Pular para o conteúdo principal

A REVOLUÇÃO RELIGIOSA DE NITIREN DAISHONIN


            Nitiren Daishonin, nascido Zennichimaro, foi um monge budista japonês que viveu no século XIII (1222-1282). Oriundo de uma família de pescadores, entrou para o templo localizado nas proximidades de sua vila natal aos doze anos de idade. Essa era a única possibilidade de acesso à educação para as crianças pobres da época, uma vez que não havia escolas regulares.  No templo Seityo-ji praticava-se o budista do Sutra de Lótus na linha do mestre Tiantai, sobre o qual leremos abaixo, além de outras escolas que não seguiam de forma rigorosa este sutra.
            Quatro anos após ingressar no templo, onde estudava literatura budista, além de matérias seculares, Zennichimaro  tornou-se monge e mudou seu nome para Rencho, que significa Crescimento do Lótus.
Visando aprofundar seus conhecimentos, estudou nos mais importantes centros budistas japoneses da época, nas cidades de Kamakura, Kioto e Nara, quando leu todos os sutras disponíveis e compreendeu as doutrinas das várias escolas.
Nitiren teve, desde o início, grandes inquietações: se o Budismo existe para salvar as pessoas do sofrimento e trazer paz e estabilidade à sociedade, por que as escolas então existentes eram incapazes de realizar isto?; para qual verdade essencial havia despertado Sakyamuni, o primeiro Buda histórico?; como ele, Nitiren, poderia contribuir para libertar as pessoas do sofrimento?
 Ao retornar ao Templo Seityo-ji, em 1253, Nitiren havia despertado para algumas verdades essenciais, a saber que o Sutra de Lótus era o mais importante dentre os 80 mil ensinamentos que o Buda Sakyamuni havia exposto e que o título desse sutra, o Myoho Renge Kyo (Sutra da Lei Maravilhosa da Flor de Lótus), encerra seu coração ou essência, conforme havia sido amplamente explicado por Tientai em suas obras Palavras e Frases do Sutra de Lótus e O Profundo Significado do Sutra de Lótus.
 Em 28 de abril de 1253, após ter mudado seu nome para Nitiren, que significa lótus (ren) do sol (niti), expôs o Nam myoho renge kyo pela primeira vez, dando início a sua revolução religiosa.
Os anos que se seguiram foram de intensa atividade para Nitiren. Ele passou a divulgar o Nam myoho renge kyo através de viagens pelo Japão e a ensinar uma nova prática religiosa: simples e autêntica, ao alcance de qualquer pessoa. As perseguições não tardaram a aparecer: sacerdotes invejosos e governantes tirânicos conspiraram mais de uma vez contra sua vida e contra a vida de seus seguidores. Foi quando se revelou seu coração de leão, conforme deixou cunhado na frase lapidar: “A espada afiada da fé não deve ser manuseada por um covarde.” Nem os maiores infortúnios, como quando esteve na iminência de ser decapitado ou foi exilado em uma ilha inóspita, o fizeram perder a serenidade e a determinação. Datam dessa época alguns dos mais importantes tratados e cartas que compõem sua obra, que figura entre as mais eminentes já produzidas em qualquer tradição religiosa.
Ao expirar, em 13 de outubro de 1282, Nitiren tinha deixado uma obra destinada a revolucionar a prática religiosa nos tempos futuros, aliando de forma insuperável clareza, coerência, profundidade e abrangência.
Mas em que consiste de fato a mensagem de Nitiren?
Todas as escolas budistas originam-se dos ensinamentos do primeiro buda histórico, Sidarta Gautama ou Sakyamuni (563 – 483 a.C.).  Em cerca de 45 anos de pregação, o Buda proferiu milhares de ensinamentos que foram posteriormente compilados por seus discípulos na forma dos sutras. Contudo, há dois períodos distintos nessa trajetória de pregação: os trinta e cinco anos iniciais, quando o Buda ensinou de acordo com a capacidade das pessoas, visando elevar gradualmente as mentes para alcançarem estágios mais elevados,  e os últimos dez anos, em que o Buda transmitiu a Lei em sua integralidade, descartando os meios provisórios até então utilizados e preparando a permanência de sua obra no futuro.
Nitiren enfrentou a morte por diversas vezes.
Ao serem introduzidos na China, alguns séculos mais tarde, os sutras começaram a ser traduzidos e estudados. Destaca-se então a tradução de Kumarajiva (406 d. C.), que verteu o título original em sânscrito, Saddharma Pundarika Sutra, para Myoho Rengue Kyo, onde Myoho significa “Lei Mística”, Renge é “flor de lótus”, simbolizando a Lei fundamental de causa e efeito, e Kyo é “ensino”, além de designar transformação e continuidade da vida através do passado, presente e futuro. 
Pouco tempo depois, o Grande Mestre Tiantai (538 –597) elucidou vários pontos doutrinários da obra do Buda que tinham permanecido incompreendidos até então. Foi ele quem  abriu a compreensão para o verdadeiro alcance da Lei revelada no Myoho Renge Kyo e revelou o profundo significado do título deste sutra, estabelecendo a doutrina do Itinen Sanzen ou "três mil mundos em um único momento de vida", que me absterei de descrever em detalhes aqui. 
Resumidamente, o que esta doutrina indica é que cada instante de nossa vida manifesta o potencial inteiro da vida do universo e encerra a eternidade em seus três tempos, passado, presente e futuro. Isso implica que, ao manifestarmos o estado de Buda inerentes a nossas vidas, poderemos obter o benefício supremo da iluminação imediata, pois causa e efeito não são ações consecutivas mas sim simultâneas. 
Dois séculos mais tarde, o grande mestre Miao-lo (711-782), igualmente discípulo de Tiantai, deixou anotado em seus comentários sobre Anotações sobre o Profundo Significado do Sutra de Lótus de Tiantai que, na impossibilidade de se recitar todo o Sutra de Lótus, poder-se-ia repetir apenas uma parte deste; e, ainda que fosse impossível recitar uma parte, bastaria recitar o título, o Myoho Renge Kyo, para se obter igual efeito, conforme consta no próprio sutra:Se uma pessoa repetir ainda que uma única frase deste sutra, atingirá a iluminação” e “obterá benefícios incalculáveis”.
No entanto, assim como tinha acontecido com Tiantai, Miao-le não estabeleceu nenhuma prática nesse sentido, Esse mérito coube a Daishonin. Em suas palavras: Nanyue, Tiantai e Dengyo, apesar de compreenderem perfeitamente a verdade no coração, deixaram para o líder e mestre dos Últimos Dias a tarefa de propagar amplamente essa Lei [a lei do Myoho Renge Kyo].
 Ao ensinar este simples instrumento, ao alcance de qualquer pessoa, sem exigir formação prévia, aprendizagem especial, intermediação ou cerimonial, Daishonin propiciou o meio para a salvação de todas as pessoas dos Últimos Dias da Lei (a época atual). Foi uma profunda compaixão que o levou a empreender uma obra plena de sabedoria e poesia que resgata o princípio fundamental do budismo, que é uma filosofia de superação humana, de coragem e esperança para enfrentar qualquer tipo de dificuldade, sem perder o equilíbrio e a serenidade:

