Pular para o conteúdo principal

NOVA VIÇOSA, BAHIA




         Em tempo de férias e viagens, nada como visitar um lugar aprazível para quebrar a rotina, combater o estresse e recompor as energias através do contato direto com a natureza.

Caminhada matinal, próximo à foz do rio Peruípe.

Nova Viçosa é um popular destino turístico de verão, sobretudo entre mineiros, goianos, brasilienses e capixabas, além de baianos. Localizada no extremo-sul da Bahia, a cidade é de fácil acesso e agradável, tanto de dia, quando está vazia por conta da praia, quanto à noite, quando a parte central se transforma em um alegre e colorido bazar.


Na chegada, o negócio do turismo, com inúmeras pousadas e hotéis, situados ao longo da rodovia. À medida que penetramos em seu interior, até as margens do rio Peruípe, damos conta da cidade de pescadores, com suas ruas estreitas e casas pequenas.

Cidade "antiga" à noite, onde se podem encontrar simpáticos restaurantes.

A grande atração de Nova Viçosa é mesmo a praia. Larga, pouco profunda e com ondas geralmente fracas, ela é ideal para se nadar e curtir o mar, inclusive para crianças, que podem se banhar em suas águas com segurança.


O balneário tem o privilégio de ser um dos poucos lugares onde se pode ver o nascer e o por do sol na mesma praia, isto devido a sua posição geográfica leste-oeste.
 Confira o nascer do sol na praia da foz:


           E o por do sol na praia da Avenida Atlântica:


          Entre partidas e chegadas, a cidade não é um trem, mas leva e traz alegrias, impressas na pele e na retina.

            
© 
Abrão Brito Lacerda
28 02 18

Comentários

  1. Oi Abrão! como sempre nos presenteando com lindas imagens e nos dando dicas interessantes sobre lugares. Gostei muito...!!!
    Marilene Resende

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostaria de deixar um comentário?

Postagens mais visitadas deste blog

CAI O QUEIXO

Neusa Santos 27 de dezembro às 05:58 ·  Bom dia , Matutina !


Para começar, uma nobre verdade: não conheço a Neusa. Pelo menos, não pessoalmente. Não se trata de uma ex-colega de faculdade, de alguém que virou celebridade de um minuto através de milhões de likes, eu a encontrei no perfil de um amigo e ela acabou se tornando também minha “amiga”. Fora isso, nunca a vi mais magra, a não ser nas selfies do Facebook. Mas como final de ano é uma época para mensagens altruísticas e não coisas do tipo “vejam minha ceia de Natal, gente como estou magra! Este é o meu bebê”, escolhi a Neusa como leitmotiv desta crônica, pois ela fala com o coração repleto de sinceridade.             A considerar por suas postagens, a rotina da Neusa começa bem cedo. Com os raios da manhã brilhando ao fundo da serra, eis sua selfie matinal: “Bom dia, Matutina!”. Sua cara de pera de vez e seus olhos vivos aparecem então na foto, muitas vezes com seus instrumentos de trabalho ao fundo, pois a Neusa é gari na cidadezinh…

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DA BANDA FILARMÔNICA

Sentado em uma poltrona marrom encardida, seu Alfa assiste a seu programa favorito na TV. Não se trata do “Show da tarde” nem do “Jornal das quatro”, mas sim do “shoptime”, cheio de novidades interessantes, como o multiprocessador Vavita, uma revolução no mundo dos alimentos. O multiprocessador Vavita é prático, fácil de usar e pode ser comprado em trinta vezes no cartão. Seu Alfa ergue as sombrancelhas ao ouvir a oferta anunciada pela garota-propaganda, ou melhor, senhora-propaganda.
Pelas paredes do quarto, diversas lembranças e fotos penduradas. Em uma delas, seu Alfa posa com a equipe de futebol do exército. “Eu era lateral esquerdo”, afirma com uma ponta de orgulho. Na clássica formação de metade de cócoras e a outra metade em pé, ele aparece aprumado e confiante, deve ter sido um bom lateral. Em outra foto, ele perfila com farda e capacete debaixo do braço. “Sou o do meio, na primeira fila”, aponta com um viés de nostalgia. - Era muito difícil a vida no exército? - Tinha que leva…