Pular para o conteúdo principal

EU TOMO ALEGRIA!


(Foto: Estado de Minas)
Uns tomam éter, outros cocaína.
Eu já tomei tristeza, hoje tomo alegria.
      (Manuel Bandeira, Não sei dançar)

            Há muito tempo BH não via uma festa assim, há uma geração pelo menos. Tomar as ruas, praças e avenidas, reconvertê-las em espaços de encontro e convivialidade representa uma verdadeira revolução em uma cidade que foi obrigada a conviver com os congestionamentos e a insegurança – e a reclamar deles, como se se tratasse de uma praga irreversível. E eis que, de repente, mas não por acaso, os bhzontinos se descobrem semelhantes e cooperativos ao invés de individualistas e competitivos, e descem às ruas para o carnaval, transformando a cidade em um grande salão de festa para todas as idades.
            A popularização do carnaval de rua de Belo Horizonte é uma realidade. Boa organização e infraestrutura, com presença ostensiva dos agentes de segurança nos locais de celebração, itinerários demarcados e isolados para concentrações e desfiles de blocos e, sobretudo, a dispersão da festa pelas diferentes regiões da cidade, criaram um ambiente favorável que tem atraído multidões aos desfiles de carnaval nos últimos anos, com destaque para este marcante ano de 2017, que tem tudo para ser um divisor de águas na história da cidade.
            Blocos recém-criados e sem grandes pretensões recebem de repente a adesão de toda uma vizinhança ávida por alegria e o cordão cresce sem parar, passando de dezenas à casa dos milhares. Ver-se na rua cercado de gente familiar tem gerado surpresa nos próprios belo horizontinos. Compartilhar alegria ao invés de medo, descobrir semelhanças ao invés de diferenças traz um inesperado ar de renovação da vida coletiva e tem contribuído para a melhoria da autoestima e do sentimento cívico na capital. A cidade se redescobre hospitaleira, superando a imagem austera de um imenso dormitório para quatro milhões de almas.
            Além das razões citadas acima, boa infraestrutura e organização, há outros motivos que estimularam tantos a saírem às ruas. Em primeiro lugar, a crise, que impossibilitou muita gente habituada a curtir o carnaval na Bahia, no Espírito Santo ou no Rio de Janeiro de viajar. Em segundo, podemos citar as manifestações políticas do ano de 2016, que levaram a classe média a sair de casa e a se reapropriar dos espaços públicos que ela antes tanto temia e abominava. Não cabe entrar no mérito dessas manifestações, mas é importante frisar que elas tiveram força quando lograram catalisar a energia espontânea dos cidadãos e se extinguiram quando se tornaram formais e formatizadas, ou seja, caretas e conservadoras.
            Fazer festa pode ser a solução quando não há nenhuma outra à vista, como parece ser o caso do Brasil no momento atual. Além disso, celebrar não exige motivos objetivos, o que conta mesmo é a disposição de romper a rotina e a mesmice. Os jovens não precisam de motivos para se encontrarem e comemorar, fazem isso porque é próprio do espírito da juventude. Desejo semelhante se encontrava reprimido pelos belo-horizontinos, tradicionalmente considerados tímidos e avessos a demonstrações coletivas que não sejam partidas de futebol. Mas anos de injeções de baianidade via axé music e trios elétricos ajudaram a quebrar o gelo.
            O melhor de tudo é que BH se viu no espelho e gostou da imagem: o jeito de ser, tolerante e cosmopolita, com centenas, milhares das mais bonitas mulheres do Brasil - união perfeita das quatro raças -, livres, leves, soltas...
©
Abrão Brito Lacerda

28 02 17

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de

MAGA PATALÓGIKA E O ORGASMO ATÔMICO

Até que enfim explicaram a explosão da bomba de Hiroshima, um dos segredos mais bem guardados da humanidade, mais inviolável do que, digamos,  o cinto de castidade. Foi um grande avanço para a ciência experimental, nos limites da science fiction, da animação cinematográfica e da física nuclear.             A Maga em questão é mesmo a bruxa dos gibis de Walt Disney, obcecada pela moedinha número um do Tio Patinhas, mas que sempre leva chumbo do velho sovina. Só mesmo um gato agourento e dois corvos ligeiramente néscios, altamente malévolos, o Laércio e o Perácio, igualmente péssimos piadistas, para tolerar a megera. Ainda que a Maga não seja de todo má, é esbelta e ágil – sopa de morcego com pimenta malagueta? –, tem olhos verdes faiscantes e sabe cavalgar uma vassoura como ninguém. Agora descobriram o poder secreto daquele inebriante quaac! que ela solta toda vez que se dá mal.             Convidaram os professores Pardal e Ludovico para chefiar uma série de experiências destin…

PAULO LEMINSKI: POESIA DO ACASO

Falarei do acaso para falar de Paulo Leminski (1944 – 1989), um dos poetas modernos que mais admiro e que leio com mais prazer. Pretendo transmitir um pouco da fruição que sinto ao ler seus poemas, como, por exemplo, o prazer do inesperado:
eu ontem tive a impressão que deus quis falar comigo         não lhe dei ouvidos
quem sou eu para falar com deus? ele que cuide de seus assuntos eu cuido dos meus
Você achou o poeta petulante demais? Ora, ele está apenas fingindo uma humildade que não possui, pois, enquanto artista, deve buscar o absoluto, o não dito. Deve rivalizar-se com Deus (seus assuntos são tão importantes quanto os do Criador, ora bolas!). Acadêmicos e gente que adora esfolar o cérebro dirão que o acaso não existe, mesmo na arte, que tudo é obra de saber e técnica, etc., etc. Mas apreender o acaso é tudo que o artista busca. Mallarmé (vejam minha postagem de 17 de março de 2012 sobre o poema Salut), o mestre que faz os eruditos caírem de joelhos, já ensinou há um século e meio em u…