Pular para o conteúdo principal

INDEPENDÊNCIA DE MORTE!


(Imagem: www.memorialculturalunaí.blogspot.com)

           Quase véspera do dia 7 de setembro, a fessora Juliana perguntou à turma do 5º ano:
            - Por que segunda-feira que vem é feriado?
            Juquinha levantou a mão:
            - É porque meu pai disse que temos que ir no sítio da vovó fazer um churrasco e eu vou montar a cavalo e ir passear no córrego...
            - Buuuuu!  Nerd apelão!
            - Gabriel, o que comemoramos em 7 de setembro?
            Gabrielzinho ficou no aperto, tinham-se passado duas semanas da prova e ele agora confundia as datas. Arriscou com um fio de voz:
            - Proclamação da República?
            - Quá! Quá! Quá!...
            - Silêncio! tia Juliana começou a ficar inquieta. Alguém conversou com os pais a respeito?
            Ivan, o terrível, se apresentou:
            - Falei com minha mãe, ela disse que não podemos comemorar nada ainda porque temos que economizar para a viagem à Disney no mês do Halloween...
            - Uá! Uá! Vai virar o Wizard do Don’t Starve!
            Por essas e outras, as antigas celebrações cívicas perderam lustro e prestígio e hoje estão confinadas ao cercado da Dilma em Brasília. Com uma ou duas exceções, como a que pude testemunhar nesta sexta-feira, antevéspera do 7 de setembro: desfile antecipado em pleno centro comercial da cidade, entre carros e pedestres, com alas organizadas e faixas alusivas, de pirraça, sem dúvida, para lembrar aos desmiolados compatriotas que o Brasil tem história e, se o presente é capenga e o futuro incerto, o passado merece ser exumado e reescrito.
            Havia até mesmo uma ala de escravos no desfile cívico dessa sexta-feira, com meninos trajando calças de algodão grosso e atados uns aos outros pelos punhos. Como na mente infantil ser escravo ou imperador dá no mesmo, afinal tudo é carnaval, melhor é desfilar em trajes mais adequados ao clima tropical do que envergar um terno de veludo e meias de algodão só para representar o monarca – que nem sequer era brasileiro, foi mandado de volta a Portugal com a proclamação da república.
            Nos meus tempos de escola primária, ansiávamos pelo 7 de setembro como Juquinha ansiava pelo passeio ao sítio da vovó. Em uma ocasião, fui selecionado para integrar a ala dos escravos da Escola Municipal Machado de Assis (nome que eu estranhava, pois, para mim, menino de roça, acostumado com foices e outros utensílios, aquilo só poderia ser “machado de aço”!). Para aumentar a autenticidade, nós, brancos e pardos, fomos bezuntados de azeite com pó de carvão, das orelhas até a sola dos pés. Ficamos mais pretos do que os próprios africanos.
(Imagem: profisabelaguiar.blogspot.com)
            Sob um sol de mais de trinta graus, enfrentamos o inferno pelas ruas de terra, arrastando correntes e ainda mais com o capitão-do-mato (um menino maior, de botas, chapéu pontudo e bacamarte) berrando aos nossos ouvidos. Naquela época a coisa era tomada a sério, havia palanque e comissão julgadora para escolher os melhores dentre todas as escolas. Perdemos o primeiro lugar para a ala das balizas, mas, surpresa, um garimpeiro recém-chegado da lavra comoveu-se com nosso infortúnio e anunciou publicamente:
            - Vou oferecer uma “pedra azul” aos escravos!
            E ofereceu mesmo, para alarde dos alunos da escola “Machado de Aço”.
            Fomos aplaudidos como heróis, provavelmente a única vez em que isso aconteceu com um bando de escravos. Levamos um emocionado abraço do professor Marivaldo, idealizador do desfile, que nem sequer se importou em levar para casa um pouco da nossa borra de carvão impregnada na roupa.
            O imperador e seu séquito, com pajens e trambiqueiros, ficou morrendo de inveja. A Pedrita foi exibida como digno troféu pelos falsos meninos negros, mas o professor Marivaldo, com ares de sábio conselheiro, e com a anuência da diretora, declarou:
            - O prêmio é para toda a classe. Dá para fazer uma excursão de fim de ano.
            As semanas seguintes foram de frenéticos planos de viagem, praia, cachoeira, talvez alugar uma sorveteria. Só que a venda da pedra se mostrou mais complicada do que esperávamos. E o professor Marivaldo, antes tão aplicado, andava matando aula. A explicação não tardou: ele tinha ido consultar pedristas (nome dado aos comerciantes de pedras) em Teófilo Otoni e além, buscando o melhor preço, agora já orçado na casa dos milhares de cruzeiros.
            Esperamos até o final do ano, o professor Marivaldo nunca voltou.
©
Abrão Brito Lacerda
09 09 15

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de

MAGA PATALÓGIKA E O ORGASMO ATÔMICO

Até que enfim explicaram a explosão da bomba de Hiroshima, um dos segredos mais bem guardados da humanidade, mais inviolável do que, digamos,  o cinto de castidade. Foi um grande avanço para a ciência experimental, nos limites da science fiction, da animação cinematográfica e da física nuclear.             A Maga em questão é mesmo a bruxa dos gibis de Walt Disney, obcecada pela moedinha número um do Tio Patinhas, mas que sempre leva chumbo do velho sovina. Só mesmo um gato agourento e dois corvos ligeiramente néscios, altamente malévolos, o Laércio e o Perácio, igualmente péssimos piadistas, para tolerar a megera. Ainda que a Maga não seja de todo má, é esbelta e ágil – sopa de morcego com pimenta malagueta? –, tem olhos verdes faiscantes e sabe cavalgar uma vassoura como ninguém. Agora descobriram o poder secreto daquele inebriante quaac! que ela solta toda vez que se dá mal.             Convidaram os professores Pardal e Ludovico para chefiar uma série de experiências destin…

PAULO LEMINSKI: POESIA DO ACASO

Falarei do acaso para falar de Paulo Leminski (1944 – 1989), um dos poetas modernos que mais admiro e que leio com mais prazer. Pretendo transmitir um pouco da fruição que sinto ao ler seus poemas, como, por exemplo, o prazer do inesperado:
eu ontem tive a impressão que deus quis falar comigo         não lhe dei ouvidos
quem sou eu para falar com deus? ele que cuide de seus assuntos eu cuido dos meus
Você achou o poeta petulante demais? Ora, ele está apenas fingindo uma humildade que não possui, pois, enquanto artista, deve buscar o absoluto, o não dito. Deve rivalizar-se com Deus (seus assuntos são tão importantes quanto os do Criador, ora bolas!). Acadêmicos e gente que adora esfolar o cérebro dirão que o acaso não existe, mesmo na arte, que tudo é obra de saber e técnica, etc., etc. Mas apreender o acaso é tudo que o artista busca. Mallarmé (vejam minha postagem de 17 de março de 2012 sobre o poema Salut), o mestre que faz os eruditos caírem de joelhos, já ensinou há um século e meio em u…