Desci do muro, porque também estou acostumado a esse tipo de linguagem. Pensei em uma forma desesperada de encerrar a crônica e me veio a ideia do no vote. Ninguém votaria por um período de dez anos pra ver no que dava. Não me deram ouvidos. Pensei em beber, quebrar vidraças ou sair com as sirigaitas. Mas meu fígado, a polícia e minha mulher não concordariam com isso. A única solução foi: correr!
            Saí correndo o mais que pude, corri mais do que as minhas próprias pernas, corri descalço, corri de calças, corri mais do que a economia, a bancada evangélica e a Lava Jato juntas!
            Deu certo. Quando dobrei a esquina, estavam todos correndo, os escoteiros-mirins, a torcida uniformizada da associação dos aposentados, o homem de ferro, as babás com seus carrinhos, Tom e Jerry, a nova miss Brasil, repórteres de TV e cameramans, fiscais da receita, assaltantes e  vítimas, a minha dentista, doutora Letícia.
            - Doutora Letícia, o que a senhora está fazendo aqui?
            - Estamos indo pra Brasília. Vamos fazer levitar o STF (Suprema Tolice e Futilidade), o Congresso e o Palácio do Jaburu.
            Então, leitor, levante dessa cadeira e corra! Os hippies não conseguiram fazer levitar o Pentágono, mas nós faremos voar pelos ares a Esplanda dos Ministérios. Não sobrará pedra sobre pedra no planalto central.
              Yes, we can!
©
Abrão Brito Lacerda
01 03 18



                        


                        

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CAI O QUEIXO

Neusa Santos 27 de dezembro às 05:58 ·  Bom dia , Matutina !


Para começar, uma nobre verdade: não conheço a Neusa. Pelo menos, não pessoalmente. Não se trata de uma ex-colega de faculdade, de alguém que virou celebridade de um minuto através de milhões de likes, eu a encontrei no perfil de um amigo e ela acabou se tornando também minha “amiga”. Fora isso, nunca a vi mais magra, a não ser nas selfies do Facebook. Mas como final de ano é uma época para mensagens altruísticas e não coisas do tipo “vejam minha ceia de Natal, gente como estou magra! Este é o meu bebê”, escolhi a Neusa como leitmotiv desta crônica, pois ela fala com o coração repleto de sinceridade.             A considerar por suas postagens, a rotina da Neusa começa bem cedo. Com os raios da manhã brilhando ao fundo da serra, eis sua selfie matinal: “Bom dia, Matutina!”. Sua cara de pera de vez e seus olhos vivos aparecem então na foto, muitas vezes com seus instrumentos de trabalho ao fundo, pois a Neusa é gari na cidadezinh…

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DA BANDA FILARMÔNICA

Sentado em uma poltrona marrom encardida, seu Alfa assiste a seu programa favorito na TV. Não se trata do “Show da tarde” nem do “Jornal das quatro”, mas sim do “shoptime”, cheio de novidades interessantes, como o multiprocessador Vavita, uma revolução no mundo dos alimentos. O multiprocessador Vavita é prático, fácil de usar e pode ser comprado em trinta vezes no cartão. Seu Alfa ergue as sombrancelhas ao ouvir a oferta anunciada pela garota-propaganda, ou melhor, senhora-propaganda.
Pelas paredes do quarto, diversas lembranças e fotos penduradas. Em uma delas, seu Alfa posa com a equipe de futebol do exército. “Eu era lateral esquerdo”, afirma com uma ponta de orgulho. Na clássica formação de metade de cócoras e a outra metade em pé, ele aparece aprumado e confiante, deve ter sido um bom lateral. Em outra foto, ele perfila com farda e capacete debaixo do braço. “Sou o do meio, na primeira fila”, aponta com um viés de nostalgia. - Era muito difícil a vida no exército? - Tinha que leva…