Pular para o conteúdo principal

MINHA CASA, MEU ENTULHO


            A sujeira está em toda parte. Em Brasília, onde a lama ultrapassou o nível das torres gêmeas do congresso, toma-se banho de fedência e dança-se ao ritmo da podridão. O gosto nacional pelo lixo é tamanho que, ao se construir um prédio, é criado simultaneamente o entulho que acolhe os restos da construção: concreto, papel, plástico, metal, além dos rejeitos líquidos e sólidos dos humanos.
            Somos um exemplo civilizatório a ser combatido de um povo que limpa a casa para sujar a rua - e não sente nenhum constrangimento por isso. E, longe de se tratar de um comportamento de determinada classe, é uma verdadeira epidemia, como a dengue, a febre amarela e o Big Brother.
            Com o objetivo de dar minha modesta contribuição às avessas a essa falta de vergonha geral, apresento a seguir o estado das coisas em minhas imediações. A Rua Miguel Maura onde moro é uma passagem importante entre vários bairros e o centro da cidade de Timóteo, portanto o lixo dessa rua pode ser tomado como axioma da decisão comunitária de não deixar arrefecer nossos centros criadores de ratos, baratas, mosquitos e catadores.


           






































               A prefeitura não recolhe o lixo, essa é a explicação de 100% dos abordados. É verdade. Embora a cidade esteja loteada pelos entulhos, há muitos anos ninguém se importa em recolhê-los. Mas quem espalha a sujeira são os próprios cidadãos, outra verdade.
            O guarda-chuva quebrou? Jogue ali mesmo. Móveis imprestáveis em casa? Despeje no passeio público. Um senhor de barbas brancas passa empurrando um carrinho com a tranquilidade de um monge. É triste para um velhinho, não é mesmo? Ele deveria pedir a um dos netinhos para fazer isso para ele, qual seja, depositar sujeira no espaço alheio.
            As oficinas mecânicas que existem ao redor têm nos terrenos baldios um bota-fora perfeito para restos de lataria e peças velhas. Existe até mesmo um desmanche no lugar, ilegalmente, pelo que suponho, embora de pleno conhecimento do “poder” público. Alguns sacos de lixo são amarrados a árvores e oferecem aos passantes o espetáculo do seu fedor em flor, até que os lixeiros (que só recolhem lixo devidamente ensacado) venham fazer seu porco trabalho. O operário que poda as árvores da casa vem ali depositar folhas e ramos – importante frisar que o dono fica vigiando por trás do muro, afinal ele pode pagar alguém para fazer o trabalho sujo para ele. Aproveitando que tá uma imundície mesmo, crianças espalham palitinhos de picolé e papéis de bala pelo chão...  


          










  



















        Todos estão imbuídos da convicção de que não foram os primeiros e que, portanto, não têm culpa nenhuma. Se investigarmos a fundo, chegaremos a Pedro Álvares Cabral e vamos concluir que a culpa foi dos portugueses.
            Lancei a ideia de uma campanha de limpeza junto aos vizinhos. Estão dispostos a colaborar, mas ninguém tem pressa para começar o trabalho. Acham que vão fazer o papel da prefeitura sem ganhar nada por isso. “E, a partir do dia seguinte, o lixo estará de volta”, dizem eles para justificar a inércia.  
            O único consolo é que em Brasília tá pior – tá muito pior!



©
Abrão Brito Lacerda

09 02 17

Comentários

  1. Jogamos pro estado (que é omisso), uma responsabilidade que também é nossa. Quando chove e temos os bueiros entupidos de lixo, a primeira coisa que cobramos são as obras de saneamento da prefeitura. Mas como foi dito, quem joga o lixo somos nós.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado por seu comentário, Vana. Procuro descrever com humor uma realidade que revela a tragicidade de nosso país, em marcha acelerada para o caos. Literatura é isso: fazer pensar, mas também divertir.

      Excluir
  2. Jogamos pro estado (que é omisso), uma responsabilidade que também é nossa. Quando chove e temos os bueiros entupidos de lixo, a primeira coisa que cobramos são as obras de saneamento da prefeitura. Mas como foi dito, quem joga o lixo somos nós.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostaria de deixar um comentário?

Postagens mais visitadas deste blog

CAI O QUEIXO

Neusa Santos 27 de dezembro às 05:58 ·  Bom dia , Matutina !


Para começar, uma nobre verdade: não conheço a Neusa. Pelo menos, não pessoalmente. Não se trata de uma ex-colega de faculdade, de alguém que virou celebridade de um minuto através de milhões de likes, eu a encontrei no perfil de um amigo e ela acabou se tornando também minha “amiga”. Fora isso, nunca a vi mais magra, a não ser nas selfies do Facebook. Mas como final de ano é uma época para mensagens altruísticas e não coisas do tipo “vejam minha ceia de Natal, gente como estou magra! Este é o meu bebê”, escolhi a Neusa como leitmotiv desta crônica, pois ela fala com o coração repleto de sinceridade.             A considerar por suas postagens, a rotina da Neusa começa bem cedo. Com os raios da manhã brilhando ao fundo da serra, eis sua selfie matinal: “Bom dia, Matutina!”. Sua cara de pera de vez e seus olhos vivos aparecem então na foto, muitas vezes com seus instrumentos de trabalho ao fundo, pois a Neusa é gari na cidadezinh…

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DA BANDA FILARMÔNICA

Sentado em uma poltrona marrom encardida, seu Alfa assiste a seu programa favorito na TV. Não se trata do “Show da tarde” nem do “Jornal das quatro”, mas sim do “shoptime”, cheio de novidades interessantes, como o multiprocessador Vavita, uma revolução no mundo dos alimentos. O multiprocessador Vavita é prático, fácil de usar e pode ser comprado em trinta vezes no cartão. Seu Alfa ergue as sombrancelhas ao ouvir a oferta anunciada pela garota-propaganda, ou melhor, senhora-propaganda.
Pelas paredes do quarto, diversas lembranças e fotos penduradas. Em uma delas, seu Alfa posa com a equipe de futebol do exército. “Eu era lateral esquerdo”, afirma com uma ponta de orgulho. Na clássica formação de metade de cócoras e a outra metade em pé, ele aparece aprumado e confiante, deve ter sido um bom lateral. Em outra foto, ele perfila com farda e capacete debaixo do braço. “Sou o do meio, na primeira fila”, aponta com um viés de nostalgia. - Era muito difícil a vida no exército? - Tinha que leva…