Pular para o conteúdo principal

THE BELLMAN





Fernandes é uma criança de calças compridas.  Tem rosto redondo, olhos grandes e um sorriso sempre aberto. No Luxury Hotel, onde ele trabalha de smoking e quepe preto, sua silhueta embeleza o hall, quase tanto quanto uma estátua do Buda.
Ele sabe tratar os hóspedes com deferência:
            - Boa tarde, madame. Posso ajudá-la com as malas?
            Arrisca até o inglês, se desconfia que o hóspede é estrangeiro:
            - Good day, gentleman. This way, please.
            Ele é o bellman, aquele que fica à disposição da recepção para atender aos quartos, dar recados, transportar bagagens, com ou sem carrinho, subir e descer sem parar, escada elevador, elevador escada. Os outros reclamam, mostram uma simpatia protocolar. Ele procura todos os dias não desmerecer as recomendações da amiga da mãe, que o indicou para o emprego: “Fernandes é honesto e responsável. O senhor vai ficar orgulhoso de tê-lo empregado.”
            Certo dia ele chegou ao trabalho usando uma máscara verde, e foi aquele alvoroço. Os colegas tentaram convencê-lo a abandonar o disfarce, mas ele relutou em aceitar:
            - Ganhei da minha tia. Ela usou no carnaval.
            Foi o gerente quem conseguiu convencê-lo, através de um hábil argumento:
- Vou guardar em minha gaveta, você pode perder. Pegue de volta  no final da jornada.
            A mãe morre de preocupação ao ver o Fernandes se preparar de manhã para sair. Ele escova os dentes e toma banho ao mesmo tempo, veste as calças enquanto coloca os sapatos. Dobra o smoking em quatro partes, coloca em um envelope plástico e amarra na garupa da bicicleta.  Se é dia de pagamento, ela nunca esquece de recomendar:
            - Não pegue dinheiro, os vagabundos - que infestam o bairro - vão querer te roubar!  
            E ele sai pedalando com energia.
            Passa em frente ao Bar do Vicente, onde os cães o aguardam de orelha em pé e saem em seu encalço, latindo e mordendo as rodas da bicicleta. Fernandes grita, os cães rosnam, como se estivessem atacando uma presa de verdade. Depois, dão meia- volta e retornam ao bar.
            Outro dia foi o aniversário da mãe e ele quis fazer uma surpresa: comprou um presente, mandou embrulhar em um vistoso papel amarelo e colocou na garupa da bike. Passou ainda no supermercado, de onde saiu com duas sacolas, que foram penduradas, uma de cada lado, no guidon. E rumou para casa, sem se preocupar com os carros, motos, pedestres do caminho.
Vinte minutos, já estava perto do Bar do Vicente, e foi quando um pensamento o tomou de assalto: “Os cães podem morder as sacolas, além disso, a bike está mais pesada e difícil de guiar. E se eu deixar o presente cair?...



            Enquanto estava envolto em tais pensamentos, os vagabundos que infestavam o bairro apareceram e começaram a correr atrás dele. Fernandes se lembrou do conselho da mãe e fugiu com o coração nas pernas. Nem notou que já estava passando em frente ao bar, onde os cães o aguardavam de orelhas em pé.
            No entanto, para surpresa de Fernandes e dos cínicos que acompanhavam a cena da calçada, os cães não o atacaram dessa vez. Ao verem os moleques correndo atrás da bicicleta, sentiram-se enciumados e avançaram furiosamente contra eles. Os moleques levaram mordidas nos calcanhares, nos braços e nos traseiros, e fugiram feito gatos escorraçados.
Fernandes respirou aliviado e pensou:
            “Da próxima fez, trago comida para os cachorros.”
©
Abrão Brito Lacerda

15 04 15

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CAI O QUEIXO

Neusa Santos 27 de dezembro às 05:58 ·  Bom dia , Matutina !


Para começar, uma nobre verdade: não conheço a Neusa. Pelo menos, não pessoalmente. Não se trata de uma ex-colega de faculdade, de alguém que virou celebridade de um minuto através de milhões de likes, eu a encontrei no perfil de um amigo e ela acabou se tornando também minha “amiga”. Fora isso, nunca a vi mais magra, a não ser nas selfies do Facebook. Mas como final de ano é uma época para mensagens altruísticas e não coisas do tipo “vejam minha ceia de Natal, gente como estou magra! Este é o meu bebê”, escolhi a Neusa como leitmotiv desta crônica, pois ela fala com o coração repleto de sinceridade.             A considerar por suas postagens, a rotina da Neusa começa bem cedo. Com os raios da manhã brilhando ao fundo da serra, eis sua selfie matinal: “Bom dia, Matutina!”. Sua cara de pera de vez e seus olhos vivos aparecem então na foto, muitas vezes com seus instrumentos de trabalho ao fundo, pois a Neusa é gari na cidadezinh…

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DA BANDA FILARMÔNICA

Sentado em uma poltrona marrom encardida, seu Alfa assiste a seu programa favorito na TV. Não se trata do “Show da tarde” nem do “Jornal das quatro”, mas sim do “shoptime”, cheio de novidades interessantes, como o multiprocessador Vavita, uma revolução no mundo dos alimentos. O multiprocessador Vavita é prático, fácil de usar e pode ser comprado em trinta vezes no cartão. Seu Alfa ergue as sombrancelhas ao ouvir a oferta anunciada pela garota-propaganda, ou melhor, senhora-propaganda.
            Pelas paredes do quarto, diversas lembranças e fotos penduradas. Em uma delas, seu Alfa posa com a equipe de futebol do exército. “Eu era lateral esquerdo”, afirma com uma ponta de orgulho. Na clássica formação de metade de cócoras e a outra metade em pé, ele aparece aprumado e confiante, deve ter sido um bom lateral. Em outra foto, ele perfila com farda e capacete debaixo do braço. “Sou o do meio, na primeira fila”, aponta com um viés de nostalgia. - Era muito difícil a vida no exército? - Ti…

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de