Ensinar as pessoas significa lubrificar as rodas para que as mesmas possam girar; ou fazer flutuar um navio para que o mesmo possa ser movimentado facilmente”.


O Myoho Renge Kyo é o ritmo do grandioso universo.


©
Abrão Brito Lacerda
18 12 14


Comentários

  1. Abrão, meus cumprimentos pela matéria. Bela pesquisa. Nitiren Daishonin deitou um olhar dos mais profundos sobre o Sutra de Lótus. Percebeu, nos 24 capítulos desse ensino atribuído ao Buda Sakyamuni, a grande revolução do MYO-HO-RENGUE-KYO. a penetração do Divino na natureza de todos os seres. Vejo no MYO-HO algo parecido com a Graça, a partir do "Et Verbum caro factum est" (e o Verbo se fez carne). Revisitando a mística teilhardiana, à qual me filio, entendo o MYO-HO-RENGUE-KYO como algo que que não é apenas forma semelhante de numerosas imanências, mas vida uniforme, embora múltipla, que se fraciona entre vivos; seiva única, que sobe nos galhos a partir de um mesmo tronco. Daí, Nitiren Dasishonin afirmar categoricamente: "não existe felicidade maior neste mundo para os seres humanos do que recitar NAM-MYO-HO-RENGUE-KYO".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado por seu comentário iluminado, Luiz. O kossen rufu pode ser empreendido de várias formas e ao empreendê-lo criamos elos com outras expressões da espiritualidade. Inevitável, a busca espiritual não é uma só, são muitas buscas que se sintetizam em UMA.

      Excluir

Postar um comentário

Gostaria de deixar um comentário?

Postagens mais visitadas deste blog

CAI O QUEIXO

Neusa Santos 27 de dezembro às 05:58 ·  Bom dia , Matutina !


Para começar, uma nobre verdade: não conheço a Neusa. Pelo menos, não pessoalmente. Não se trata de uma ex-colega de faculdade, de alguém que virou celebridade de um minuto através de milhões de likes, eu a encontrei no perfil de um amigo e ela acabou se tornando também minha “amiga”. Fora isso, nunca a vi mais magra, a não ser nas selfies do Facebook. Mas como final de ano é uma época para mensagens altruísticas e não coisas do tipo “vejam minha ceia de Natal, gente como estou magra! Este é o meu bebê”, escolhi a Neusa como leitmotiv desta crônica, pois ela fala com o coração repleto de sinceridade.             A considerar por suas postagens, a rotina da Neusa começa bem cedo. Com os raios da manhã brilhando ao fundo da serra, eis sua selfie matinal: “Bom dia, Matutina!”. Sua cara de pera de vez e seus olhos vivos aparecem então na foto, muitas vezes com seus instrumentos de trabalho ao fundo, pois a Neusa é gari na cidadezinh…

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DA BANDA FILARMÔNICA

Sentado em uma poltrona marrom encardida, seu Alfa assiste a seu programa favorito na TV. Não se trata do “Show da tarde” nem do “Jornal das quatro”, mas sim do “shoptime”, cheio de novidades interessantes, como o multiprocessador Vavita, uma revolução no mundo dos alimentos. O multiprocessador Vavita é prático, fácil de usar e pode ser comprado em trinta vezes no cartão. Seu Alfa ergue as sombrancelhas ao ouvir a oferta anunciada pela garota-propaganda, ou melhor, senhora-propaganda.
Pelas paredes do quarto, diversas lembranças e fotos penduradas. Em uma delas, seu Alfa posa com a equipe de futebol do exército. “Eu era lateral esquerdo”, afirma com uma ponta de orgulho. Na clássica formação de metade de cócoras e a outra metade em pé, ele aparece aprumado e confiante, deve ter sido um bom lateral. Em outra foto, ele perfila com farda e capacete debaixo do braço. “Sou o do meio, na primeira fila”, aponta com um viés de nostalgia. - Era muito difícil a vida no exército? - Tinha que leva…