Pular para o conteúdo principal

LATE NIGHT CLUB


 
(Foto: 98bowery.com)
            Texto de Fausta para Alícia:
            “Late Night Club, ½ noite, checar ZIP, vxt lgda”.
            Reply de Alícia:
            “Ok. ZIP in, KK Pablo - lgda?”
            Pablo, o cientista, brincando de sapo em ninho de cobras.
            Fausta mexe no bolso da cazadora:
            “Lgda, vou v, + sem ZIP out – necas!”
            ZIP é zero impact poison, veneno letal, gíria.
            ZIPs em todos os campos magnéticos, resistem ao ataque das maquininhas autogeridas com gosto de anis, punk drones, prontas para serem comidas antes que explodam!
             Late Night Club, ½ noite, Fausta tira do bolso o Ca(CIO)2, hipoclorito de cálcio, que não se toma – não se toma, entende? –, a menos que se deseje uma morte lenta e horrível, como a do King Kong, mas esta foi proposital.
            Hot pants, meias 7/8, cazadora, vestida para matar, Fausta; na pista de dança, funk, rap e o King Kong!
            “Tutti-tutti-tutti!”, o Smart. Alícia de novo:
            “ZIP out, ok, vxt lgda. Chg já.”
            “ZIP in, ok tbm. Vxt lgda”
            “15W, King Kong!”
            “King o quê?”
Vestido com estampa batik, botas ametista, óculos idem, essência de CH2 – CH – CH2, eugenol, clou de girofle, trança anos 70, Alícia alicia.
            Mesas de fórmica(!) compradas na IKEA, tamboretes de plástico, quatro, cinco, seis em redor de cada mesa, todos ocupados, assim como o espaço entre as mesas, a jukebox, o balcão de vidro décor,  com drinks, smarts, bocadillos em cima, cinzeiros não, é proibido há séculos, aqui não se fuma – não se fuma, entende? -, vá procurar um Garrastazu longe dos olhares curiosos – “Aquela escadinha que dá para o sótão, está vendo?”, mas beber pode, por favor!
            - E o gorila, quem é?
            - Kkkkk! O macaco?
            Spots, neons neolíticos, filadesarmônica atrás do King Kong, texto:
            “Gorila = Pablo, fui!”
            “ZIP in no bolso, ok.”
            E essa banda cafona nas telas de led?

We do the King Kong song, gotta sing along
Can't you hear the beating of the monkey tom-tom!”

            No Garrastazu do sótão, fumaça de gelo picado, Fausta,  Pablo = 45E, Alícia, misto-quente, sanduíche de gente.
           
            “Listen to the rhythm of the King Kong song!”
             
            45E = 15W, usando, apenas, o centro do mundo, Pablo decifra o enigma:
            “½ noite = Fausta/Alícia, ZIP in = a fórmula Ca(CIO)2 do hipoclorito de cálcio para matar bactérias, fungos e afins que o macaco ingeriu; ZIP out = CH2 – CH – CH2 = eugenol, clou de girofle do perfume Le Nombre d’or – Vanille de Mona di Orio de Fausta e Alícia; 45E leste, 15W oeste, os opostos se encontram; King Kong song = ABBA.”
©
Abrão Brito Lacerda
19 08 16







            

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CAI O QUEIXO

Neusa Santos 27 de dezembro às 05:58 ·  Bom dia , Matutina !


Para começar, uma nobre verdade: não conheço a Neusa. Pelo menos, não pessoalmente. Não se trata de uma ex-colega de faculdade, de alguém que virou celebridade de um minuto através de milhões de likes, eu a encontrei no perfil de um amigo e ela acabou se tornando também minha “amiga”. Fora isso, nunca a vi mais magra, a não ser nas selfies do Facebook. Mas como final de ano é uma época para mensagens altruísticas e não coisas do tipo “vejam minha ceia de Natal, gente como estou magra! Este é o meu bebê”, escolhi a Neusa como leitmotiv desta crônica, pois ela fala com o coração repleto de sinceridade.             A considerar por suas postagens, a rotina da Neusa começa bem cedo. Com os raios da manhã brilhando ao fundo da serra, eis sua selfie matinal: “Bom dia, Matutina!”. Sua cara de pera de vez e seus olhos vivos aparecem então na foto, muitas vezes com seus instrumentos de trabalho ao fundo, pois a Neusa é gari na cidadezinh…

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DA BANDA FILARMÔNICA

Sentado em uma poltrona marrom encardida, seu Alfa assiste a seu programa favorito na TV. Não se trata do “Show da tarde” nem do “Jornal das quatro”, mas sim do “shoptime”, cheio de novidades interessantes, como o multiprocessador Vavita, uma revolução no mundo dos alimentos. O multiprocessador Vavita é prático, fácil de usar e pode ser comprado em trinta vezes no cartão. Seu Alfa ergue as sombrancelhas ao ouvir a oferta anunciada pela garota-propaganda, ou melhor, senhora-propaganda.
            Pelas paredes do quarto, diversas lembranças e fotos penduradas. Em uma delas, seu Alfa posa com a equipe de futebol do exército. “Eu era lateral esquerdo”, afirma com uma ponta de orgulho. Na clássica formação de metade de cócoras e a outra metade em pé, ele aparece aprumado e confiante, deve ter sido um bom lateral. Em outra foto, ele perfila com farda e capacete debaixo do braço. “Sou o do meio, na primeira fila”, aponta com um viés de nostalgia. - Era muito difícil a vida no exército? - Ti…

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de