Pular para o conteúdo principal

ATAQUE NUCLEAR!


(Explosão nuclear foto OTAN)

         Neste mundo em que você chama o ladrão e vem a polícia e vice-versa, não há mais lugar para filosofia, o jeito é apelar para os videogames e suas soluções radicais – bem melhor do que pedir asilo em Disneyworld, além de muito mais barato. Onde tudo é fantasia, o maravilhoso e o horrível se juntam e não há nenhuma surpresa quando o jogo acaba em ataque nuclear!
            Vou falar de Fallout, uma terra sem lei, onde os humanos remanescentes da hecatombe lutam com máquinas as mais diversas, algumas até mesmo mais inteligentes do que eles, além de insetos resultantes de mutações genéticas, como as baratas radioativas. Essas últimas são terríveis, devoram matéria orgânica e metal com o mesmo apetite. Para eliminá-las é necessária munição suficiente para matar dezenas de zumbis, outros inimigos dos quais é preciso se defender. Os zumbis se nutrem de cérebros humanos, portanto, cuidado! Acumule vidas e energia suficientes para enfrentá-los, além de água, que é o bem mais escasso de Fallout. O menino não titubeia quando enfrenta esses inimigos que nós adultos nem sequer sonhamos existir: é ataque nuclear!
            Nessa terra de extremos, o ar puro desapareceu, tudo é brumoso, escuro e sufocante, você pode ficar com o botim dos inimigos, geralmente armas e víveres, já que o que a única coisa que conta mesmo é sobreviver. Mas você não deve carregar coisas demais, senão vai ficar muito pesado e não conseguirá ir longe e os ratos mutantes vão te pegar. Sim, ratos mutantes, espécie de camaleões do fim dos tempos, predadores tão ou mais perigosos do que as baratas radioativas. Eles se apropriam dos espólios dos antigos centros de decisão, do Pentágono, do hexágono e do Quadrilátero Ferrífero. Devoram todos os computadores (têm predileção especial por circuitos integrados e memórias virtuais), os estoques de ouro e dólar e, quando essas pestes comem moedas, ficam incontroláveis, incham-se e podem até explodir, espalhando merda para todo lado, uma merda fedorenta e tóxica. Para acabar com eles, só mesmo ataque nuclear!


(Imagem: www.sitespsu.edu)

A estratégia ideal é reabastecer-se de tempos em tempos. E cada lugar é outra história, novas armadilhas e obstáculos. Se você encontrar soldados do exército dos Spacebugs, prepare-se! Eles têm miniguns e raio-lasers e pretendem ocupar todos os postos chaves dos terráqueos. Isso mesmo, você leu bem, o exército dos Spacebugs veio de outra galáxia e está explorando nosso planeta desolado com a mesma intenção que você: encontrar meios possíveis de derrotar uma miríade de criaturas monstruosas e máquinas maníacas e restabelecer as bases da civilização em nosso planeta. Se um deles te eliminar, vai ficar com sua personalidade e sua aparência, portanto poderá se fazer passar por um humano. Geralmente eles fazem você gastar toda sua munição antes de te pegar. A única solução eficaz contra o exército dos Spacebugs é: ataque nuclear!
É cada um por si e o acaso contra todos: você precisa usar máscara de oxigênio para respirar e ainda – sob pena de perder suas vidas rapidamente - reconhecer os pontos de captura de balões de oxigênio através da sua PNU ou Personal Navigation Unit, ou pode ficar com o oxigênio de algum inimigo eliminado, isto é, algum humano extraviado, porque as máquinas e os infames ETs não precisam disso, hehehe! Se, no final, sobrar vidas e imaginação, procure construir uma nave espacial sem demora, como todos os sobreviventes dessa época tardia são capazes de fazer: vá reunindo as partes, tanques de combustível, foguete e cápsula em algum hangar protegido (há pouquíssimos disponíveis, é preciso contar com a sorte), porque na hora H, não há dúvida, será preciso abandonar o planeta e lançar-se em uma aventura pelo espaço sideral – seu último gesto será dar adeus a esse monte de lixo vagando pelo universo, antes que algum alienígena o elimine com um “ultimate” (definitivo) ataque nuclear!


(Imagem: www.questgamingnetwork.com)

©
Abrão Brito Lacerda

20 01 16

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CAI O QUEIXO

Neusa Santos 27 de dezembro às 05:58 ·  Bom dia , Matutina !


Para começar, uma nobre verdade: não conheço a Neusa. Pelo menos, não pessoalmente. Não se trata de uma ex-colega de faculdade, de alguém que virou celebridade de um minuto através de milhões de likes, eu a encontrei no perfil de um amigo e ela acabou se tornando também minha “amiga”. Fora isso, nunca a vi mais magra, a não ser nas selfies do Facebook. Mas como final de ano é uma época para mensagens altruísticas e não coisas do tipo “vejam minha ceia de Natal, gente como estou magra! Este é o meu bebê”, escolhi a Neusa como leitmotiv desta crônica, pois ela fala com o coração repleto de sinceridade.             A considerar por suas postagens, a rotina da Neusa começa bem cedo. Com os raios da manhã brilhando ao fundo da serra, eis sua selfie matinal: “Bom dia, Matutina!”. Sua cara de pera de vez e seus olhos vivos aparecem então na foto, muitas vezes com seus instrumentos de trabalho ao fundo, pois a Neusa é gari na cidadezinh…

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DA BANDA FILARMÔNICA

Sentado em uma poltrona marrom encardida, seu Alfa assiste a seu programa favorito na TV. Não se trata do “Show da tarde” nem do “Jornal das quatro”, mas sim do “shoptime”, cheio de novidades interessantes, como o multiprocessador Vavita, uma revolução no mundo dos alimentos. O multiprocessador Vavita é prático, fácil de usar e pode ser comprado em trinta vezes no cartão. Seu Alfa ergue as sombrancelhas ao ouvir a oferta anunciada pela garota-propaganda, ou melhor, senhora-propaganda.
Pelas paredes do quarto, diversas lembranças e fotos penduradas. Em uma delas, seu Alfa posa com a equipe de futebol do exército. “Eu era lateral esquerdo”, afirma com uma ponta de orgulho. Na clássica formação de metade de cócoras e a outra metade em pé, ele aparece aprumado e confiante, deve ter sido um bom lateral. Em outra foto, ele perfila com farda e capacete debaixo do braço. “Sou o do meio, na primeira fila”, aponta com um viés de nostalgia. - Era muito difícil a vida no exército? - Tinha que leva…

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de