Pular para o conteúdo principal

MILHO VERDE, MINAS GERAIS

A vida tranquila, o encontro com a natureza.

             Chegamos a Milho Verde em uma tarde de inverno, logo depois da Grande Fossa que adveio em conseqüência da derrota do Brasil para a Alemanha na Copa do Mundo. Assistimos ao jogo, isto é, à hecatombe em uma pousada de Diamantina. São tempos de férias e de copa e há muitos estrangeiros viajando pelo país. Na pousada, os franceses, que assistiram ao jogo junto conosco, estavam torcendo pelo Brasil, foi o que disseram antes do jogo. Eles estavam mais confiantes do que nós, que já admitíamos de antemão a possibilidade de uma derrota do Brasil.
            Havia também alemães. Esses, por um explicável(?) pudor germânico, preferiram ficar em seus apartamentos. Não pareciam muito ligados no jogo, pelo menos antes desse começar. Depois do apito final, e com a cidade de Diamantina mergulhada no silêncio, vi-os no lounge trocando mensagens frenéticas com seus patrícios do outro lado da Internet. Não pude entender o que diziam, porque não sei alemão. Mas, pelo tom, pela atmosfera fúnebre estampada no rosto dos brazucas e por meus próprios sentimentos, adivinhei o conteúdo dos seus diálogos:
O paraíso fica na Serra do Espinhaço, região do Pico do Itambé, em Minas Gerais.

            - Você precisa ver! Os brasileiros estão boquiabertos! Parece que caíram de um avião!
            - Sete a um! Por aqui estão dizendo que eles ficaram amarelos de medo!   
            - Esta é a mais nova versão para a cor da camisa do Brasil. Dizem que vão trocá-la por uma camisa negra, de luto.
            - Tem uma piada circulando que diz que...
            Melhor parar de adivinhar o que diziam os organizados alemães, que deram uma bela lição de esporte e competitividade aos brasileiros, desorganizados e pretensiosos. O Brasil achava-se bom acima do que podia responder, construiu-se uma ilusão, impulsionado pelo mercantilismo e pela mídia, que nadaram em propagandas ufanistas e enganação. Caiu do cavalo, quebrou a perda, entrou na Grande Fossa.
Vista da região de São Gonçalo do Rio das Pedras.

            Portanto, nada melhor do que chegar a Milho Verde, com sua natureza exuberante e seu astral nas nuvens.
            Como tantos outros lugares paradisíacos, Milho Verde é um aglomerado semi-urbano que reúne moradores antigos e novos. Os antigos são aqueles que deram a identidade inicial ao lugar; os novos são citadinos refratários, provenientes de Belo Horizonte e de outras regiões e até mesmo do exterior. É gente que deu a volta ao mundo e escolheu finalmente fincar o pé na região do Pico do Itambé, divisor de águas das bacias dos rios Jequitinhonha, Doce e São Francisco, comumente conhecida como Alto Jequitinhonha.
            Você chega, conhece o lugarejo em meia-hora e seus moradores ao fio da estadia, pois a gente, de bem com a vida, faz de tudo o pretexto para um bom papo. Os arredores, com várias trilhas e cachoeiras, estão bem preservados e não sofrem com a ação predatória do turismo de massa, embora o número de visitantes seja elevado. Não há lixo, não há pichação, não há poluição sonora. A índole pacífica se estende aos animais, como os cachorros, que não latem e nem perseguem os estranhos. Alguns jumentos pastam em terrenos baldios, tão à vontade quanto os humanos.    
            À noite, uma movimentada vida cultural agita as ruas de terra, na “terrific” Milho Verde by Night, digna de BH.
Apresentação do grupo Maria Faceira durante o Encontro Cultural de Milho Verde.

