Pular para o conteúdo principal

É DE MORTE



         Se viver está difícil, imaginem morrer. Nossa história começa com um homem sentado a cavalo sobre uma janela do décimo-quinto andar do edifício Acaiaca. Sem camisa, e com o peito reluzente ao sol da tarde, ele grita frases obtusas, imprecações, clamores, promete se lançar no vazio, ou,  pelo menos, é isso que chega aos ouvidos dos passantes lá embaixo.  Uma pequena multidão acaba se formando nas calçadas de uma das esquinas mais movimentadas do centro de Belo Horizonte. Há quem finja conhecê-lo: “Desça daí, Alfredo, sua mãe vai morrer do coração!” Há quem apele para seus sentimentos cristãos: “Arrependa-se, e confie no perdão divino!” Alfredo, ou seja qual for o seu nome, responde apoiando-se no peitoril da janela com ambas as mãos, como quem está prestes a saltar. Isso provoca uma reviravolta dos curiosos, muitos se afastam com medo de serem esmagados, ouvem-se gritos histéricos, chega a polícia militar, o trânsito é interrompido por uma faixa de isolamento, buzinaços, xingaços, sirene do corpo de bombeiros, equipe de  paramédicos, uma ambulância e enfim a Associação dos Suicidas Anônimos.
            Como convém, são os militares que assumem o controle da situação. Uma equipe toma o elevador em direção ao andar onde se encontra o suicida, outra começa a distribuir ordens entre apitaços e a formar um cordão de isolamento. Indiferente ao remue-meninges, Alfredo, vamos dar-lhe o direito a um nome, põe-se de pé sobre a janela e, com as costas apoiadas na parede, caminha sobre a platibanda até o tubo hidráulico. Adeus mundo cruel, ele está livre para consumar seu ato.
            Nesse exato momento, um grupo de adolescentes ruidosos desce a Rua Espirito Santo e, ao perceber o que se passa, começa a gritar: “Pula! Pula!” Os jovens têm dessas coisas. A polícia avança para restabelecer a desordem, os rapazes correm na direção do viaduto Santa Teresa, enquanto continuam a gritar: “Pula! Pula!” Como se tivesse sido siderado por um raio, o suicida detém-se subitamente, muda de ideia, faz o caminho de volta à janela e, enquanto a multidão está distraída, salta para dentro do prédio.
            E assim, em meio à confusão, ninguém o reconhece quando ele reaparece no hall, trajando o casaco do ascensorista. Nenhuma resistência é-lhe oferecida quando ele fura o bloqueio da portaria, ganha a rua e começa a andar em direção à Praça Sete, a trezentos metros de distância. E não poderia ser diferente, porque a excitação é evidente nas centenas de rostos que olham para o alto, aguardando com impaciência o desfecho dos acontecimentos. Alfredo se vai, cabisbaixo – ele está acostumado a olhar para o chão -, ops!, alguém deixou cair uma nota de vinte reais, ele a recolhe, pensa “um dia é da morte, outro é do suicida”, dessa vez vai poder tomar um café reforçado na praça para quebrar o jejum.  
            E é lá que o reencontramos, apoiado ao balcão como um operário de fábrica, sorvendo o preto que sacia em grandes goles, devorando sem parcimônia uma porção de pão de queijo e croquete. Sua loucura era muito mais de fome do que de qualquer outra coisa, pois, assim que a comida chega ao estômago, todo seu corpo se lança aos trabalhos da sobrevivência, o coração se anima, o oxigênio infla os pulmões, o cérebro responde, a boca emite enfim o desabafo:
            - Aonde vamos parar com a falta de respeito das pessoas?
            O cliente adjacente lança-lhe um rabo de olho e dá um passo para o lado, mas Alfredo continua:
            - Não se pode mais morrer em paz!
            - Do que você está falando?
            - Imagine o senhor: eu ia pular de cima do Acaiaca, nada mais poderia me deter. Daí chegaram uns gaiatos e começaram a me desafiar. Eu não podia suportar aquilo!  
            - Então você é o responsável por essa bagunça toda?
            - Não fala alto, porque não quero ser reconhecido pelos repórteres da televisão.
            O cliente confere as imagens no celular e olha de volta para o ex-suicida: não reconhece a casaca bege, mas a calça azul é idêntica.
            - Devia dar graças a Deus por poder tomar mais um café.
            - Se estou vivo, é contra a minha vontade.
            - Isso não faz o menor sentido. Porque não tenta outro método?
            - Eu levei uma semana preparando um plano...    
            - Enforcamento?
            - Coisa de fracassados.
            - Se lançar debaixo de uma carreta no Anel Rodoviário?
            - E como vou chegar até lá?
            - Overdose de crack?
            - Meu vício é a cachaça.
            - Afogamento nas águas podres do Ribeirão Arrudas?
            - O senhor não entende: eu queria me espatifar no asfalto, atrapalhar o trânsito, aparecer na televisão.
            - Hum... então aproveita que os repórteres estão esperando.
            - Não é a mesma coisa. Além disso, só por desaforo, agora decidi viver.
            - Faz muito bem, a morte não é solução para nada. Olha, eu também tenho meus problemas, mas mesmo assim resolvi encarar um novo emprego. Sofro de hérnia...
            - Você também tem hérnia de disco?
            - E hemorroidas. Já fui até operado.
            - Alguma dívida?
            - Devo aluguel e crediário. Foi por isso que minha mulher fugiu com as crianças.
            - Tem um barraco onde morrer?
            - Moro em um quartinho de favor.
            - Seu nome tá sujo no SPC e no Serasa?
            - Só consigo comprar na venda do bairro.
            - Já foi preso alguma vez?
            - Duas vezes. A última quando trabalhava como camelô na Rua Espírito Santo. A prefeitura mandou expulsar todo mundo, me deram uma sova, me levaram em cana e me enquadraram por interceptação de mercadorias – sabe como é?
            - Nunca pensei que alguém pudesse ter os mesmos problemas que eu.
            - E, pra piorar, ontem recebi um SMS da operadora, avisando que minha linha de celular está suspensa até o pagamento das contas atrasadas.
            - Isso é insuportável!
            - Mas ainda assim, é melhor do que morrer. Escuta, tenho que ir agora. Se precisar de alguma coisa, aqui está o meu cartão.
            - “Funerária Campo Lindo”?
            - É. Fica no Santa Efigênia, ao lado da Santa Casa. Por falar nisso, o Cemitério da Paz abriu vaga para coveiro. Não quer tentar?
            - Não sei, não tenho nenhuma experiência.
            - É o tipo de coisa que você aprende fazendo. E, depois, é muito mais fácil do que se matar.
            - Você acha?

