Pular para o conteúdo principal

VELHA DEMAIS PARA MORRER!


(Imagem: ozzienews.com)

            Os velhinhos andam impossíveis, minha vizinha, a Dona Clotildes, saiu da bengala para a moto e minha avô anda querendo fazer o mesmo. A menos que elas tenham perdido o juízo, isso não é coisa para senhoras de respeito.
            O Clube de Mototrilha da Terceira Idade é uma insensatez que filhos e netos deveriam coibir. Vovôs não têm mais reflexos para subir uma trilha escorregadia ou atravessar uma ponte feita de um único tronco de árvore. Mas é isso o que anda acontecendo.
            No intuito de demover minha avó dessa ideia tresloucada, fui entrevistar a Dona Clotildes e seu piloto, o Seu Eudésio, outro ancião que não anda batendo bem da bola:
            - Por que resolveram aderir ao clube de motocross da terceira idade?
            - Fui chamado para um teste drive – respondeu seu Eudésio. - Eu tinha que subir uma rampa pilotando uma moto de 200 cilindradas.
            - O senhor já sabia pilotar antes?
            - Tomei algumas aulas com meu netinho Lucas na motinha elétrica dele, é a mesma coisa, basta acelerar e frear.
            - Mas, nas motos de verdade, tem que passar marcha também!
            - É fácil, você pisa na embreagem e mexe a mão, sempre sai alguma marcha. O importante é que não tem marcha a ré, você nunca erra, sempre passa alguma marcha!
            - E o senhor conseguiu passar no teste drive?
            - Claro, já passei dos 80 anos. No teste drive você não precisa subir a rampa de verdade, basta sair vivo!
            - Então é um teste drive para provar que não vai morrer?
            - Esse é o único critério exigido para ser membros do clube, além, é claro, de ter a moto.
            - E como o senhor conseguiu uma?
            - Comprei à prestação, para ser deduzida da aposentadoria durante 96 meses.
            - Isso dá oito anos!
            - Exatamente! É muito mais tempo do que espero viver.
            - Ainda assim, é uma maluquice!
            - Não é não, tem uma vantagem incrível: já vem com atestado de óbito, em caso de necessidade, basta preencher.
            Foi demais pra minha cabeça, apelei pra Dona Clotildes:
            - A senhora pelo menos consultou o médico?
            - Foi ele quem me recomendou exercícios e atividades ao ar livre.
            - Mas andar na garupa de uma moto é muito perigoso. A senhora pode... morrer!
            - Quá! Quá! Quá! Já passei dos noventa anos. Se o Eudésio, que é dez anos mais novo do que eu, pode, por que eu também não posso?
            - Como a senhora consegue subir na moto, se usa muleta?
            - Inventamos a manobra do balanço, eu sento, meus netos me embalam e, quando ganho altura suficiente, pulo na garupa da moto!
            - A senhora pula do balanço na garupa da moto?
            - Mas não conte pra Todinha, ela está tentando aprender há duas semanas e ainda não conseguiu...
            Que situação! Minha querida vó Todinha quer acompanhar esse bando de caducos no próximo fim de semana e a família, que já tentou de tudo, me pediu pra levá-la pra escolher um capacete. Preciso dissuadi-la. Se não agir rápido, corro o risco de virar motorista de ambulância.
            Com toda a delicadeza, procurei explicar-lhe o perigo:
            - Vó, a senhora usa remédios controlados, tem pressão alta...
            - Assim é melhor, nem preciso de adrenalina, já tenho pressão acima do normal.
            - E se a senhora não aguentar?
            - Não sou de me entregar fácil, aguento três noras há mais de vinte anos...
            - Mas, para isso, terá que subir na moto e sua perna direita tá dura, como vai fazer?
            Vó Todinha levou a mão à fronte como quem diz “Como esse molenga vai fazer para chegar a minha idade?”
            - Já pensei em tudo, vou escorregar no corrimão e cair em cima da moto!
            - E como vai subir no corrimão?
            Pacientemente, ela apontou o dedinho esclerosado para o teto, onde uma roldana novinha em folha estava pronta para uso.
            - Tá bem, vó. Qual vai ser a cor do capacete?
©
Abrão Brito Lacerda
03 04 16

(Imagem: pinterest.com)

           





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CAI O QUEIXO

Neusa Santos 27 de dezembro às 05:58 ·  Bom dia , Matutina !


Para começar, uma nobre verdade: não conheço a Neusa. Pelo menos, não pessoalmente. Não se trata de uma ex-colega de faculdade, de alguém que virou celebridade de um minuto através de milhões de likes, eu a encontrei no perfil de um amigo e ela acabou se tornando também minha “amiga”. Fora isso, nunca a vi mais magra, a não ser nas selfies do Facebook. Mas como final de ano é uma época para mensagens altruísticas e não coisas do tipo “vejam minha ceia de Natal, gente como estou magra! Este é o meu bebê”, escolhi a Neusa como leitmotiv desta crônica, pois ela fala com o coração repleto de sinceridade.             A considerar por suas postagens, a rotina da Neusa começa bem cedo. Com os raios da manhã brilhando ao fundo da serra, eis sua selfie matinal: “Bom dia, Matutina!”. Sua cara de pera de vez e seus olhos vivos aparecem então na foto, muitas vezes com seus instrumentos de trabalho ao fundo, pois a Neusa é gari na cidadezinh…

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DA BANDA FILARMÔNICA

Sentado em uma poltrona marrom encardida, seu Alfa assiste a seu programa favorito na TV. Não se trata do “Show da tarde” nem do “Jornal das quatro”, mas sim do “shoptime”, cheio de novidades interessantes, como o multiprocessador Vavita, uma revolução no mundo dos alimentos. O multiprocessador Vavita é prático, fácil de usar e pode ser comprado em trinta vezes no cartão. Seu Alfa ergue as sombrancelhas ao ouvir a oferta anunciada pela garota-propaganda, ou melhor, senhora-propaganda.
Pelas paredes do quarto, diversas lembranças e fotos penduradas. Em uma delas, seu Alfa posa com a equipe de futebol do exército. “Eu era lateral esquerdo”, afirma com uma ponta de orgulho. Na clássica formação de metade de cócoras e a outra metade em pé, ele aparece aprumado e confiante, deve ter sido um bom lateral. Em outra foto, ele perfila com farda e capacete debaixo do braço. “Sou o do meio, na primeira fila”, aponta com um viés de nostalgia. - Era muito difícil a vida no exército? - Tinha que leva…