Pular para o conteúdo principal

LATE NIGHT CLUB


 
(Foto: 98bowery.com)
            Texto de Fausta para Alícia:
            “Late Night Club, ½ noite, checar ZIP, vxt lgda”.
            Reply de Alícia:
            “Ok. ZIP in, KK Pablo - lgda?”
            Pablo, o cientista, brincando de sapo em ninho de cobras.
            Fausta mexe no bolso da cazadora:
            “Lgda, vou v, + sem ZIP out – necas!”
            ZIP é zero impact poison, veneno letal, gíria.
            ZIPs em todos os campos magnéticos, resistem ao ataque das maquininhas autogeridas com gosto de anis, punk drones, prontas para serem comidas antes que explodam!
             Late Night Club, ½ noite, Fausta tira do bolso o Ca(CIO)2, hipoclorito de cálcio, que não se toma – não se toma, entende? –, a menos que se deseje uma morte lenta e horrível, como a do King Kong, mas esta foi proposital.
            Hot pants, meias 7/8, cazadora, vestida para matar, Fausta; na pista de dança, funk, rap e o King Kong!
            “Tutti-tutti-tutti!”, o Smart. Alícia de novo:
            “ZIP out, ok, vxt lgda. Chg já.”
            “ZIP in, ok tbm. Vxt lgda”
            “15W, King Kong!”
            “King o quê?”
Vestido com estampa batik, botas ametista, óculos idem, essência de CH2 – CH – CH2, eugenol, clou de girofle, trança anos 70, Alícia alicia.
            Mesas de fórmica(!) compradas na IKEA, tamboretes de plástico, quatro, cinco, seis em redor de cada mesa, todos ocupados, assim como o espaço entre as mesas, a jukebox, o balcão de vidro décor,  com drinks, smarts, bocadillos em cima, cinzeiros não, é proibido há séculos, aqui não se fuma – não se fuma, entende? -, vá procurar um Garrastazu longe dos olhares curiosos – “Aquela escadinha que dá para o sótão, está vendo?”, mas beber pode, por favor!
            - E o gorila, quem é?
            - Kkkkk! O macaco?
            Spots, neons neolíticos, filadesarmônica atrás do King Kong, texto:
            “Gorila = Pablo, fui!”
            “ZIP in no bolso, ok.”
            E essa banda cafona nas telas de led?

We do the King Kong song, gotta sing along
Can't you hear the beating of the monkey tom-tom!”

            No Garrastazu do sótão, fumaça de gelo picado, Fausta,  Pablo = 45E, Alícia, misto-quente, sanduíche de gente.
           
            “Listen to the rhythm of the King Kong song!”
             
            45E = 15W, usando, apenas, o centro do mundo, Pablo decifra o enigma:
            “½ noite = Fausta/Alícia, ZIP in = a fórmula Ca(CIO)2 do hipoclorito de cálcio para matar bactérias, fungos e afins que o macaco ingeriu; ZIP out = CH2 – CH – CH2 = eugenol, clou de girofle do perfume Le Nombre d’or – Vanille de Mona di Orio de Fausta e Alícia; 45E leste, 15W oeste, os opostos se encontram; King Kong song = ABBA.”
©
Abrão Brito Lacerda
19 08 16







            

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de

50 ANOS DE BUDISMO NO VALE DO AÇO, MG

Ipatinga e região viveu neste 22 de agosto de 2015 um dia histórico com a Convenção Cultural em comemoração aos  50 anos da implantação do Budismo de Nitiren Daishonin no Vale do Aço. O evento é tanto mais significativo porque se confunde com a própria história da cidade, pois foi através da siderúrgica Usiminas, criada em outubro de 1962, que os primeiros japoneses se instalaram no que à época era uma vila pertencente ao município vizinho de Coronel Fabriciano, vindos sobretudo dos estados de São Paulo e Paraná. Com os imigrantes vieram os hábitos e a cultura, com destaque para a culinária e artes como a ikebana, o origami e a caligrafia, além da filosofia grandiosa do Budismo. 
            Muitos tinham se convertido ainda no Japão, outros se converteram após chegarem ao Brasil, graças ao impulso propagador do pós-guerra promovido pela Soka Gakkai, no movimento chamado Kossen-rufu.


































KOSSEN-RUFU E DESENVOLVIMENTO DE VALORES HUMANOS

          Kossen-rufu significa ampla propag…

MAGA PATALÓGIKA E O ORGASMO ATÔMICO

Até que enfim explicaram a explosão da bomba de Hiroshima, um dos segredos mais bem guardados da humanidade, mais inviolável do que, digamos,  o cinto de castidade. Foi um grande avanço para a ciência experimental, nos limites da science fiction, da animação cinematográfica e da física nuclear.             A Maga em questão é mesmo a bruxa dos gibis de Walt Disney, obcecada pela moedinha número um do Tio Patinhas, mas que sempre leva chumbo do velho sovina. Só mesmo um gato agourento e dois corvos ligeiramente néscios, altamente malévolos, o Laércio e o Perácio, igualmente péssimos piadistas, para tolerar a megera. Ainda que a Maga não seja de todo má, é esbelta e ágil – sopa de morcego com pimenta malagueta? –, tem olhos verdes faiscantes e sabe cavalgar uma vassoura como ninguém. Agora descobriram o poder secreto daquele inebriante quaac! que ela solta toda vez que se dá mal.             Convidaram os professores Pardal e Ludovico para chefiar uma série de experiências destin…