©
Abrão Brito Lacerda
07 07 18

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CAI O QUEIXO

Neusa Santos 27 de dezembro às 05:58 ·  Bom dia , Matutina !


Para começar, uma nobre verdade: não conheço a Neusa. Pelo menos, não pessoalmente. Não se trata de uma ex-colega de faculdade, de alguém que virou celebridade de um minuto através de milhões de likes, eu a encontrei no perfil de um amigo e ela acabou se tornando também minha “amiga”. Fora isso, nunca a vi mais magra, a não ser nas selfies do Facebook. Mas como final de ano é uma época para mensagens altruísticas e não coisas do tipo “vejam minha ceia de Natal, gente como estou magra! Este é o meu bebê”, escolhi a Neusa como leitmotiv desta crônica, pois ela fala com o coração repleto de sinceridade.             A considerar por suas postagens, a rotina da Neusa começa bem cedo. Com os raios da manhã brilhando ao fundo da serra, eis sua selfie matinal: “Bom dia, Matutina!”. Sua cara de pera de vez e seus olhos vivos aparecem então na foto, muitas vezes com seus instrumentos de trabalho ao fundo, pois a Neusa é gari na cidadezinh…

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DA BANDA FILARMÔNICA

Sentado em uma poltrona marrom encardida, seu Alfa assiste a seu programa favorito na TV. Não se trata do “Show da tarde” nem do “Jornal das quatro”, mas sim do “shoptime”, cheio de novidades interessantes, como o multiprocessador Vavita, uma revolução no mundo dos alimentos. O multiprocessador Vavita é prático, fácil de usar e pode ser comprado em trinta vezes no cartão. Seu Alfa ergue as sombrancelhas ao ouvir a oferta anunciada pela garota-propaganda, ou melhor, senhora-propaganda.
Pelas paredes do quarto, diversas lembranças e fotos penduradas. Em uma delas, seu Alfa posa com a equipe de futebol do exército. “Eu era lateral esquerdo”, afirma com uma ponta de orgulho. Na clássica formação de metade de cócoras e a outra metade em pé, ele aparece aprumado e confiante, deve ter sido um bom lateral. Em outra foto, ele perfila com farda e capacete debaixo do braço. “Sou o do meio, na primeira fila”, aponta com um viés de nostalgia. - Era muito difícil a vida no exército? - Tinha que leva…

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de