Pular para o conteúdo principal

NOVA VIÇOSA, BAHIA




         Em tempo de férias e viagens, nada como visitar um lugar aprazível para quebrar a rotina, combater o estresse e recompor as energias através do contato direto com a natureza.

Caminhada matinal, próximo à foz do rio Peruípe.

Nova Viçosa é um popular destino turístico de verão, sobretudo entre mineiros, goianos, brasilienses e capixabas, além de baianos. Localizada no extremo-sul da Bahia, a cidade é de fácil acesso e agradável, tanto de dia, quando está vazia por conta da praia, quanto à noite, quando a parte central se transforma em um alegre e colorido bazar.


Na chegada, o negócio do turismo, com inúmeras pousadas e hotéis, situados ao longo da rodovia. À medida que penetramos em seu interior, até as margens do rio Peruípe, damos conta da cidade de pescadores, com suas ruas estreitas e casas pequenas.

Cidade "antiga" à noite, onde se podem encontrar simpáticos restaurantes.

A grande atração de Nova Viçosa é mesmo a praia. Larga, pouco profunda e com ondas geralmente fracas, ela é ideal para se nadar e curtir o mar, inclusive para crianças, que podem se banhar em suas águas com segurança.


O balneário tem o privilégio de ser um dos poucos lugares onde se pode ver o nascer e o por do sol na mesma praia, isto devido a sua posição geográfica leste-oeste.
 Confira o nascer do sol na praia da foz:


           E o por do sol na praia da Avenida Atlântica:


          Entre partidas e chegadas, a cidade não é um trem, mas leva e traz alegrias, impressas na pele e na retina.

            
© 
Abrão Brito Lacerda
28 02 18

Comentários

  1. Oi Abrão! como sempre nos presenteando com lindas imagens e nos dando dicas interessantes sobre lugares. Gostei muito...!!!
    Marilene Resende

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostaria de deixar um comentário?

Postagens mais visitadas deste blog

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de

50 ANOS DE BUDISMO NO VALE DO AÇO, MG

Ipatinga e região viveu neste 22 de agosto de 2015 um dia histórico com a Convenção Cultural em comemoração aos  50 anos da implantação do Budismo de Nitiren Daishonin no Vale do Aço. O evento é tanto mais significativo porque se confunde com a própria história da cidade, pois foi através da siderúrgica Usiminas, criada em outubro de 1962, que os primeiros japoneses se instalaram no que à época era uma vila pertencente ao município vizinho de Coronel Fabriciano, vindos sobretudo dos estados de São Paulo e Paraná. Com os imigrantes vieram os hábitos e a cultura, com destaque para a culinária e artes como a ikebana, o origami e a caligrafia, além da filosofia grandiosa do Budismo. 
            Muitos tinham se convertido ainda no Japão, outros se converteram após chegarem ao Brasil, graças ao impulso propagador do pós-guerra promovido pela Soka Gakkai, no movimento chamado Kossen-rufu.


































KOSSEN-RUFU E DESENVOLVIMENTO DE VALORES HUMANOS

          Kossen-rufu significa ampla propag…

MAGA PATALÓGIKA E O ORGASMO ATÔMICO

Até que enfim explicaram a explosão da bomba de Hiroshima, um dos segredos mais bem guardados da humanidade, mais inviolável do que, digamos,  o cinto de castidade. Foi um grande avanço para a ciência experimental, nos limites da science fiction, da animação cinematográfica e da física nuclear.             A Maga em questão é mesmo a bruxa dos gibis de Walt Disney, obcecada pela moedinha número um do Tio Patinhas, mas que sempre leva chumbo do velho sovina. Só mesmo um gato agourento e dois corvos ligeiramente néscios, altamente malévolos, o Laércio e o Perácio, igualmente péssimos piadistas, para tolerar a megera. Ainda que a Maga não seja de todo má, é esbelta e ágil – sopa de morcego com pimenta malagueta? –, tem olhos verdes faiscantes e sabe cavalgar uma vassoura como ninguém. Agora descobriram o poder secreto daquele inebriante quaac! que ela solta toda vez que se dá mal.             Convidaram os professores Pardal e Ludovico para chefiar uma série de experiências destin…