Pular para o conteúdo principal

VENTO SUL - A Infância das Histórias





Capa de VENTO SUL, meu primeiro livro impresso
  
Muitas histórias nascem na infância ou nela se inspiram, pois nada se assemelha mais ao ato de contar histórias do que a imaginação infantil. Tornar possível o impossível, inventar, subverter, mesclar, e assim ocupar a mente e sua fábrica de ideias em algo útil, pois mente ociosa é oficina do diabo.
Escrevo para dar sentido às ideias que trocam cotoveladas em minha mente. Mas também pelo prazer que emana da combinação livre das palavras, da possibilidade de fixar uma imagem e assim poder reparti-la indefinidamente, num exercício de liberdade compartilhado com o leitor.
Um caprichado projeto editorial deu ao livro beleza e distinção

Vento Sul, meu livro de estreia na literatura impressa, é composto de dezessete histórias que refletem o universo de minha infância, um universo que não existe mais, um mundo simples e pequeno, entre vila e fazenda. Mundo de jogos e descobertas, de experiências diretas com o tato, o olfato e a visão, assim como de muitos animais. Onde o mais insignificante evento, como a passagem de um circo mambembe, produzia efeitos alucinantes. 
Diagramação cuidadosa, tipos agradáveis de ler: nada foi deixado ao acaso


Algumas histórias apresentam o ponto de vista do menino, com a emoção e o frescor das primeiras experiências, outras têm a marca do adulto irônico, que olha para o passado para parodiá-lo.
São contos, talvez crônicas, um pouco de fábulas. Tentativas de recriar um gênero, pois escrever é contar, recontar, recriar. Um trabalho que passará agora pelo crivo do leitor, que tem o dom da lembrança e do esquecimento.
As histórias são intencionalmente curtas, para serem lidas em dez, quinze ou vinte minutos, de uma só vez. Têm um ritmo particular, que identifico como traços do meu estilo, são fluidas e objetivas. Criadas pelo prazer da escrita para o prazer da leitura.
Publicado em edição do autor através da Editora Scortecci de São Paulo, Vento Sul conta com ilustrações do artista plástico Romeu Célio, de Timóteo, Minas Gerais. Romeu foi um importante parceiro neste projeto e contribuiu com suas estampas para o visual dinâmico e bonito do livro. Uma apresentação gráfica agradável ao olhar e ao manuseio foi uma das preocupações desta edição.





Obrigado a todos que me têm lido neste blog, de propósito ou incidentalmente. Desejo-lhes ótimas viagens, literárias ou não.

©
Abrão Brito Lacerda
28/02/18

Comentários

  1. Olá Abrão, finalmente veio nos presentear com esse bela novidade de Natal. Sei o quanto o projeto é audacioso e merecido de toda essa audácia.
    A propósito, posso divulgá-lo em meu bog?
    Sucessos sempre!

    ResponderExcluir
  2. Salut, Zé,

    Será uma honra ser apresentado por você. Uma proposta: você divulga o livro primeiro; depois eu o apresento em seu blog com um texto meu. Ok? Pode divulgar meu e-mail de contato: abraobritolacerda@gmail.com.

    ResponderExcluir
  3. Combinado, estarei divulgando assim que entrar o novo ano. Novas e boas notícias para o novo ciclo que chegará!
    Abraço, Abrão!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostaria de deixar um comentário?

Postagens mais visitadas deste blog

CAI O QUEIXO

Neusa Santos 27 de dezembro às 05:58 ·  Bom dia , Matutina !


Para começar, uma nobre verdade: não conheço a Neusa. Pelo menos, não pessoalmente. Não se trata de uma ex-colega de faculdade, de alguém que virou celebridade de um minuto através de milhões de likes, eu a encontrei no perfil de um amigo e ela acabou se tornando também minha “amiga”. Fora isso, nunca a vi mais magra, a não ser nas selfies do Facebook. Mas como final de ano é uma época para mensagens altruísticas e não coisas do tipo “vejam minha ceia de Natal, gente como estou magra! Este é o meu bebê”, escolhi a Neusa como leitmotiv desta crônica, pois ela fala com o coração repleto de sinceridade.             A considerar por suas postagens, a rotina da Neusa começa bem cedo. Com os raios da manhã brilhando ao fundo da serra, eis sua selfie matinal: “Bom dia, Matutina!”. Sua cara de pera de vez e seus olhos vivos aparecem então na foto, muitas vezes com seus instrumentos de trabalho ao fundo, pois a Neusa é gari na cidadezinh…

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DA BANDA FILARMÔNICA

Sentado em uma poltrona marrom encardida, seu Alfa assiste a seu programa favorito na TV. Não se trata do “Show da tarde” nem do “Jornal das quatro”, mas sim do “shoptime”, cheio de novidades interessantes, como o multiprocessador Vavita, uma revolução no mundo dos alimentos. O multiprocessador Vavita é prático, fácil de usar e pode ser comprado em trinta vezes no cartão. Seu Alfa ergue as sombrancelhas ao ouvir a oferta anunciada pela garota-propaganda, ou melhor, senhora-propaganda.
Pelas paredes do quarto, diversas lembranças e fotos penduradas. Em uma delas, seu Alfa posa com a equipe de futebol do exército. “Eu era lateral esquerdo”, afirma com uma ponta de orgulho. Na clássica formação de metade de cócoras e a outra metade em pé, ele aparece aprumado e confiante, deve ter sido um bom lateral. Em outra foto, ele perfila com farda e capacete debaixo do braço. “Sou o do meio, na primeira fila”, aponta com um viés de nostalgia. - Era muito difícil a vida no exército? - Tinha que leva…

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de