Pular para o conteúdo principal

A SEREIA DO TÂMISA


         

            
          A noite caía promissora sobre o South Bank, com ventos ligeiros soprando no sentido leste-oeste e algumas nuvens carregadas no céu, coisa habitual para a capital inglesa. Sob os últimos raios de um sol incerto de verão, muitos turistas caminhavam descontraidamente ao longo do cais, provenientes do London Eye, um dos últimos ícones arquitetônicos implantados na paisagem dessa Londres tão moderna quanto antiga, tão calma quanto agitada, tão melancólica quanto irônica. A roda gigante, com suas cápsulas de vidro que percorrem os 360 graus em ritmo de caramujo, fazia o último giro da jornada, as luzes se acendiam, era tempo de buscar novas aventuras.
Eu acabara de fazer uma ótima refeição no Azzuro, um restaurante italiano localizado sob os arcos de uma antiga estrada de ferro. Como todo espírito avisado, eu sabia que em Londres é preciso a todo custo evitar a abominável comida inglesa, a menos que você possua uma conta recheada de libras para frequentar o English Beef. A split de vinho rosê, consumida sem moderação, fazia efeito e eu flanava do lado oposto ao Big Ben com a cabeça cheia de imagens e vazia de preocupações. Debrucei-me sobre a balaustrada e contemplei o rio: alguns barcos deslizavam sobre as águas crepusculares e produziam pequenas ondas que cintilavam como feixes multicoloridos. Tentar encontrar uma musa por ali, entrar em um pub e experimentar um pouco do brew local ou simplesmente sentar como tantos outros em um banco e ouvir a música de alguém, violino ou rock and roll? Uma musa, pensei, será difícil entre essas moças muito brancas, de pernas longas, pisoteando seus saltos altos com pouca intimidade.  Londres não é uma passarela romântica como Paris, é mais dura, tem também seu lado working class e outsider. Daí porque essas garotas parecem tão bregas.
Um bar recém-aberto servia coquetéis verde-escuros enfeitados com uma cereja espetada na ponta de um palito. “How much?”; “Six pounds.” Até que não estava pela hora da morte. 25 reais por um drink em um barzinho “takeaway”: copo descartável, você compra e sai bebericando como quiser, desde que não tropece e caia dentro do rio.
Havia um clima de descontração e fantasia no ar, um blues bem inglês, ao mesmo tempo decadente e digno. A alguns passos do London Eye, lá estava ela, sentada em um banquinho dobrável, tocando bandolim - e a música...
Área da corda de sol, de Johann Sebastian Bach, um morceau escolhido a propósito para combinar com o teatro de sombras chinesas que animava a paisagem.
De costas para o rio e de frente para o Jubilee Gardens, ela emprestava seu sorriso doce e ao mesmo tempo triste aos flashes dos turistas, enquanto era vista com relativa indiferença pelos londrinos. Com o Tâmisa, o Parlamento e o London Eye como moldura, inclinava-se em agradecimento para cada moeda depositada no estojo do instrumento, que lhe servia de coleta E mais um turista feliz levava sua imagem para o outro lado do mundo.
Após ouvi-la por alguns minutos, decidi que era chegada a hora de pagar pelo show. Segurei uma moeda hexagonal entre os dedos, mas, antes de depositá-la sobre o fundo aveludado, conferi o conteúdo do mesmo (eu receava ter que relatar isso na posteridade): havia muitas moedas brancas de 50p, várias libras amareladas, alguns euros intrusos, até mesmo notas, e outros difíceis de identificar, talvez yenes japoneses ou rublos russos. A mais perfeita democracia monetária, uma lição para as nações em guerra, reunida no cachê de uma artista de rua. Ela abriu um sorriso que lhe iluminou o rosto e eu pude ler em seu olhar que ela era de Watford ou Northwood,  na parte norte da cidade, estudante de música ou desempregada, solteira ou sonhadora, mas não estava ali por acaso.
Não sei se foi Bach, a tarde ou o drink, mas eu faria tudo outra vez, juro que o faria: o parapeito pintado de verde-inglês, acinzentado e tirado para o azul, os reflexos dançantes na superfície do Tâmisa, a sereia que tocava... da qual eu me distanciava na medida em que seguia em direção a Waterloo Bridge, para o metrô ou talvez o próximo drink.
A cidade ainda tinha muito a oferecer.

©
Abrão Brito Lacerda
01 03 18





Comentários

  1. Muito bom o seu texto. Também não pude deixar de enviar um comentário sobre a sua crônica "Mais velha do que eu", relatando uma breve visita que eu e minha esposa fizemos a sua mãe. Um abraço. Vinícius.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Vinicius, é um prazer vê-lo por aqui novamente. Respondi ao seu comentário sobre a "Crônica mais velha do que eu" por e-mail. Percebo agora que você não o recebeu. Vou reenviar. Inscreva-se no blog como membro na rubrica "Faça parte deste blog". Até breve.

      Excluir

Postar um comentário

Gostaria de deixar um comentário?

Postagens mais visitadas deste blog

CAI O QUEIXO

Neusa Santos 27 de dezembro às 05:58 ·  Bom dia , Matutina !


Para começar, uma nobre verdade: não conheço a Neusa. Pelo menos, não pessoalmente. Não se trata de uma ex-colega de faculdade, de alguém que virou celebridade de um minuto através de milhões de likes, eu a encontrei no perfil de um amigo e ela acabou se tornando também minha “amiga”. Fora isso, nunca a vi mais magra, a não ser nas selfies do Facebook. Mas como final de ano é uma época para mensagens altruísticas e não coisas do tipo “vejam minha ceia de Natal, gente como estou magra! Este é o meu bebê”, escolhi a Neusa como leitmotiv desta crônica, pois ela fala com o coração repleto de sinceridade.             A considerar por suas postagens, a rotina da Neusa começa bem cedo. Com os raios da manhã brilhando ao fundo da serra, eis sua selfie matinal: “Bom dia, Matutina!”. Sua cara de pera de vez e seus olhos vivos aparecem então na foto, muitas vezes com seus instrumentos de trabalho ao fundo, pois a Neusa é gari na cidadezinh…

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DA BANDA FILARMÔNICA

Sentado em uma poltrona marrom encardida, seu Alfa assiste a seu programa favorito na TV. Não se trata do “Show da tarde” nem do “Jornal das quatro”, mas sim do “shoptime”, cheio de novidades interessantes, como o multiprocessador Vavita, uma revolução no mundo dos alimentos. O multiprocessador Vavita é prático, fácil de usar e pode ser comprado em trinta vezes no cartão. Seu Alfa ergue as sombrancelhas ao ouvir a oferta anunciada pela garota-propaganda, ou melhor, senhora-propaganda.
Pelas paredes do quarto, diversas lembranças e fotos penduradas. Em uma delas, seu Alfa posa com a equipe de futebol do exército. “Eu era lateral esquerdo”, afirma com uma ponta de orgulho. Na clássica formação de metade de cócoras e a outra metade em pé, ele aparece aprumado e confiante, deve ter sido um bom lateral. Em outra foto, ele perfila com farda e capacete debaixo do braço. “Sou o do meio, na primeira fila”, aponta com um viés de nostalgia. - Era muito difícil a vida no exército? - Tinha que leva…

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de