Pular para o conteúdo principal

E AGORA, COM VOCÊS, O ATRASO



            Chega de orange, o atraso é o novo black,  assim, sem papas na lírica, sem calos nas cordas vocais, sem falso pudor de trazer para a frente do picadeiro essa compulsão recente pelo retrógrado, quadrado e tacanho. A TV mostrou, o congresso aprovou, o STF bateu o martelo, não vai poder mais ter peito, piadas e ironias, necas de checas e pintos, só bandas sertanejas, sexo é coisa de canibais. Não se olhe no espelho e tome banho de cinto de castidade, veja na tv do bispo os documentários bíblicos, catástrofes, tsunamis, mortes por bala perdida também valem  pra baixar a libido. Achava que tínhamos evoluído depois dos hippies, yuppies e hipsters,  que todo mundo ia dar de pau na federal e cheirar talco em Miami e Las Vegas? Não tem plano B, C ou H, chega de conversa mole, vamos direto ao atraso.
            Como vão nascer os bebês? Em sacos tipo preto lixo ou dentro do saco amniótico, frágil e translúcido? Bota pra tocar aquela banda debochada dos anos 80, que pregava as virtudes do naturalismo, pois pelado é o estado natural em que viemos ao mundo, pai, mãe, avô e tia, antes que seja censurada pelo Kalil e o Trivella, atacada com tomates por membros do MBL revoltados, alguns com camisas verde-amarelas e outros com caras de idiotas. É a força irresistível do atraso.
            Como seria a Virgem Maria do século XXI - única mulher a procriar sem ter experimentado aquilo naquilo, mas por obra do espírito santo, que tudo pode, como a Metro Goldwin-Meyer e o King Kong? As jovens pagãs fornicavam com faunos, ogres, deuses e príapos, às vezes, humanos, foi um alívio para os exegetas a resistência obstinada da virgem, diríamos um progresso, mas  estamos aqui para falar do atraso.
            Para se vingar da concupiscência que lastra do lado de lá da banda podre desse mundo, de seus pensamentos inconfessáveis e de seus fantasmas, os puritanos resolveram dar a volta no parafuso com uma chave de braço.  Um psicólogo custa caro, dar porrada sai bem mais em conta. Estão mortos de preocupação para com seus nigucinhos: rifar almas a dois por cents no altar da cobiça e manipular a massa ignara e musculosa, pronta a testar a força dos seus punhos na cara dos mais fracos. Ah, mas não vão nos enfiar em uma camisinha de força ao menor sinal de sangue de menstruação, 50 chibatadas na bunda como um negro no pelourinho, ao coro de “heil Hitler!”, não vão conseguir resgatar as pernas peludas e os púbis idem, as cuecas marchinha-canção, as anáguas e as bombachas femininas - viva a lycra, a lingerie e o elastano, tava mesmo quieto demais pro meu gosto, cuidado com a turma do atraso!
            Se a arte não cheira nem fede aos narizes poucos instruídos, como explicar que são justamente eles que agora descem o pau, no melhor estilo vanguarda do atraso? Um convite aos desregrados para rirem dos idólatras, anarquizar os bem-pensantes, fazer gato e sapato dos certinhos, desprezar a retórica, trair os moralistas, punir os estúpidos, incendiar os tímidos e cavalgar na crista da onda do apocalipse civilizatório.
            Mas para começar isso certo, seria preciso banir dos livros de história, onde se refugiaram nos últimos cem anos, os tupiniquins, tapajós, guaranis, goitacazes e outros nomes de ruas de Belo Horizonte, e seus hábitos de andar pela selva com as vergonhas à mostra, onde já se viu! Nem que controlem a bolsa e a bola, o senado e o senai, os bares e o Facebook, os banguelas e os desbocados, nem que votem no Bolsonaro, nem que elejam o diabo a quatro,  nos botem num Uber pra Bratislava, não vão conseguir nos fazer baixar o novo aplicativo tapa vergonha lançado pela Atraso S. A.
            No ano de 5016, quando fizerem buscas arqueológicas no supercomputador da nave mãe, descobrirão que no ano de 2036 o Brasil se fundiu com a China e o Paraguay para formar Brachipa, com exceção do sul, que preferiu juntar-se ao Uruguay e à Argentina para formar o Gausil. Depois de proclamarem um retorno às velhas formas coloniais através de uma nova constituição, financiada pelo agronegócio, foi dada a autorização para que todo cidadão Brachipense maior de 18 anos tivesse em casa dez pés de maconha para consumo próprio, medicinal, recreacional ou cerimonial, pois as autoridades do vizinho Gausil vinham boicotando as vendas pela fronteira. Foi algo parecido,  os Brachipenses não se lembram de muita coisa e os Gausilianos estão até hoje tentando lembrar a senha.

©
Abrão Brito Lacerda

29 10 17

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CAI O QUEIXO

Neusa Santos 27 de dezembro às 05:58 ·  Bom dia , Matutina !


Para começar, uma nobre verdade: não conheço a Neusa. Pelo menos, não pessoalmente. Não se trata de uma ex-colega de faculdade, de alguém que virou celebridade de um minuto através de milhões de likes, eu a encontrei no perfil de um amigo e ela acabou se tornando também minha “amiga”. Fora isso, nunca a vi mais magra, a não ser nas selfies do Facebook. Mas como final de ano é uma época para mensagens altruísticas e não coisas do tipo “vejam minha ceia de Natal, gente como estou magra! Este é o meu bebê”, escolhi a Neusa como leitmotiv desta crônica, pois ela fala com o coração repleto de sinceridade.             A considerar por suas postagens, a rotina da Neusa começa bem cedo. Com os raios da manhã brilhando ao fundo da serra, eis sua selfie matinal: “Bom dia, Matutina!”. Sua cara de pera de vez e seus olhos vivos aparecem então na foto, muitas vezes com seus instrumentos de trabalho ao fundo, pois a Neusa é gari na cidadezinh…

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DA BANDA FILARMÔNICA

Sentado em uma poltrona marrom encardida, seu Alfa assiste a seu programa favorito na TV. Não se trata do “Show da tarde” nem do “Jornal das quatro”, mas sim do “shoptime”, cheio de novidades interessantes, como o multiprocessador Vavita, uma revolução no mundo dos alimentos. O multiprocessador Vavita é prático, fácil de usar e pode ser comprado em trinta vezes no cartão. Seu Alfa ergue as sombrancelhas ao ouvir a oferta anunciada pela garota-propaganda, ou melhor, senhora-propaganda.
Pelas paredes do quarto, diversas lembranças e fotos penduradas. Em uma delas, seu Alfa posa com a equipe de futebol do exército. “Eu era lateral esquerdo”, afirma com uma ponta de orgulho. Na clássica formação de metade de cócoras e a outra metade em pé, ele aparece aprumado e confiante, deve ter sido um bom lateral. Em outra foto, ele perfila com farda e capacete debaixo do braço. “Sou o do meio, na primeira fila”, aponta com um viés de nostalgia. - Era muito difícil a vida no exército? - Tinha que leva…