Pular para o conteúdo principal

A UTILIDADE DE UM VELHINHO

         


         Desculpem, senhoras e senhores, eu realmente não quis dizer velhinho ao pé da letra, uma vez que uma pessoa de sessenta ou setenta anos de idade não é mais velhinha hoje em dia. Ao contrário de tempos atrás, quando ter cinquenta anos significava estar um caco e ultrapassar o limiar dos sessenta era botar um pé na cova. Don Quixote, o personagem decrépito da famosa novela de Cervantes,  era um ancião lunático e caquético aos cinquenta anos. E podemos considerar que estava de bom tamanho se compararmos aos tempos antigos, quando os homens morriam na guerra entre os vinte e os trinta anos e, mesmo as mulheres, que não lutavam de escudo e espada estavam sujeitas a uma morte precoce, de tifo ou de parto. Mas, depois do antibiótico e do viagra, até pessoas de oitenta anos estão bombando e não será grande surpresa se prolongarem a procriação até a terceira idade.
         Eu mesmo, no alto dos meus cinquenta e oito anos, sinto-me saindo da adolescência – que já durou demais, confesso. Ando ansioso para amadurecer, virar um pilar da sociedade e parar de fazer coisas que fariam meu filho ruborizar, como escrever crônicas para sete leitores e alimentar os bichos do zoológico com cogumelo alucinógeno mesmo sabendo que isso é proibido. 
         Veja bem, você vai a uma agência dos correios – que ultimamente é também agência bancária, escritório da receita federal e central de fuxicos – e têm lá três caixas: um para atendimento geral, com uma fila que começa na rua, outro só para Sedex e outros serviços mais rentáveis e o terceiro, exclusivo para “idosos, gestantes e pessoas com deficiência”. 
            Eu não tinha tanto tempo, pedi à secretária para postar uns cartões de natal para mim. Três horas depois, ela voltou dizendo: "Não consegui enviar os cartões. Entrei na fila errada e acabei em uma loja da Ricardo Eletro em liquidação."
         Esta é ou não é uma pessoa com deficiência? No entanto, ela tem pouco mais de vinte anos e não pode usar o caixa papa-fila. O jeito foi despedir a secretária e desistir de enviar cartões de natal.
         Nessas horas, um velhinho na família vale ouro. Desconfio inclusive que a revalorização da terceira vem dessas facilidades que eles vêm adquirindo. E, a este respeito, faço aqui uma grave acusação, que a polícia federal e outros agentes secretos deveriam investigar: minha vizinha, a Dona Gertrudes, é mulher de duas caras. Quem te viu, quem te vê. Oficialmente, ela tem sessenta e cinco anos, mas após um lifting + botox, ficou com cara de cinquenta. E ainda assim não se deu por satisfeita, encarou o pilates, a musculação e agora desfila por aí com um namorado de quarenta, idade que ela finge ter. 
           Sem secretária, não me restou outra alternativa senão enfrentar a fila dos excluídos do correio. Mas lá chegando, surpresa!, encontrei a Dona Geninha, de sandálias baixas, vestidinho estampado e uma daquelas bolsas cafonas que as senhoras costumam usar. Levei um susto. Ela parecia ter setenta anos!  Foi direto ao caixa exclusivo, sem dar bola para o meu olhar de inveja, e, lá chegando, depositou sobre o balcão um monte de faturas a pagar, provavelmente as contas da família inteira.
         Envelhecer é horrível, dor daqui, dor dali. Ah, que saudades dos meus vinte anos... Mas as dores da idade são o tributo pago à longevidade. Com exceção dos poetas, dos endividados e dos maridos traídos, ninguém espera em sã consciência deixar este mundo de maravilhas antes de poder gozar o privilégio do “caixa exclusivo”.
©
Abrão Brito Lacerda
01 03 18

