Pular para o conteúdo principal

PAPO POPULAR




Passei o ano de 2014 falando de minhas amigas, agora vou falar de alguns amigos. Afinal, homem também é importante, como dizia a Mae West, aquela que se casou 11 vezes. Não é porque a mulher cria e procria que vamos esquecer a outra metade da humanidade. E como estas são histórias verdadeiras, qualquer semelhança com pessoas bem vivas não será mera coincidência.
Meu amigo José Roseira é o cara. Artista dos mais populares na rede, é difícil você se destacar entre os milhares que o seguem. Ficou até sem graça dar um “like” para a foto que ele acabou de postar, você se apressa com o dedo indicador, não precisa ser o primeiro, o quinto já bastaria, e aparece aquela mensagem: “Você e outras 598 pessoas curtiram isso.”
Já o Plácido Domingues é um injustiçado. Todo dia milhares de pessoas ao redor do mundo o confundem com o famoso tenor espanhol e visitam sua página. Mas ninguém deixa comentários, ninguém “like”. Ele até virou cantor em um coral e tem refinado seus comentários sobre política, filosofia, medicina chinesa e hologramas bifásicos. Sua companheira e mais três amigos curtem, e só.

(imagem: www.sul21.com.br)

E tem o Anacleto Bolivariano, acho que todo mundo tem um amigo assim, e não é defeito. Ele cruza os ares de norte a sul dando palestras sobre a cor da gente injustiçada pelas elites corruptas deste país. É contra o aburguesamento das novas classes, essa coisa de negão querendo casar com loira não é com ele. Mas pode mudar de opinião se o cachê for bom.
Nem sequer publicar um livro virou prova de que a pessoa tem algo a dizer. Pode até ser o contrário. O Robério perdeu metade dos amigos depois que passou a anunciar seu livro na rede. O único comentário, supostamente positivo, veio em uma língua que ninguém deste lado do mundo consegue entender: 一个人如何抓紧时间这样的事情!
E tem gente que critica a falta de cultura, essa coisa pré-bolivariana. Estamos numa época em que todos precisam comer, e aí não sobra cultura para todo mundo, sabe como é, feijão pouco, meu caldo de cultura primeiro. A fome é tanta que estão comendo as letras, “você” virou “vc”, “Eu te amo” agora se escreve “β → ∆" e, pasmem, a cultura brasileira perdeu o “l”, agora se escreve "cu..." Desculpem, recuso-me a chegar a tal nível só por um “curtir”. Não mesmo, prefiro me mudar pra Miami!
©
Abrão Brito Lacerda

03 01 15
(imagem: www.techtudo.com.br)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CAI O QUEIXO

Neusa Santos 27 de dezembro às 05:58 ·  Bom dia , Matutina !


Para começar, uma nobre verdade: não conheço a Neusa. Pelo menos, não pessoalmente. Não se trata de uma ex-colega de faculdade, de alguém que virou celebridade de um minuto através de milhões de likes, eu a encontrei no perfil de um amigo e ela acabou se tornando também minha “amiga”. Fora isso, nunca a vi mais magra, a não ser nas selfies do Facebook. Mas como final de ano é uma época para mensagens altruísticas e não coisas do tipo “vejam minha ceia de Natal, gente como estou magra! Este é o meu bebê”, escolhi a Neusa como leitmotiv desta crônica, pois ela fala com o coração repleto de sinceridade.             A considerar por suas postagens, a rotina da Neusa começa bem cedo. Com os raios da manhã brilhando ao fundo da serra, eis sua selfie matinal: “Bom dia, Matutina!”. Sua cara de pera de vez e seus olhos vivos aparecem então na foto, muitas vezes com seus instrumentos de trabalho ao fundo, pois a Neusa é gari na cidadezinh…

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DA BANDA FILARMÔNICA

Sentado em uma poltrona marrom encardida, seu Alfa assiste a seu programa favorito na TV. Não se trata do “Show da tarde” nem do “Jornal das quatro”, mas sim do “shoptime”, cheio de novidades interessantes, como o multiprocessador Vavita, uma revolução no mundo dos alimentos. O multiprocessador Vavita é prático, fácil de usar e pode ser comprado em trinta vezes no cartão. Seu Alfa ergue as sombrancelhas ao ouvir a oferta anunciada pela garota-propaganda, ou melhor, senhora-propaganda.
            Pelas paredes do quarto, diversas lembranças e fotos penduradas. Em uma delas, seu Alfa posa com a equipe de futebol do exército. “Eu era lateral esquerdo”, afirma com uma ponta de orgulho. Na clássica formação de metade de cócoras e a outra metade em pé, ele aparece aprumado e confiante, deve ter sido um bom lateral. Em outra foto, ele perfila com farda e capacete debaixo do braço. “Sou o do meio, na primeira fila”, aponta com um viés de nostalgia. - Era muito difícil a vida no exército? - Ti…

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de