MILHO VERDE BY NIGHT
            E by day também. Pudemos acompanhar o Encontro Cultural de Milho Verde, que acontece no mês de julho desde 2000, com apresentações de cinema, música e literatura, além de atividades para as crianças, das quais não participei. Milho Verde ganhou ares de festival de inverno, reunindo uma plateia dos vinte ao sessenta anos. Bravo ao grupo Maria Faceira que fez uma linda apresentação reunindo vozes, percussão, harpa, violão e coreografia. Bravo aos proprietários do Angu Duro, Café Devassa e Casa do Açaí, que acolheram belos eventos.  Na projeção dos curtas-metragens ficou patente que a “temática social” ainda atrai os alternativos urbanos, que formam o grosso da população do Milho Verde.            Entretanto, os filmes não interessavam muito, porque o mais importante é o filme real que está rolando atualmente no vilarejo, o eletrizante:
MILHO VERDE WESTERN
            Cobiçada por suas belezas naturais, a região dos vilarejos de Milho Verde e São Gonçalo do Rio das Pedras passa por um “boom” imobiliário, com os habituais improvisos e ações maquiavélicas e contravenções. Afinal, temos que voltar a falar do Brasil 7 a 1, que continua o mesmo: em meio a uma trama que envolve a urbanização da região e a pressão crescente dos agentes exógenos, já houve uma tentativa de homicídio, com dois tiros falhos, seguida de ataques com explosivos, mais intimidação com tiro de raspão. As autoridades estão investigando, promete ser uma série com vários capítulos.
Na noite parda, o sorriso maior é o do cronista.

            Qualquer que seja a decisão dos inquisidores, nada me fará desistir de voltar outras vezes a Milho Verde. Por sua localização perfeita, em meio à Serra do Espinhaço, com clima ameno e farta distribuição de nascentes. Pela atmosfera cordial e o alto astral de seus moradores, capazes de curar-nos da Grande Fossa, que agora se ampliou com mais uma derrota do Brasil nos gramados.

©
Abrão Brito Lacerda



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CAI O QUEIXO

Neusa Santos 27 de dezembro às 05:58 ·  Bom dia , Matutina !


Para começar, uma nobre verdade: não conheço a Neusa. Pelo menos, não pessoalmente. Não se trata de uma ex-colega de faculdade, de alguém que virou celebridade de um minuto através de milhões de likes, eu a encontrei no perfil de um amigo e ela acabou se tornando também minha “amiga”. Fora isso, nunca a vi mais magra, a não ser nas selfies do Facebook. Mas como final de ano é uma época para mensagens altruísticas e não coisas do tipo “vejam minha ceia de Natal, gente como estou magra! Este é o meu bebê”, escolhi a Neusa como leitmotiv desta crônica, pois ela fala com o coração repleto de sinceridade.             A considerar por suas postagens, a rotina da Neusa começa bem cedo. Com os raios da manhã brilhando ao fundo da serra, eis sua selfie matinal: “Bom dia, Matutina!”. Sua cara de pera de vez e seus olhos vivos aparecem então na foto, muitas vezes com seus instrumentos de trabalho ao fundo, pois a Neusa é gari na cidadezinh…

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DA BANDA FILARMÔNICA

Sentado em uma poltrona marrom encardida, seu Alfa assiste a seu programa favorito na TV. Não se trata do “Show da tarde” nem do “Jornal das quatro”, mas sim do “shoptime”, cheio de novidades interessantes, como o multiprocessador Vavita, uma revolução no mundo dos alimentos. O multiprocessador Vavita é prático, fácil de usar e pode ser comprado em trinta vezes no cartão. Seu Alfa ergue as sombrancelhas ao ouvir a oferta anunciada pela garota-propaganda, ou melhor, senhora-propaganda.
            Pelas paredes do quarto, diversas lembranças e fotos penduradas. Em uma delas, seu Alfa posa com a equipe de futebol do exército. “Eu era lateral esquerdo”, afirma com uma ponta de orgulho. Na clássica formação de metade de cócoras e a outra metade em pé, ele aparece aprumado e confiante, deve ter sido um bom lateral. Em outra foto, ele perfila com farda e capacete debaixo do braço. “Sou o do meio, na primeira fila”, aponta com um viés de nostalgia. - Era muito difícil a vida no exército? - Ti…

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de