Comentários

  1. RERERERER rerer. muito bom. Bem-vindo ao mundo da crônica. O tema é batido : as proezas e percalços das últimas fases da vida. Nada como revisitá-lo com o olhar do humor em um texto de extensão maior que a crÔnica "normal". O tema ganhou contornos polemizadores. didaticamente, talvez se possa pensar que para os mais otimistas, quase sempre saudáveis aposentados do serviço público, do mundo político e dos abastados é a festejada MELHOR IDADE. Conceito polêmico, para muitos o adjetivo melhor não seria mais adequado para um fenômeno que dura o resto da vida e que ainda não se sabe se ela vem a nós e se nós chegamos a ela. O fato é que quando uma linda jovem cede lugar no ônibus a mim, sei que não é pelos meus belos olhos, mas por respeito.Embora , meu amigo BJ, dono de um carrão e de saudáveis 56 anos, afirme que algumas delas preferem ser tratadas como bonecas pelos "velhinhos" que como peteca pelos jovenzinhos... como sempre..você mexeu com assunto difícil e para assuntos sérios: você já sabe. só rindo. Beeeimm, esta parte do comentário veio para dar calor à conversa.Buscando, então, mais luz e menos de calor, quero finalizar falando das riquezas do seu estilo que busca ser cada dia mais enxuto, conciso e menos inclusivo, digressivo afinal na vida e na fantasia tudo é determinante, mas nem tudo cabe no texto. ABRAÇAÇU do JUÂO.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gracias, honorável John,

      De fato, o conceito de melhor é cabível em qualquer idade. Aos vinte anos, temos saúde e tesão de deuses, mas desperdiçamos a maior parte no banheiro ou malhando aqueles textos chatos da universidade. Aos cinco papai e mamãe nos repetem sem cessar que somos os seres mais bonitos e inteligentes do mundo e quando descobrimos que era mentira viramos escritores. Quanto ao texto, ele é um "affaire" de palavras, que dizem, desdizem e contradizem. Abraço retribuido.

      Abrão

      Excluir
  2. MUITO BOM MEU AMIGO...COMO DIZIA UM COLEGA DE EMPRESA: VELHO É MEU PASSADO...ABRAÇOS...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostaria de deixar um comentário?

Postagens mais visitadas deste blog

CAI O QUEIXO

Neusa Santos 27 de dezembro às 05:58 ·  Bom dia , Matutina !


Para começar, uma nobre verdade: não conheço a Neusa. Pelo menos, não pessoalmente. Não se trata de uma ex-colega de faculdade, de alguém que virou celebridade de um minuto através de milhões de likes, eu a encontrei no perfil de um amigo e ela acabou se tornando também minha “amiga”. Fora isso, nunca a vi mais magra, a não ser nas selfies do Facebook. Mas como final de ano é uma época para mensagens altruísticas e não coisas do tipo “vejam minha ceia de Natal, gente como estou magra! Este é o meu bebê”, escolhi a Neusa como leitmotiv desta crônica, pois ela fala com o coração repleto de sinceridade.             A considerar por suas postagens, a rotina da Neusa começa bem cedo. Com os raios da manhã brilhando ao fundo da serra, eis sua selfie matinal: “Bom dia, Matutina!”. Sua cara de pera de vez e seus olhos vivos aparecem então na foto, muitas vezes com seus instrumentos de trabalho ao fundo, pois a Neusa é gari na cidadezinh…

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DA BANDA FILARMÔNICA

Sentado em uma poltrona marrom encardida, seu Alfa assiste a seu programa favorito na TV. Não se trata do “Show da tarde” nem do “Jornal das quatro”, mas sim do “shoptime”, cheio de novidades interessantes, como o multiprocessador Vavita, uma revolução no mundo dos alimentos. O multiprocessador Vavita é prático, fácil de usar e pode ser comprado em trinta vezes no cartão. Seu Alfa ergue as sombrancelhas ao ouvir a oferta anunciada pela garota-propaganda, ou melhor, senhora-propaganda.
Pelas paredes do quarto, diversas lembranças e fotos penduradas. Em uma delas, seu Alfa posa com a equipe de futebol do exército. “Eu era lateral esquerdo”, afirma com uma ponta de orgulho. Na clássica formação de metade de cócoras e a outra metade em pé, ele aparece aprumado e confiante, deve ter sido um bom lateral. Em outra foto, ele perfila com farda e capacete debaixo do braço. “Sou o do meio, na primeira fila”, aponta com um viés de nostalgia. - Era muito difícil a vida no exército? - Tinha que leva…